terça-feira, outubro 28, 2014

Novidades Culturais:Site Oficial da Cantora Lírica Cris d´Avila está repaginado.

" Do Mato Grosso do Sul para o Mundo"
Foto: Divulgação.
O site da cantora lírica Cris d´Avila passa por reformulação essa semana e dinâmica que vem agregar ainda mais ao público e crítica, para acompanhar e conhecer um pouco mais de perto, sobre o talento expressivo desta bela voz. 
Em Novembro, o público paulistano terá a oportunidade de ver mais de perto, os shows em 4 apresentações.
 

Faça uma visita no link de acesso ao site e Acompanhe Agenda de Shows:

Sobre a Cantora:
Cris d´Avila é sul-mato-grossense, bacharel em Canto Lírico pela Escola de Música de Belas Artes do Paraná. Participou de diversas montagens de óperas e recitais.

Em 1998 aprimorou seus conhecimentos na Staatliche Hochschule Fur Musik , em Karishure, no sul da Alemanha. Depois de alguns anos, retornou ao Brasil embevecida ainda mais pela Música Erudita. Em 2013, em um bonito concerto na cidade de Assunção, Paraguai, mostrou toda a sua versatilidade e potência musical.
Artista multifacetada, nos brinda com mais um projeto, uma mistura de ritmos e vertentes como o jazz, clássicos da música italiana e francesa,

enaltecendo suas raízes brasileiras, em especial, aquelas que a remete à natureza e às belas paisagens do campo de sua terra natal.

Do “erudito a brasilidade” – de Schubert a Chiquinha Gonzaga, Villa-Lobos a Renato Russo, é improvável ficar imune diante do charme desta nova promessa da Música Popular Erudita Brasileira.

Assista o  Teaser - Cris d´Avila - World Music:

Ler é preciso: Conhecimento “é liberdade além de Poder” .


Porque amo a Filosofia e agora lendo e estudando Sociologia também, são ciências que tem como intuito o entendimento, a reflexão e humanizar a sociedade (não quer dizer que teremos a solução ideal), mas ao gerar discussões saudáveis sobre este ou aquele assunto.
Acho equivocado confundir o humanismo como pessoa da “esquerdinha caviar”.. Sic... como já me perguntaram dias destes.
"O mundo não é para ser sonhado, mas transformado." André Comte-Sponville.
A partir do momento que compreendemos que o Conhecimento “é liberdade além de Poder”, o entendimento se torna mais amplo e nos livra dos grilhões.  “Se antes eram as propriedades e terras que monopolizavam o poder, hoje não mais, é o Conhecimento”, segundo o Papa João Paulo II.  
Ser curioso nos instiga pela busca de informações, pensar e refletir sobre elas,  o Comportamento Humano em Sociedade, de forma imparcial, e não passional pautado no pragmatismo, de certa forma, situações ou condutas incompreensíveis, são amenizadas.  Cabe  a nós também a escolha final, qual uso e finalidade para o conhecimento adquirido, se  para o bem ou para o mal.

    

Isto não significa que temos que abrir mão do nosso “juízo de valor” ou até de nossas tradições, porque estas estão intrinsecamente ligadas com a nossa identidade cultural.  Mas ao se colocar no lugar do outro, nosso julgamento será menos ácido.  O que não podemos “forçar ou coagir alguém a agir contra sua vontade e seu discernimento”, segundo Ayn Rand, escritora e filósofa, “seria o mesmo que impedi-lo de pensar”, ou “exigir que anule sua própria existência.”.  



Creio que Sócrates o cidadão filósofo de Atenas, em poucas, nas impactantes palavras define: "Eu não posso ensinar nada a ninguém, eu só posso fazê-lo pensar." Porém Ingênuo e tendencioso de nossa parte seria afirmar "pessoas que pensam diferentes de nós sejam estúpidas ou idiotas". A soberba ou prepotência nos leva na maioria das vezes ao erro e ao fracasso.
“Não há portão, nem fechadura, nem trinco que você consiga colocar na liberdade da minha mente.” (Virginia Woolf).
Imagens: Reprodução Internet.

Entrevista Inédita PARTE I - Almir Sater: a serenidade de alguém que já teve pressa.

