Loira do bem ∞ : Novembro 2009

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Segunda-Feira -Comunhão com o Anjo da Vida


"Anjo da Vida, abençoa meus membros e fortalece todo meu corpo".
Medite a respeito das árvores e florestas e sinta o corpo absorvendo a força vital que irradia da natureza.

ORAÇÃO A MÃE TERRA.
Abençoado seja o Filho da Luz que conhece sua Mãe Terra, pois é ela a doadora da vida.

Saibas que a sua Mãe Terra está em ti e tu estás Nela.
Foi Ela quem te gerou e que te deu a vida
E te deu este corpo que um dia tu lhe devolvas.

Saibas que o sangue que corre nas tuas veias
Nasceu do sangue da tua Mãe Terra,
o sangue Dela cai das nuvens, jorra do ventre Dela
borbulha nos riachos das montanhas
flui abundantemente nos rios das planícies.

Saibas que o ar que respiras nasce da respiração da tua Mãe Terra,
o alento Dela é o azul celeste das alturas do céu
e os sussurros das folhas da floresta.

Saibas que a dureza dos teus ossos foi criada dos ossos de tua Mãe Terra.
Saibas que a maciez da tua carne nasceu da carne de tua Mãe Terra.
A luz dos teus olhos, o alcance dos teus ouvidos
nasceram das cores e dos sons da tua Mãe Terra
que te rodeiam feito às ondas do mar cercando o peixinho.

Como o ar tremelicante sustenta o pássaro
em verdade te digo, tu és um com tua Mãe Terra
ela está em ti e tu estás Nela.
Dela tu nasceste, Nela tu vives e para Ela voltará novamente.

Segue, portanto, as Suas leis
pois teu alento é o alento Dela.
Teu sangue o sangue Dela.
Teus ossos os ossos Dela.
Tua carne a carne Dela.
Teus olhos e teus ouvidos são Dela também.

Aquele que encontra a paz na sua Mãe Terra
não morrerá jamais,conhece esta paz na tua mente
deseja esta paz ao teu coração realiza esta paz com o teu corpo.

Evangelho dos Essênios.

Rio Aquidauana: Projeto Mondego é adiado


Fonte: Exportiva do MS-Assessoria
Qui, 26 de Novembro de 2009 14:40
Mais de 200 km do Rio Aquidauana serão limpos através do projeto Mondego. Uma iniciativa do Instituto Parque do Pantanal, presidido pelo cantor Almir Sater juntamente com o Governo Municipal de Aquidauana, Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário da Produção da Indústria do Comércio e do Turismo (Seprotur) e Polícia Militar Ambiental.
O projeto conta com o apoio de 80 pescadores profissionais da colônia Z-7, 30 barcos e 4 lanchas (chalanas). De acordo com o zootecnista Roberto Valadares, da Gerência de Produção e Meio Ambiente do Governo Municipal, o projeto além de realizar educação ambiental e coleta de materiais do rio, visa conscientizar a população.

Segundo a assessoria do cantor, a data anteriormente definida para a operação, que seria nesta sexta feira (27) foi alterada, por questão de logística. Assim que for definida uma nova data haverá comunicação prévia.

fonte:http://www.exportiva.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4094:rio-aquidauana-projeto-mondego-e-adiado&catid=46:aquidauana&Itemid=86

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Sociedade: Abaixo a Hipocrisia| Respeito à mãe Africa.

"Tava" aqui pensando eu com a minha violinha...como as pessoas são difíceis em chegar num consenso, diálogo ou respeito e logo se sentem ofendidas quando não compactuamos das mesmas ideias e opiniões; Eu explico: havia recebido no email, um destes tantos que eu propriamente não enviaria a ninguém, de piadas racistas, opções sexuais, correntes.Eu acho que as pessoas deveriam usar o bom senso e não deveriam jamais enviar mesmo porque, num ambiente profissional, fica difícil, saber qual é a religião, o time de futebol, a cor ou o credo de cada um.
De repente perdemos excelentes oportunidades de ficarmos calados e até de negócios, pois nunca sabemos ,qual tipo de pessoa é o(nosso) cliente/fornecedor que está atrás do email ou do telefone interagindo conosco; Hoje recebi um destes emails, que reprovo sobre o por que das cotas para negros, onde citam diversas personalidades, porém essa pessoa foi infeliz ao enviar para mim, me considero uma branca na pele apenas, mas de alma negra que luta pela igualdade social e que inclusive, voluntariamente ministra cursos de Inclusão Social e Desenvolvimento Interpessoal e almeja uma sociedade com mais equidade, respeito, empatia e harmonia;
O texto enviado:O NEGRO(é concordo, pra quê cotas!?)
O político mais poderoso do mundo é negro...
E o líder da oposição (Partido Republicano) também é negro.
A mulher mais rica e influente na mídia é negra.
O melhor jogador de golfe de todos os tempos é negro.
As melhores jogadoras de tênis do mundo também são negras.O ator mais popular do mundo é negro.
O piloto de corrida mais veloz do mundo é negro.
O mais inteligente astrofísico na face da terra é negro.
O mais próspero cirurgião cerebral do mundo é negro.
O homem mais rápido do mundo é negro.
....POR QUE NO BRASIL ELES AINDA PRECISAM DE COTAS?

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Projeto ambiental de Almir Sater vai limpar o rio Aquidauana




O Instituto Parque do Pantanal, presidido pelo cantor Almir Sater, realizará a partir do dia 27 de novembro, em parceria com o Governo Municipal de Aquidauana, Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário da Produção da Indústria do Comércio e do Turismo (Seprotur) e Polícia Militar Ambiental, o projeto “Mondego”.

A iniciativa tem como objetivo realizar a limpeza do Rio Aquidauana em um trecho de cerca de 200 km, contando com o apoio de 80 pescadores profissionais da colônia Z-7, de Aquidauana, 30 barcos e 4 lanchas (chalanas).

O ponto de partida será na ponte do Rio Taquarussu, às sete horas. A operação durará cerca de seis dias, quando os coletores chegarem ao Rio Miranda, em um ponto conhecido como “Barra”. A coleta de lixo será feita nas margens do rio e na bacia.

