Loira do bem ∞ : 08/08/15

sábado, agosto 08, 2015

FILOSOFANDO: CARÁTER É FAZER O QUE É JUSTO.

“Uma viva inteligência de nada serve se não estiver ao serviço de um caráter justo; um relógio não é perfeito quando trabalha rápido, mas sim quando trabalha certo.” ―Luc de Clapiers Vauvenargues.

Por mais que desejamos, viver sem o outro, mais individualmente, Aristóteles, nos mostra que não é apropriado, já que fazemos parte de uma engrenagem, e o enfrentamento, na maioria das vezes, é inevitável. Depende, das nossas atitudes ou ações, que escolhemos ao longo de nossa vida. boas ou más. E que mais que fazer o bem, é fazer o que é justo, não porque é do bem, mas porque é justo. Aí que reside o verdadeiro caráter. E, muitas vezes, ser justo e correto, é ir contra a correnteza, ferir algumas pessoas, independente de quem sejam.

Aristóteles, apesar de ter sido um discípulo de Platão, procurou ser um pensador mais eclético voltado para uma ampla produção intelectual.

Sob a visão dele, "O homem não pode ser visto como um ser individual, pelo contrário, ele é essencial para a sociedade num todo, ou seja um peça formadora de uma engrenagem e sendo assim uma "mola mestra", e que vai desempenhar um papel importante, seja do ponto de vista positivo ou não, de acordo com suas atitudes, repercutirá com intensidade em suas relações. Aihda segundo Aristóteles, possui mais valor um cidadão formado nas virtudes, especialmente aquelas relacionadas ao conceito de Justiça, do que as prescrições objetivas estabelecidas pela lei.Para ele, a justiça é uma virtude humana, que nos estimula a praticar o bem.

A Ética aristotélica realiza uma interpretação das ações humanas fundamentadas em análises de meio e de fim, resultando da definição de determinadas práticas humanas onde o conteúdo moral estará relacionado à prática de ações específicas. Tais ações devem ser implementadas não apenas por parecerem corretas aos olhos de quem as pratica, mas porque através dessas ações o homem estará mais próximo do bem. O bem seria o referencial em cujo interesse incidiria todas as ações do homem. Logo, o bem seria a finalidade das ações. O bem supremo é absoluto, sendo desejável em si mesmo e não funcionando como instrumento para se alcançar outros interesses menos nobres.

Conclui-se que, para o administrator, baseado na visão aristotélica, ele precisa ter como características básicas, "os princípios da ética, do bom senso, equidade em suas ações,  a busca pelo equilíbrio e propagando a justiça ". Para o filósofo, a justiça é aquela disposição de caráter que torna as pessoas propensas a fazer o que é justo, que as faz agir corretamente, e a desejar o que é justo; e de modo análogo, a injustiça é a disposição que leva as pessoas a agir injustamente e a desejar o que é injusto.

Portanto façamos da justiça e das virtudes, um hábito. Para finalizar, uma célebre frase de Confúcio  “uma injustiça feita a um só homem é uma ameaça para toda gente”.