Com estilo próprio, o violeiro, cantor e compositor encanta o público durante a IV Virada Cultural de Cascavel.
 
 Violeiro desde os 12 anos, Almir Sater é um dos ícones da música folk brasileira, reunindo em suas canções a sonoridade tipicamente caipira da viola de 10 cordas, o folk norte-americano e influências das culturas fronteiriças do seu estado, o Mato Grosso do Sul, como a música paraguaia e andina. O resultado é único e encanta públicos de diversas idades, regiões e estilos. “Eu apenas descrevo o interior do Brasil, e tenho também influências da música folclórica brasileira, como catiras. Mas isto não é proposital. Nós todos somos um pouco influenciados pelo pop internacional. Quando minha geração escutou Beatles pela primeira vez… nossa! E depois Pink Floyd, com um som lindo! A música inglesa é muito bonita!”, ressaltou o músico em entrevista ao jornal A Voz do Paraná.

Em Cascavel, Almir Sater demonstrou no palco da IV Virada Cultural do município, que é um artista completo, um verdadeiro astro na acepção completa da palavra. Tanto pela qualidade de sua viola e voz, como pela atenção dedicada aos fãs.

O artista atendeu pedidos para cantar os seus mais variados sucessos, como: “Tocando em Frente”, “Um Violeiro Toca”, “Trem do Pantanal”, “Chalana”, “Peão”, “Sete Sinais”, “Maneira Simples”, “No rastro da lua cheia”. No final da sua apresentação, que encantou o público, de forma humilde colocou-se à disposição para centenas de fotos e autógrafos.

Senhor da simplicidade, aos 57 anos e com uma carreira reconhecida nacionalmente, Almir Sater não gravou um DVD sequer. Para ele, o sentimento que o move é a satisfação de ver que o público aprova seu jeito simples de ser, a sua música executada com carinho para os que apreciam a arte. Instado pelo coro de “mais uma”, Almir Sater encerrou o show no sábado (18), em Cascavel, cantando o sucesso “Cabecinha no Ombro”, acompanhado pelas centenas de vozes presentes em frente a Prefeitura de Cascavel.

Leia a seguir, a primeira parte da entrevista abaixo:



Jornal A Voz do Paraná – Você retorna novamente à Cascavel, sinal de que o paranaense te adora. Esse carinho é recíproco?
Almir Sater Sim, a reciprocidade é verdade. O povo de Cascavel é muito gentil, são tão atenciosos que parecia que eu estava em um teatro. Pessoas muito atentas. Para quem toca, sentir nas pessoas que estão gostando, que estão prestando atenção em você, que gostam de te escutar, é muito bom. Esse carinho entre o artista e o público é muito importante.

Jornal A Voz do Paraná – Entrevistei o prefeito de Cascavel, Edgar Bueno, que disse que a administração optou por fazer um evento próprio, voltado para a população e pensaram em um show de qualidade para abrir a programação. Almir Sater foi o escolhido. Depois de anos de carreira, você continua fazendo sucesso. Qual é o sentimento?
Almir Sater – Agradeço ao prefeito Edgar Bueno convite, é muito bom poder participar de uma programação que leva o nome “Virada Cultural”. Meu trabalho é a musica, vivo disso, nunca vou parar de tocar. Ainda tenho um longo caminho a percorrer e a música é minha fiel companheira.

Jornal A Voz do Paraná – Como você decide o momento de gravar um novo CD? Um tempo atrás você falou que iria gravar um novo disco, e essa parceria seria com seu compadre e vizinho, Renato Teixeira. Parece que você está prestes a cumprir. É isso mesmo?
Almir Sater – Parece… risos… Na verdade o Renato Teixeira tem muitos compromissos e eu também, por isso é difícil nos reunirmos, mas combinei com o Renato Teixeira um prazo de oito anos para gravarmos o CD. Penso que vai sair um pouco antes. Aguardem.