Segundo o zootecnista Roberto Valadares, da Gerência de Produção e Meio Ambiente do Governo Municipal, o projeto além de realizar educação ambiental e coleta de materiais do rio, visa conscientizar a população.

Todo o lixo recolhido será depositado nos 14 pontos de retirada que serão espalhados pelo percurso, cabendo aos pescadores o trabalho de reciclagem.



fonte:http://www.msnoticias.com.br/?p=ler&id=28029


O artista,quando de sua apresentação em Foz do Iguaçu,Pr,dia 20/11, para abrilhantar o evento"Cultivando Agua Boa",adiantou sobre esse importante projeto.




Não basta ser artista,ser cidadão,tem que participar..quem sabe, mais Almir Sater
comecem a surgir por esse mundão do nosso Deus. A natureza clama, mãe terrenal também !

domingo, 22 de novembro de 2009

Reflexão: A propósito do Câncer







Em uma tarde de sol,um médico neurologista passeava pelo cais com o filho adolescente. De súbito apareceu um homem fora de si,que atirava a esmo com uma arma de fogo;uma bala perdida atingiu seu filho e o matou.

Essa experiência inesperada e brutal causou profundo abalo ao médico.E,um mês,após surgiu nele um câncer de testículo,que foi então operado e tratado de forma convencional. A partir desta experiência,ele passou a suspeitar da relação entre o choque psíquico vivido e o câncer que o acometeu e dois anos após ao trabalhar numa enfermaria de oncologia percebeu pelas histórias dos pacientes que tinham sofridos traumas semelhantes.

Após anos de pesquisas,e estudado milhares de casos,o médico relacionou o tipo de trauma vivido na área cerebral com o órgão em que o câncer se instalava.

E assim,ele estabeleceu três níveis de manifestação de câncer: o psíquico,o cerebral e o orgânico e que até hoje a ciênica médica,procura na célula ou DNA a causa do câncer.
Na ciênci
a espiritual,analogicamente que traumas intensos são capazes de abrir as comportas do plano psíquico e liberar sua carga desorganizadora.Esse impacto atinge o cérebro sutil e a seguir o físico.

Choques psíquicos e o Câncer:

Câncer do Estômago:conflitos familiares intensos;estados de cóleras impossíveis de transmutar;

Câncer de fígado:rancor profundo ante uma injustiça,sentimentos fortes de inveja e ciúme,medo da morte pela fome;

Câncer de intestino grosso:grandes contrariedades,forte repúdio a ações vis,dificuldade de digeri-las;

Câncer de mama:quebra marcante da harmonia na relação mãe-filho.

Câncer de Pele: conflitos de perda da integridade física;sentimento de ter sido ultrajado,difamado ou insultado;

Câncer de osso: baixo autoestima,sentimentos de inferioridades arraigados;

Câncer de Tireóide: sentimento de impotência diante de circunstâncias adversas da vida;

Câncer de colo de útero: graves conflitos de frustração sexual;

Entretanto,é essencial ter a atitude correta,devemos reconhecer as grandes oportunidades de transformação, é necessário acolher a doença sem ressentimentos.

Havia um engenheiro especialista em armas e colecionador delas, qdo se viu acometido por leucemia,fatal na época,em vez de reagir de forma negativa,foi dedicar seus últimos meses, doando sua vida para salvar outras,e se ofereceu para desarmar as bombas-relógios de atentados terroristas.

E,só,após ter desarmados dezenas de bombas,é que se deu conta de que seu tempo de vida previsto,já tinha sido ultrapassado!Ficou curado e ainda viveu algumas décadas e desfez de sua coleção de armas.

A doação incondicional da própria vida para salvar a dos demais pode promover a cura de forma simples e inesperada.

E ainda que aas ações positivas possam não ser suficientes para interromper a evolução de uma doença física,nossa postura diante dela deve mudar essencialmente, pois isto é decisivo para o verdadeiro processo de cura interior.

Uma enfermidade qualquer, traz sempre consigo uma transformação a ser feita.Mesmo um simples resfriado tem isso por detrás.

Dr. José Maria Campos –Médico,clinico,pesquisador,escritor,membro do Conselho de Figueira(MG).

sábado, 21 de novembro de 2009

Almir Sater se entusiasma com Cultivando Agua Boa em Foz

Almir Sater se apresentou, ontem 20/11 ,no Encontro Cultivando Agua Boa ,no Hotel Rafain, em Foz do Iguaçu/PR e o congresso foi recorde de público com mais de 4.000 inscritos. O artista em entrevista exclusiva ao RPC, fala dos seus planos, em gravar um novo CD e Instrumental, elogia a iniciativa de Itaipu sobre o projeto e ainda fala, que motivado pelo mesmo, estará criando o seu próprio na região de Aquidauana, no MS, que servirá, além do incentivo ao meio ambiente, a preservação, aumento de renda para os pescadores e afins.;
Esse é Almir Sater ...sem comparação.. !

Sempre me perguntam, mas por que Almir Sater? porque levantar a bandeira dele, nos meios assim? A resposta, como diria Bob Dylan, está soprando no vento, meu amigo: Para mim, não basta ser interessante, artista, da mídia, da moda, do momento, ser a bola da vez, é preciso ser um ser pensante, que faz a diferença no contexto social, e se além do talento capacidade musical, ter sua imagem associada a algo edificante vale cada minuto, do meu tempo ocioso, para tal. O Brasil, o mundo, nós precisamos quebrar esses "paradigmas" de pagar pau, para o que é fútil, descartável, criado na mídia e de forma comercial, quando a mãe terra clama por socorro ,grita pelo equilíbrio da natureza e do ecossistema, são de profissionais como o Almir Sater, que fará com que nossa consciência social aumente e isto tem que ser uma ideia que finque raiz, e se propague no consciente coletivo.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Almir Sater encerra evento"Cultivando Agua Boa- "abalando" Foz



Compareceram à solenidade o diretor-geral brasileiro,Jorge Samek;o diretor-geral paraguaio, Carlos Mateo Balmelli; o prefeito de Foz do Iguaçu, Paulo Mac Donald Ghisi; o secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná, Lindsley Rasca Rodrigues; o presidente da Fundação Roberto Marinho, José Roberto Marinho; o secretário nacional de Recursos Hídricos e Meio Ambiente Urbano, Vicente Guillo; o presidente da Rede Latinoamericana de Organismos de Bacias (Relob), Edgar Bejarano Méndez; o presidente da Fundação Conama, Gonzalo Méndez de Vigo; o diretor de Coordenação da Itaipu, Nelton Friedrich; e o gerente executivo do Programa Cultivando Água Boa, Odacir Fiorentin, entre outros.

