sábado, outubro 17, 2015

Dia nacional da Música Popular Brasileira | saiba o motivo.

Hoje é comemorado o Dia Nacional da Música Popular Brasileira. A Lei conforme abaixo foi sancionada pela Presidenta Dilma em 2012, em homenagem a Chiquinha Gonzaga, nascida em 17 de Outubro de 1.847, a seguir:
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA
Art. 1o Fica instituído, no calendário das efemérides nacionais, o Dia Nacional da Música Popular Brasileira, a ser comemorado no dia 17 de outubro – data natalícia da compositora e maestrina Chiquinha Gonzaga.
Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 9 de maio de 2012; 191o da Independência e 124o da República.
Um pouco sobre Chiquinha
"Ó abre alas" que eu quero passar!
Chiquinha Gonzaga (1847-1935) foi compositora, pianista e regente brasileira. Primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil. Autora da primeira marchinha de carnaval "Ó abre alas". Desde criança mostrou interesse pela música. Dedicou-se ao piano e compôs valsas e polcas. Separada do marido, dava aulas de piano e apresentava-se com o conjunto Choro Carioca, em festas domésticas, tocando piano. Seu primeiro sucesso, com 29 anos, foi a composição "Atraente", um animado choro. Se dedicou a musicar peças para o Teatro de Revista, sofrendo preconceitos, mas finalmente inicia sua carreira de maestrina com a revista "A corte na roça". Sua música faz grande sucesso e recebe vários convites de trabalho. Em 1885 Chiquinha Gonzaga tornou-se a primeira mulher maestrina brasileira. Quatro anos mais tarde, ela regeu, no Imperial Teatro São Pedro de Alcântara, um original concerto de violões, promovendo o instrumento que, na época, ainda estigmatizado.

Sua carreira ganha prestígio com a marcha-rancho "Ó abre alas" feita para o carnaval de 1899. A peça de teatro "Forrobodó", musicada por Chiquinha Gonzaga, e apresentada em um bairro pobre do Rio de Janeiro, torna-se um sucesso, atingindo 1500 apresentações. As músicas são cantadas por toda cidade. "Forrobodó" torna-se o maior sucesso teatral de Chiquinha e um dos maiores do Teatro de Revista do Brasil. A Compositora também lutou pelos direitos autorais, depois de encontrar em Berlim, várias partituras suas, reproduzidas sem autorização. É fundadora, sócia e patrona da SBAT - Sociedade Brasileira de Autores Teatrais, ocupando a cadeira nº 1. Além de seu inegável talento, era uma mulher ousada, personalidade própria, lutou contra o preconceito e o domínio da sociedade patriarcal na época. Sempre à frente do tempo, combateu a favor dos direitos de igualdades, denunciou o preconceito e, era apoiadora do movimento abolicionista, vendeu partituras suas de porta em porta para arrecadar fundos para a Confederação Libertadora. Comprou a alforria de diversos escravos, entre eles o músico José Flauta. Escandalizou a sociedade mais conservadora e moralista, viveu intensamente sua vida, e veio a falecer  no Rio de Janeiro, em 28 de fevereiro de 1935, aos 87 anos de idade. Sua obra considerada infindável, vasta e criativa, cheia de ritmos e gêneros  Composições de Chiquinha  e deixou um legado eterno, até hoje influenciada em diversos Artistas e novas gerações. Entre elas, Cris d`Avila - Cantora lírica e Intérprete nesta bela performance de Lua Branca. Assista:


Fontes: Internet: Domínio público e Sites  e-biografias      
Site Oficial