Jornal A Voz do Paraná – Mas já tem alguma música? Contará com alguma instrumental? E terá alguma participação especial?
Almir Sater – Já temos seis músicas prontas. Não teremos nenhuma participação especial. Eu chamei um amigo, que produziu o disco Rasta Bonito, que é um grande músico americano. Ele está no Brasil há muito tempo, gosta dessa terra, é um homem muito talentoso, mas estava difícil conseguir organizar esse trabalho e o disco estava ficando muito parecido com os meus trabalhos anteriores. Chamei o Eric Silver para produzir esse trabalho, e está ficando legal, é um disco bem pop, bem internacional.

Jornal A Voz do Paraná - Você gosta de cantar para todos os tipos de público, e além dos paranaenses, que já foi falado, também para os paraguaios. Você também tem descendência?
Almir Sater Gosto dos paraguaios, dos uruguaios, argentinos, paraenses e paranaenses, mas gosto muito de tocar aqui, sinto que essas pessoas tem uma afinidade muito grande com o meu trabalho, estamos perto dessa fronteira paraguaia, meio em comum, e sinto que as pessoas compreendem minha linguagem. É muito bom tocar para quem entende a gente. Tenho descendência, sou filho de paraguaio, também tenho sangue árabe correndo nas veias.

Continua na próxima postagem no blog link:
http://loiradobem.blogspot.com.br/2014/10/entrevista-inedita-parte-almir-sater.html

Por Jornalista Sumaya Klaime Risso do Jornal A Voz do Paraná e sua filha num momento "tiete" com o Artista .Reproduzido do Site Oficial do Jornal A voz do Paraná. Publicado em 27 de outubro de 2014.

Entrevista Inédita PARTE || - Almir Sater: a serenidade de alguém que já teve pressa.

Continuação da Entrevista Parte I do  Jornal A Voz do Paraná, Parte II
http://loiradobem.blogspot.com.br/2014/10/entrevista-almir-sater-serenidade-de.html 


Violeiro desde os 12 anos, Almir Sater é um dos ícones da música folk brasileira, reunindo em suas canções a sonoridade tipicamente caipira da viola de 10 cordas, o folk norte-americano e influências das culturas fronteiriças do seu estado, o Mato Grosso do Sul, como a música paraguaia e andina. O resultado é único e encanta públicos de diversas idades, regiões e estilos. “Eu apenas descrevo o interior do Brasil, e tenho também influências da música folclórica brasileira, como catiras. Mas isto não é proposital. Nós todos somos um pouco influenciados pelo pop internacional. Quando minha geração escutou Beatles pela primeira vez… nossa! E depois Pink Floyd, com um som lindo! A música inglesa é muito bonita!”, ressaltou o músico em entrevista ao jornal A Voz do Paraná.







Jornal A Voz do Paraná - Como foi gravar o quadro “Bem Sertanejo” do Fantástico, na Globo, com o cantor sertanejo Michel Teló?
Almir Sater – Muito bom, eu fiquei muito feliz. Achava que o Michel Teló era um homem de idade, porque há muito tempo eu ouço falar do Teló. Fui descobrir que ele toca desde os 12 anos, deve ser por isso que eu o conhecia há muito tempo. É um rapaz simpático, muito talentoso, com sucesso merecido e que levou junto para a reportagem a dupla Jads e Jadson, que eu gostei de conhecê-los, são muito bacanas. É muito bom esses encontros, porque vou conhecendo os jovens artistas, pessoas que estão fazendo sucesso, levando nossa música para longe, fico feliz por eles.


Imagem: Internet


Imagem: Internet

Jornal A Voz do Paraná
- Mesmo sabendo que você não faz música sertaneja, ao chamar a matéria do quadro “Bem Sertanejo” o apresentador Tadeu Schmidt falou que você é um dos maiores sertanejos de todos os tempos. É o trabalho sendo reconhecido e fazendo sucesso em todos os estilos?Almir Sater É, apesar de achar que não sou muito sertanejo, como não ficar feliz com uma afirmação dessa pelo apresentador Tadeu Schmidt? Fiquei muito feliz, claro que cada um me chama como quiser, mas nunca defini meu trabalho, eu deixo que cada um escolha. Desde menino eu sou roqueiro e sempre gostei de folk americano, inglês, boliviano, andino e movimentações folclóricas. Eu gosto muito desse som popular. O rock é um gosto de menino. Não era um rock tipo Little Richard, era um rock mais progressivo, mais pop. Eu apenas descrevo o interior do Brasil, e tenho também influências da música folclórica brasileira, como catiras. Mas isto não é proposital. Nós todos somos um pouco influenciados pelo pop internacional. Quando minha geração escutou Beatles pela primeira vez… nossa! E depois Pink Floyd, com um som lindo! A música inglesa é muito bonita!