Almir Sater veio em 2008, gostou e voltou. É a segunda vez que o cantor partcipa de um evento do Cultivando Água Boa. Quando Almir Sater - que se declarou fã do Programa Cultivando Água em 2008 e voltou esse ano para participar do evento - subiu ao palco, a plateia não ficou parada um só instante. Gestores da educação ambiental dançaram com o pessoal da coleta solidária, merendeiras e professoras ficaram lado a lado de pescadores.


Entre autoridades e representantes dos 29 municípios da BP3, cerca de 4 mil pessoas assistiram ao evento. Cerca de 4 mil pessoas assistiram à cerimônia. A atriz Cristiane Torloni, militante de causas socioambientais, foi uma das apresentadoras do evento. No programa, discursos oficiais, formalização de contratos, uma breve palestra do economista Ignacy Sachs, a premiação de 95 merendeiras vencedoras de um concurso de receitas saudáveis na BP3, a recepção a representantes dos municípios da BP3 empunhando um recipiente com água de suas microbacias e a bandeira de suas respectivas cidades, e uma homenagem à cantora Mercedes Sosa, defendora de direitos humanos que morreu recentemente. fonte:http://jie.itaipu.gov.br/?secao=noticias_itaipu&q=node/14198&conteudo=14198

Este é Almir Sater, sem comparação !!!! Quando se fala,pensa ou vivencia a natureza, o meio ambiente,a sustentabilidade e sobre o ecossistema, nada mais real do que convidar o artista para abrilhantar o evento. Um evento feito com responsabilidade,ética e seriedade merece só o melhor !! Parabéns Foz, Itaipu e organizadores pela excelente escolha e repeteco da figura mais que carismática de Almir Sater,além,claro, do seu sempre novo,velho bom som.

Assista Entrevista do artista falando sobre seus projetos,novo CD e cultivando agua boa
http://portal.rpc.com.br/tv/paranaense/video.phtml?Video_ID=66007&autostart=1&pid=5

20/11 SALVE MEUS IRMÃOS AFRO E NEGROS






O que é consciência negra?
Está na moda falar em consciência negra, para bem ou para mal, todos já ouviram falar nesse tema. No entanto, será que todos têm noção de seu significado e importância?
Que o Brasil foi escravista, todos estão cansados de saber; que o negro sofreu, foi humilhado e obrigado a negar sua identidade; incentivado a ter vergonha de si próprio, de sua história, de seu presente… Isso todos já sabemos, ou pelo menos deveríamos saber. O processo de escravidão foi vergonhoso e deixa marcas até hoje, pois mesmo depois da abolição o racismo permaneceu detonando nossas condições de vida, fechando portas, nos exterminando. O racismo no Brasil é tão forte, que está disfarçado em coisas que a gente nem imagina: na política, na cultura, na religião, no nosso dia a dia.Uma dica é que o racismo, não é só quando alguém me xinga ou me olha com desconfiança (e olha que isso acontece frequentemente), mas é principalmente o fato de os negros terem menos acesso ao ensino, a moradia digna, saúde, trabalho, renda etc – em todos esses gráficos nós estamos em desvantagem… Alguma coisa tem que ser feita. Mas quem vai fazer? Será que quem tem o poder vai abrir mão de seu privilégio? O Racismo foi importantíssimo para construir o capitalismo (esse sistema que a gente vive). Toda a riqueza dos Estados Unidos e Europa são fruto da escravidão e colonização dos paises africanos, asiáticos e americanos. O sangue de nossos ancestrais garantiu a qualidade nos países de 1º mundo. Exterminaram os indígenas, milhões de africanos morriam na travessia do atlântico; Os povos “não brancos” foram roubados em suas riquezas materiais, intelectuais; culturais etc…
Aonde vai esse filme? Em toda historia da humanidade  onde teve opressão, teve resistência. E ela ocorreu, desde o primeiro momento: Na África ou no Brasil, nos Estados Unidos ou na Índia… Sempre teve resistência; luta. No Brasil se formaram quilombos; na África, guerrilhas das mais variadas, no Haiti Revolução. É lindo conhecer a historia do Haiti e como aqueles bravos guerreiros deram fim às escravidões, enfrentaram heroicamente a Napoleão. O foda é que pagam até hoje o preço de sua liberdade.
O que consciência negra tem a ver com tudo isso?
Árvore sem raiz não para em pé! Paras as elites se manterem no poder, não adianta apenas reprimir, é necessário fazer o dominado acreditar que é inferior e que não tem outro jeito: “É assim mesmo, sempre foi e sempre será”, “Deus quis que fosse assim”. As elites racistas tentaram de tudo para manter-se no poder. Usaram a religião, a ciência, a moral, a estética, a cultura… cada um desses pontos dá um livro. O fato é que se o oprimido tem autoestima ele luta. O nome “consciência negra” foi forjado na luta contra o colonialismo e o racismo como uma resposta a essa questão. Pois não tem luta sem autoestima, sem amor próprio, sem conhecermos nossa historia e nos orgulharmos dela… por outro lado, não basta só ter orgulho e não lutar. Então as duas coisas devem estar juntas: Orgulho e luta.

Foi pensando nisso que o movimento negro brasileiro lutou para que o dia da consciência negra fosse no 20 de novembro (data que lembra de Zumbi e do quilombo dos palmares) e não do 13 de maio (data da falsa abolição). A consciência Negra é algo que temos que ter o ano todo. Devemos conhecer a historia de nosso povo, conhecer, valorizar e dar continuidade em nossa tradição cultural (presente na capoeira, candomblé, congadas, maracatu e muita vezes nos ditados de nossos avós, em nosso jeito de fazer as coisas), mas ao mesmo tempo buscar sempre ns organizar e lutar contra o racismo e seus impactos em nossa vida. A luta sem identidade é vazia… A identidade sem luta é mentirosa.
Autoria: Deivison Nkosi – Grupo Amandla
Kao Cabecile(Seja bem vindo a sua majestade)
Salve a cultura africana, Salve meus irmãos indígenas.
Salve Oxalá e Tupã do oiaporque ao chuí...

Pode-se juntar à superioridade técnica e de cultura dos negros sua predisposição como que biológica e psíquica para a vida nos trópicos. Sua maior fertilidade nas regiões quentes. Seu gosto pelo sol. Sua energia sempre fresca e nova quando em contato com a floresta tropical."
Trechode Casa Grande e Senzala. Da cunhã é que nos veio o melhor da cultura indígena. O asseio pessoal. A higiene do corpo. O milho. O caju. O mingau. O brasileiro de hoje, amante do banho e sempre de pente no bolso, o cabelo brilhante de loção ou de óleo de coco, reflete a influência de tão remotas avós. Ela nos deu, ainda a rede em que se embalaria o sono ou a volúpia do brasileiro."Trecho de Casa-Grande & Senzala.
Não foi só de alegria a vida dos negros escravos dos ioiôs e das iaiás brancas. Houve os que se suicidaram comendo terra, enforcando-se, envenenando-se com ervas e potagens dos mandingueiros. O banzo deu cabo de muitos. O banzo - a saudade da África. Houve os que de tão banzeiros ficaram lesos, idiotas. Não morreram, mas ficaram penando."Trecho de Casa-Grande & Senzala.

O problema é que a abolição da escravatura, embora tenha sido fato notável na história da formação brasileira, foi muito incompleta." Com a abolição, os problemas do negro estariam apenas começando. Mas quem se interessou por isso? Ninguém se interessou. O negro livre deixou as fazendas e os engenhos e foi inchar as periferias das cidades. Abandonado, constituiu-se num sub-brasileiro."Todo mundo... não quer se encontrar com os pretos, não quer, só quer se ligar aos brancos. Mas isso naquela época a Princesa Isabel libertou! Cabou-se, né! esse negócio de não querer se encontrar com o negro. Porque tristes dos brancos se não fosse o sangue do negro."Maria Madalena Correia, cantora (Ilha de Itamaracá, PE).
Todo brasileiro traz na alma e no corpo a sombra do indígena ou do negro." Mestre Gilberto Freyre...
Em 1933, após exaustiva pesquisa em arquivos nacionais e estrangeiros, Gilberto Freyre publica Casa-Grande e Senzala, um livro que revoluciona os estudos no Brasil, tanto pela novidade dos conceitos quanto pela qualidade literária. Gilberto Freyre foi buscar nos diários dos senhores de engenho e na vida pessoal de seus próprios antepassados a história do homem brasileiro. As plantações de cana em Pernambuco eram o cenário das relações íntimas e do cruzamento das três raças: índios, africanos e portugueses. Em Casa Grande e Senzala, o escritor exprime claramente o seu pensamento. Ele diz: "O que houve no Brasil foi a degradação das raças atrasadas pelo domínio da adiantada". Os índios foram submetidos ao cativeiro e à prostituição. A relação entre brancos e mulheres de cor foi a de vencedores e vencidos.Gilberto Freyre (15/03/1900-18/07/1987)
Natural:Recife - PE .Escritor e Sociólogo. Autor de Casa Grande e Senzala.
*
Pitaco: Deivison Nkosi e Gilberto Freyre, eles tem toda a razão, sobre o pré conceito velado que existe dentro de todos nós de alguma forma. Quando criança sempre ouvia por parte da minha familia paterna, frases racistas: "só podia ser negro""a cor é negra, mas até que o coração é de branco ". Mas, eu sempre quis e li mais, e pensava comigo mesma, mas como pode haver essa separação se amamos a Deus? Se ele nos quer pelo coração e não pelo tom de pele, minha melhor amiga é uma negra e linda Inez, Ops mas isso também não é um racismo, ao definir a cor da pele?.. pasmem.. nossa amizade dura até Hoje, persiste, resiste, apesar da distância e dos rumos que nossas vidas tomaram. No meu primeiro emprego, lembro bem, aos 14 anos, entre 70 colaboradores num escritório de contabilidade, eu bati o olho e intuitivamente a voz me disse:"Ela será sua melhor amiga". e assim se profetizou !!!!!!!!nem as diferenças, eu Senna e ela,Prost , risos...pesariam nesta amizade:
Sabem aquela pessoa, que está junto na dor, na alegria, nas contrariedades, estava há 5 anos sem vê-la, e quando a revi foi como se o tempo nunca tivesse passado. Pedi um favor para ela, para comprar um ingresso para o show no Sesc do Almir Sater, eu ia chegar atrasada, devido a minha convenção, e lá estava ela de ingresso nas mãos, levando para mim, às 2:00 horas da madrugada, foi este o horário que bateu, pois ela também iria viajar no dia seguinte.

Quando alguém sarcasticamente, se referia a ela pela cor, eu trazia a resposta na ponta da língua: E se Deus se apresentar negro para você, será que você vai ter tempo de mudar de opinião ?? Eu não escolhi minha minha melhor amiga que é, foi e sempre será a Inez, pelo tom de pele, mas sim pelo seu caráter, lealdade, dignidade e honradez.
Sei que ela não vai ler isto, porque não faz parte da comunidade e nem é fã do Almir Sater ,
mas quisera eu ter tido a sorte e a oportunidade de ter conhecido, durante os anos seguintes, tantas outras negras Inez, minha vida não teria sido em alguns momentos, um mar de discórdia, disputa, inveja, intriga, de armadilhas e ardilosas, sem dúvida. Com certeza eu teria aquela que sempre ten uma palavra certa e nas horas incertas pra me oferecer !!!!
PAZ E BEM !