Jornal A Voz do Paraná – Você disse que teve uma música que foi fundamental para o seu trabalho, acabei vendo a letra e achei muito engraçada, ela se chama “Mineiro e o Italiano”. Por que foi tão importante?
Almir Sater – Foi devido ao ponteio da introdução da música, o jeito do Tião Carreiro tocar a viola, foi muito pop, e aquele é o verdadeiro som da viola. Foi para mim a primeira escola, a que me iniciou e, claro, que dessa forma, foi muito importante para mim. A letra da música é mais ou menos assim: o mineiro e o italiano viviam às barras dos tribunais numa demanda de terra que não deixava os dois em paz. Só de pensar na derrota o pobre caboclo não dormia mais. O italiano roncava nem, que eu gaste alguns capitais. Quero ver esse mineiro voltar de a pé pra Minas Gerais. Voltar de a pé pro mineiro seria feio pros seus parentes, apelou para o advogado: fale pro juiz pra ter dó da gente. Diga que nós ‘semos’ pobres que meus filhinhos vivem doentes. Um palmo de terra a mais para o italiano é indiferente. Se o juiz me ajudar a ganhar lhe dou uma leitoa de presente…

Jornal A Voz do Paraná - Uma vez você falou de uma música que ajudou na criação da sua família. Qual foi a canção?
Almir Sater – Foi à música Luzeiro, tema do programa Globo Rural, até hoje ela cria a minha família, devo muito a essa música. Ela está no meu primeiro CD instrumental, é a 4ª faixa.

Jornal A Voz do Paraná – O Brasil acompanhou o seu filho Gabriel Sater na novela “Meu Pedacinho de Chão” como o violeiro Viramundo. Ele foi muito bem, um espetáculo, tem uma presença muito forte no vídeo. Como foi para você vê-lo atuar? Fez-lhe lembrar de quando você atuou na novela Pantanal?
Almir Sater – Foram muitas coincidências. O Gabriel começou a fazer novela com 32 anos e eu fiz a minha primeira também com 32. Ele começou em uma novela de Benedito Ruy Barbosa, eu também. Ele toca violão e nessa novela foi obrigado a tocar viola, bem feito (risos), poderia ter aprendido a tocar viola mais cedo, e foi obrigado a aprender às pressas, mas enganou bem. O Gabriel é muito mais disciplinado que eu, mais esforçado, e torço muito por ele, tomara que ele seja muito feliz nesse ramo, só espero que ele faça mais novelas, porque ele gostou muito.

Jornal A Voz do Paraná - Você faz as pessoas sonharem! Você acredita que o artista, aquele que está sobre os olhos do mundo, tem um compromisso com o seu público, no sentido de poder levar coisas boas, músicas de qualidade?
Almir Sater – O artista tem compromisso com a arte, e se tiver compromisso com a arte e levá-la a sério terá vida longa, porque a arte ninguém segura, pode até levar um tempo para a pessoa ser reconhecida, despontar, mas se tiver talento e arte, nunca acaba, será lembrado por muito tempo e esse é o papel do artista e se for simpático e educado, melhor ainda.

Jornal A Voz do Paraná – Já que estamos na reta final das eleições, será que você poderia deixar uma mensagem aos políticos, independente de quem se eleja?
Almir SaterVocês repararam que o clima nunca esteve tão violento, há muitos extremos, acho que isso é falta de mata, e a mata é a cobertura da terra, se você tirar a mata e medir a temperatura da terra, é um absurdo o seu calor, então tem que começar a olhar para trás um pouco e replantar, esse momento é crucial, estamos num divisor de águas entre a tragédia e a recuperação, então vocês que tem poderes para decidirem tudo, decidam em favor da terra e da vida.  

















Por Sumaya Klaime Risso do Jornal A Voz do Paraná | Reproduzido do jornal A voz do Paraná. http://www.jornalavozdoparana.com.br/