18/12 ALMIR SATER EM FRUTAL , MINAS GERAIS




Almir Sater & Banda.
Data: 18/12/09- sexta-feira.
Horário: 23:00 Horas.
Local: Alvorada Praia Clube
Valor dos Ingressos:
Mesa: R$ 300 reais para 4 pessoas.

Informações e Vendas dos Ingressos:
(34) 8803-6686 - 3421-9508
Contato: Abrãao.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Capim de Ribanceira



Naum tem jeito naum..eu tô é precisando urgente de um capim de ribanceira e de uma boa reza brava ..uai..meu Deus,faz uma semana,que tô mal,de energia,de estômago,
de organismo..baixa imunidade...o corpo de cabeça pra baixo,literalmente;

Nestas horas,a gente chama pela mãe, manhê...vem aqui,preciso de colinho seu
e mandar embora todo isto pra longe de mim...





Capim de Ribanceira
Almir Sater & Paulo Simões.
É madrugada e eu na beira da estrada
A lua cheia minguada e de repente apareceu
Um cavaleiro de bota e chapéu de couro
Me lembrando um velho mouro
Lá fiquemo ele mais eu
Cruzou os pés, apiou do seu cavalo
Dexou a rédea no talo de uma roseira sem flor
Diz que seguia pelo mundo solitário
E quebrava todo galho
Apartando toda dor

Quem não ouviu falar
Quem não quis conhecer
Aquele cavaleiro que vive pela fronteira
Divulgando a reza brava do capim de ribanceira
Aquele cavaleiro que vive pela fronteira
Divulgando a reza brava do capim de ribanceira

Enquanto o bule de café bulia a brasa da fogueira
Refletia o seu olhar, eu pude ver
Que ele sabia coisa até do outro mundo
E essa noite eu fui aluno do seu estranho poder
Com sete ponta duma rama trepadera
E um ramo de avitera
O meu corpo ele tocô
Naquele instante me bateu uma zonzera
E duma tosse cuspidera o velhinho me livrô

E quem não ouviu falar
Quem não quis conhecer
Aquele cavaleiro que vive pela fronteira
Divulgando a reza brava do capim de ribanceira
Aquele cavaleiro que vive pela fronteira
Divulgando a reza brava do capim de ribanceira

Acho que preciso urgente achar o cavaleiro,que divulga a reza brava do capim de ribanceira, para mandar tudo isto embora,xô pra longe de mim, uai,espada de miguel arcanjo valei-me, e corta-me na direita,esquerda,acima,abaixo,em todos os lugares,transmutando na chama violeta todo o baixo astral,energia densa,e mal estar nos 4 campos energéticos,físico,mental,espiritual e emocional e devolvendo para o campo de origem,a energia emanada.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

ALMIR SATER ENCERRA EVENTO EM FOZ " CULTIVANDO AGUA BOA "




Consciência social,meio ambiente, agua boa,cidadania,responsabilidade,tem tudo a ver com o jeito de ser de Almir Sater,certamente,

Não poderia jamais, haver melhor escolha do que deste artista,Almir Sater,vai encerrar esse importante evento e desta vez,o número de pessoas inscritas,chega a ser estrondoso, conforme reportagem abaixo:

20/11 Almir Sater em Foz do Iguaçu Pr
6o Cultivando Água Boa tem mais 4 mil inscritos
Data/Hora: 17.nov.2009 - 18h 24 - Categoria: Itaipu Binacional

Começa amanhã, no Hotel Rafain Palace, o 6o Encontro Cultivando Água Boa, promovido pela Itaipu Binacional e diversos parceiros. O evento vem registrando uma participação crescente a cada edição. Neste ano, são mais de 4 mil inscritos. O encontro tem como principal objetivo reunir as comunidades atendidas pelo programa socioambiental, avaliar as ações desenvolvidas e estabelecer novas metas para o próximo ano.


Nesta edição, simultaneamente, serão promovidos o 7º Encontro Iberoamericano de Desenvolvimento Sustentável (Eima7), o 1º Encontro de Organismos de Bacia da América Latina e Caribe (Relob) e o Encontro do Centro de Saberes e Cuidados Socioambientais da Bacia do Prata. Na sequência, entre 20 e 23 de novembro, no mesmo local, será realizada a 5a Conferência Internacional sobre Felicidade Interna Bruta.



Estão confirmadas as presenças do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, do governador Roberto Requião, do secretário de estado do Meio Ambiente, Lindsley da Silva Rasca Rodrigues, autoridades do Butão, representantes do sistema Eletrobrás e da diretoria da Itaipu.

A programação inclui 12 oficinas temáticas, que tratam de temas como aquicultura, agroecologia, educação ambiental, energias renováveis e comunicação socioambiental. Entre os palestrantes, destaca-se o ecosocioeconomista Ignacy Sachs, que irá proferir a palestra-magna, e o escritor Carlos Walter Porto Gonçalves, que falará sobre “Um novo modo de ser para a sustentabilidade”. O encontro encerrá com um show de Almir Sater, previsto para as 13 horas de sexta-feira (20).

Programação 20/11/09
20 de novembro - sexta:

9h Mesa redonda: Construindo um novo modo de ser – diálogos entre o VI

Cultivando Água Boa e a V Conferência Felicidade Interna Bruta

Abertura da mesa redonda: Regina Fitipaldi

Susan Andrews

Nelton Miguel Friedrich

10h Pacto pela Sustentabilidade: “Atitudes para um Novo Modo de Ser”

Consolidação das Oficinas Temáticas e avanços do Programa Cultivando Água Boa

Cenário dos eventos: pessoas que assumiram o novo modo de ser

12h “Cantando o novo modo de ser”

13h Show Almir Sater

14h Encerramento do Evento: Nelton Miguel Friedrich

14h30 Almoço

fonte: http://www.jornalofarol.com.br/ver-noticia.asp?codigo=3679

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Bons Ventos sempre...


Seja Humano
Por Renato Doidera
10 de Dezembro de 2007
Sempre fui fascinado pelo montanhismo e acabei sendo conquistado por ele há pouco menos de 2 anos. De lá pra cá fiz diversas escaladas indoor, em rocha, trekkings, travessias de montanhas, praias, ilhas, a trilha Inca que leva a Machu Picchu, escalei o vulcão El Misti (5825m), e cada vez mais a superação tem se tornado uma obsessão. Alguns podem até achar loucura quando falo do meu maior sonho e objetivo, o Everest, mas uma das minhas verdadeiras paixões é realmente crescer, me superar e vencer obstáculos. E vem sendo assim durante esses meses. Preparação física regularmente e disciplina fizeram de minhas conquistas, marcas que nem mesmo eu esperava.

Uma das coisas que mais me atrai no montanhismo é essa constante superação pessoal. Vencer e conquistar são palavras que não seguem uma ordem alfabética no meu dicionário. Elas ocupam logo a primeira página. Porém, logo que escrevo essas palavras, sei que existe algo ainda maior do que a superação e vontade de vencer. Reescrevo-lhes abaixo uma história que sempre mexe muito comigo quando a releio.

"Há alguns anos atrás, nas Olimpíadas Especiais de Seattle, nove participantes, todos com deficiência mental ou física, alinharam-se para a largada da corrida dos 100 metros rasos. Ao sinal, todos partiram, não exatamente em disparada, mas com vontade de dar o melhor de si, terminar a corrida e ganhar. Todos, com exceção de um garoto, que tropeçou no asfalto, caiu rolando e começou a chorar. Os outros oito ouviram o choro, diminuíram o passo e olharam para trás. Então eles viraram e voltaram. Todos eles. Uma das meninas, com Síndrome de Down, ajoelhou, deu um beijo no garoto e disse: "Pronto, agora vai sarar". E todos os nove competidores deram os braços e andaram juntos até a linha de chegada. O estádio inteiro levantou e os aplausos duraram muitos minutos. E as pessoas que estavam ali, naquele dia, continuam repetindo essa história até hoje. Sabe por quê? Porque, lá no fundo, nós sabemos que o que importa nesta vida é mais do que ganhar sozinho. O que importa nesta vida é ajudar os outros a vencer, mesmo que isso signifique diminuir o passo e mudar de curso."

Escrevo-lhes isso porque foi exatamente o que eu presenciei na 2ª Trilha Noturna na Pedra Grande. Não foi uma competição, nem tampouco queríamos ver quem era o melhor. Foi uma trilha para diversão entre amigos, mas que infelizmente acabou ocorrendo um acidente. Nada muito grave, mas que fez lágrimas de dor rolarem no rosto de Andressa. Todos ali cansados de uma semana inteira de trabalho, uma viagem até o ponto de encontro no início da trilha e 3 horas de subida até o cume da Pedra Grande durante a noite. Para muitos, uma noite passada em claro assistindo o espetáculo do céu estrelado. Após o nascer do sol e café da manhã, iniciamos a descida. Num momento de difícil passagem da trilha, uma torção no tornozelo. Todos pararam para ajudar Andressa. Palavras de carinho, piadinhas para distração, o que não faltou foi atenção para nossa amiga. Neste momento, o que ninguém lembrou foi do cansaço. Enquanto um chamava o socorrista pelo rádio, mãos cuidadosas tiravam a meia e faziam massagens com creme, que apesar da dor momentânea insuportável, viria aliviar alguns segundos mais tarde. Uma tornozeleira que estava sendo usada por uma amiga foi tirada do pé e cedida à Andressa. O bombeiro socorrista chegou e enquanto fazia os primeiros socorros, uma mão foi dada para que naquele momento de dor, ela pudesse não só apertar quando mais latejasse, mas que pudesse acima de tudo, sentir que estávamos ali com ela. E é nessas horas que eu sempre lembro da história acima.

“Lá no fundo, nós sabemos que o que importa nesta vida é mais do que ganhar sozinho. O que importa nesta vida é ajudar os outros a vencer, mesmo que isso signifique diminuir o passo e mudar de curso."

Infelizmente, no Everest, existem muitas histórias de montanhistas que passam por companheiros debilitados, jogados nas geleiras da montanha, na beira da morte, e a única coisa que eles olham é para o objetivo principal, o cume. Continuam sua escalada em direção ao que eles consideram mais importante. A vida de um ser humano perde para uma avaliação egoísta de valores que algumas pessoas ainda ousam fazer. Não sei como será a minha subida ao Everest daqui a alguns anos, mas tenho certeza que eu jamais conseguirei fazer um sonho ser mais importante do que uma vida. Nenhum valor terá essa conquista se eu deixar alguém pelo caminho. E esse é o meu desejo para cada um que ler essa mensagem: seja humano, ajude os outros a vencer, mesmo que isso signifique diminuir o passo e mudar de curso.

E que venha o Everest!

Um grande abraço,
e Bons Ventos!
Renato Doidera

fonte: http://www.doidera.com/index.php?option=com_content&task=view&id=32&Itemid=70

terça-feira, 10 de novembro de 2009

O Pão Nosso de cada dia .....


Nossa !!!..
faz tempo que não entro no blog, para dar "pitaco", em alguma coisa...ufa que dia estafante, muito quente, e ao chegar, fatigada eu estava pensando, o quanto é difícil, estar o dia inteiro no piso de uma fábrica, dá um sufoco na alma, uma coisa estranha, é um mundo diferente.

Eu explico, estava num treinamento aos colaboradores de uma empresa, que é um dos meus clientes preferenciais VIP.

E como foi difícil adaptação no início, pois tive que abandonar meus saltos agulhas, trocar por uma calçado de segurança (como senti dores nas pernas, que coisa estranha, estar fora do meu habitat(salto alto), um calor intenso, forte e vários ambientes com situações diferenciadas, em termos de riscos ocupacionais.

Tem que ir de setor em setor, para estar dentro da fábrica, é necessário, usar todas as parafernálias, vestimentas, como capacete, óculos de segurança e o jaleco que cabia duas de mim, felizmente,rsrs, de mangas longas..Haja calor, realmente o incômodo aumenta, mas é preciso para garantir e preservar vidas;

Tava aqui pensando eu como a minha violinha, parafraseando o Almir Sater, até cheguei a comentar, com o engenheiro que me acompanhava de uma multinacional, líder no mercado a nível mundial, no fim do dia, quando que saímos do local, com parte da missão cumprida,(amanhã tem mais)...Ufa...

Que, se eu tivesse um marido ou namorido, que fosse colaborador de fábrica assim, que estivesse o dia inteiro, dentro de uma, eu beijaria era os pés dele, como um Rei, quando este, em casa chegasse, pois é estafante demais, é sufocante;

Enquanto os engravatados estão lá no ar condicionado, naquela "roubalheira",toda; homens de bem, cidadãos comuns, dão o suor literalmente para ter seu ganha-pão e sustentar sua família e não são reconhecidos jamais; são esses que enchem os celeiros do Brasil,

Homens de verdade que dão o seu suor contínuo, e se alegram com as migalhas no fim do mês; me trouxe a lembrança viva do meu pai, de quando criança, ao vê-lo chegando, suado, cansado, após um dia de trabalho e nas mãos dele, sempre trazia umas roscas com cobertura de açúcar, (que não encontro mais)  para mim.

E eu corria colocar na porta do banho, seus chinelos e a toalha, em retribuição e porque me enternecia vê-lo, com aqueles olhos enormes e azuis, pele vermelha, de tão branquelo que era, de estar sol a sol, 

Embora, nós, mulheres lutamos tanto pela tão sonhada independência, embora eu seja uma mulher independente, bem resolvida, eu conservo esse lado em mim, o do respeito pela figura paterna e pelo homem da casa à moda antiga; porque não é fácil, quando estamos ali,de fato, vendo como um colaborador destes ganhar seu dia, o quanto seu dinheiro vem suado e contido;

Quantas vezes, ainda deve encontrar pela frente uma mulher "queixosa", um filho desatento ou se deparar com uma mulher, que não tem senso de valor e discernimento, e gastar o dinheiro ganho com tanto sacrifício, na labuta, em coisas fúteis e que a mídia produz e influencia ao consumo compulsivo;

Quase que sempre eu faço uma oração da Deusa Mãe Terrena, que diz: Que a comida colocada em minha mesa seja o fruto do suor do meu trabalho.

Aprendi, que o meu suor perto deles, não é nada, e que o meu alimento está sendo colocado de forma branda até, e, eu fico a imaginar, como uma pessoa daquela, consegue, após o dia estafante, ter condições de pensar em lazer; em diversão e chegar de alto astral em casa; porque eu cheguei "moidinha";

Aprendi, que nunca mais vou questionar quando um deles vier e dizer que a roupa é pesada, calorenta, que o calçado incomoda, dá calo, que o respirador o sufoca de alguma forma;

Há o ditado de um velho índio que diz,
só posso julgar o outro quando eu estiver calçando suas sandálias por sete sóis e luas;

santa verdade, vindo de um sábio, um xamã, e, após esse dia estafante, só me resta um banho bem energizado, porque nem "capim de ribanceira", cura rapidinho o cansaço que estou sentindo neste momento e amanhã, em mais desta difícil jornada;

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

ALMIR SATER ENCANTA PÚBLICO E É HOMENAGEADO EM CORUMBÁ MS

Almir Sater se emociona com homenagens no Moinho.
Da Redação em 04 de Novembro de 2009

Padrinho do Moinho Cultural Sul-Americano o cantor e compositor pantaneiro Almir Sater viveu momentos de grande emoção ao visitar a escola de artes, em Corumbá nesta terça-feira. Surpreso com a evolução do projeto, que envolve crianças e suas famílias em ações de cidadania, ele foi homenageado com a inauguração da sala de ensaios da Orquestra Vale Música em seu nome. O artista sul-mato-grossense conheceu as novas atividades da escola, como a Vila do Conhecimento, que engloba informática e cursos de qualificação profissional para os pais dos alunos e comunidade do entorno, e o trabalho das artesãs da Cooperativa Vila Moinho. “Cada vez que a gente vem ao Moinho é uma sensação gratificante, pois percebemos a evolução e a seriedade do projeto”, comentou.

Antes de subir ao primeiro andar do prédio para inaugurar a sala de ensaios, Almir parou no saguão para ouvir atentamente um grupo de meninos tocando violão e viola-de-cocho. Na sala de ensaios, uma surpresa: meninos e meninas que formam a Orquestra Vale Música estavam a espera do ilustre visitante, que chegou acompanhado dos músicos de sua banda e da madrinha da escola, a bailarina Beatriz de Almeida, e do consultor Ângelo Rabelo.

Com regência da professora Noemi Uzeda, da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), a orquestra fez uma saudação especial ao cantor. Apesar do pouco ensaio, os alunos de música foram intocáveis ao interpretarem “Maneira simples”, de Almir Sater e Paulo Simões, uma surpresa reservada ao cantor, que se emocionou ao final da apresentação. “Estão todos de parabéns, foi maravilhoso”, disse. “Vocês conseguiram fazer uma revolução em pouco mais de quatro anos. Essas crianças realmente me tocaram fundo".

Simplicidade, simpatia e muito talento, esse foi o show de Almir Sater, na noite de ontem, 3, no Moinho Cultural Sul Americano, em Corumbá, que arrancou muitos aplausos e suspiros da plateia, e cantaram juntos os vários sucessos do cantor, como a inesquecível canção “Tocando em Frente, música que Almir abriu o show, “Mês de Maio”, “Comitiva Esperança”, “Tocando em Frente”, “Trem do Pantanal”, “Maneira Simples”, e em especial tocou a música instrumental  “Corumbá" em homenagem à cidade. 
Fontes:
http://www.corumbaonline.com.br/novo/home/#
http://www.capitaldopantanal.com.br/portal/contents.php?CID=74841
http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=7004

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Almir Sater encerra Festival Pantaneiro com chave de ouro, levando multidões.








Com um público estimado em mais de 20 mil pessoas, aconteceu domingo no Parque de Exposição Manoel Antonio Paes de Barros, a ultima noite da 1ª edição do Festival Pantaneiro, com o encerramento do show de Almir Sater.No passeio pelo parque o publico pode constatar a beleza e a magia da cultura pantaneira que desta vez se sobressaiu e extrapolou fronteiras.

fotos e reportagem na integra no site: www.aquidauananews.com























Cultura: A filosofia dos Essênios

Segundo o historiador judeu Flávio Josefo (37 d.C – 100 d.C) aos 16 anos viveu durante três anos com um mestre essênio e deixou documentos relatando as suas experiências. De acordo com ele, os membros da Comunidade acordavam antes do nascer do sol, permaneciam em silêncio e faziam suas preces até o momento em que um mestre dividia as tarefas entre eles de acordo com a aptidão de cada um.Trabalhavam durante 5 horas em atividades como o cultivo dos vegetais ou o estudo das escrituras.

Terminadas as tarefas, banhavam-se em água fria e vestiam túnicas brancas. Comiam uma refeição em absoluto silêncio, só quebrado pelas orações recitadas pelo sacerdote no início e no fim.

Entao, retiravam a túnica branca, considerada sagrada, e retornavam ao trabalho até o pôr-do-sol. Tomavam outro banho e jantavam com a mesma cerimônia. Josefo também nos conta que os essênios tinham com o solo uma relação de devoção. Um dos rituais comuns deles consistia em cavar um buraco de cerca de 30 centímetros de profundidade em um lugar isolado dentro do qual se enterravam para relaxar e meditar. As refeições eram frugais, com legumes, azeitonas, figos, tâmaras e, principalmente, um tipo muito rústico de pão, que quase não levava fermento. Eles possuíam pomares e hortas irrigados pela água da chuva, que era recolhida em enormes cisternas e servia como bebida.
Além dela, as bebidas essênias se resumiam ao suco de frutas e "vinho novo" um extrato de uva levemente fermentado. Os hábitos alimentares frugais e a vida metódica dos essênios garantiam-lhes uma vida saudável. E, muitos deles teriam atingido idade extraordinariamente avançada.

Uma das principais obras que permitem o estudo sobre a filosofia essênia é um manuscrito encontrado em 1785 por um historiador francês em viagens pelo Egito e pela Síria. É um dialogo entre Josefo e o mestre essênio Banus a respeito das leis da natureza e que pensavam sobre:
O Bem- Tudo aquilo que preserva ou produz coisas para o mundo, como "o cultivo dos campos, a fecundidade de uma mulher e a sabedoria de um professor".
O Mal - O que causa a morte, como a matança de animais. Por esse motivo, o sacrifício de animais, mesmo que para a alimentação é condenável.
A Justiça- O homem deve ser justo porque na lei da natureza as penalidades são proporcionais às infrações. Deve ser pacífico, tolerante e caridoso com todos,"para ensinar aos homens como se tornarem melhores e mais felizes".
A Temperança- Sobriedade e moderação das paixões são virtudes, pois os vícios trazem muitos prejuízos à saúde.
A Coragem- Ela é essencial para "rejeitar a opressão, defender a vida e a liberdade".
A Higiene - Uma outra virtude essencial para os essênios para "renovar o ar, refrescar o sangue e abrir a mente à alegria".
O Perdão - No caso de as leis não serem cumpridas, a penitência é simples e para se obter o perdão, deve-se "fazer um bem proporcional ao mal causado".

Fonte: Beto Lopes - Empresário, Professor de Literatura Espanhola pela USP. Profundo conhecedor e estudioso de assuntos religiosos. Filiado a diversas instituições de cunho esotérico e Mestre de uma das mais antigas ordens iniciáticas.E-mail:betusko@ig.com.br

domingo, 1 de novembro de 2009

As seis perfeições do Budismo



A palavra"perfeição",ou paramita(em tibetano),tem como tradução literal a expressão"ir além,ou "atravessar para a outra margem". Segundo os preceitos do budismo,essa "travessia" é o caminho mais eficiente para quem busca se libertar das emoções perturbadoras-como a raiva,o medo e a depressão-e quer viver com mais alegria,paz e prosperidade.

Na realidade,o termo "perfeição",neste contexto,é usado para simbolizar seis virtudes:generosidade,disciplina ética,paciência,esforço entusiástico,concentração e sabedoria,que,juntas configuram um estilo de vida baseado na compaixão.

Práticas essenciais do Budismo para a boa convivência social:

1-Generosidade: Não adie uma ação generosa.aproveite cada oportunidade q surgir,possuir muito é inútil e qto mais doar, mais recursos virão em nossa direção",porém a generosidade só tem valor se for de forma sincera,e sem esperar nada em troca.

2- Disciplina Ética> Reconhecer e admitir os pensamentos e ações faltosos,ou seja voce está fazendo o q sempre fez, não é de surpreender que as coisas estejam na mesma. tem que mudar hábitos.

3-PACIÊNCIA: Assim como o dia é seguido da noite e vice versa,bons e maus períodos se sucedem,tenha coragem e pense que nada dura para sempre.

4-SABEDORIA:O inferno está cheio de boas intenções,é importante saber quem ajudar para não prejudicar quem recebe.Muitos problemas no mundo tem raiz na ignorância.
Perceber as oportunidades para nos tornarmos pessoas melhores,não haverá sofrimento.

5-CONCENTRAÇÃO:Precisamos estar mais presentes em cada ato de nossa vida.use a meditação,para não perder o foco,haja o que houver.

6- ESFORÇO ENTUSIÁSTICO:Não é só o bom resultado que alegra,mas o caminho que percorremos para atingi-lo,a junção de prazer e dedicação,é o esforço entusiástico,virtude capaz de tornar menos espinhosa as tarefas mais dificeis,dando o nosso melhor no que fazemos, seja para nós mesmos ou para os que convivem conosco.

OM MANI PADME HUM
fonte:Revista Bons Fluídos Out 2009