domingo, 25 de julho de 2010

Agenda Cultural: ALMIR SATER EM PIACATUBA AO SOM DA LUA CHEIA

Foto: Divulgação.
Almir Sater para " acender a luz e iluminar" em um dos festivais mais importantes da região, Piacatuba, que será palco de shows e gastronomia, lugar aconchegante, recheado de montanhas exuberantes, ao som das violas mágicas do artista e tudo isto tendo como testemunha a lua cheia para espiar..
Eita mundão bão não caba naum !!! Não tem como ficar de fora.. vamos pra lá???



 
 
 
 
 
 
 

Serviço:
Show Almir Sater e Banda.
Data:28/07/10-Quarta-feira.
Horas:23h30.
Cidade: Piacatuba -Minas Gerais do Distrito de Leopoldina -Zona da Mata de Minas. 20Km.
Evento: 5 Festival de Gastronomia de Piacatuba -MG.
Abertura :Yassir Chediak e Rodrigo Sater- no projeto "Tiago e Juvenal", peões da Novela Paraíso.
Horas:21h0o.
Local:Praça Central.
Entrada:Gratuita
Informações:(32) 3447-2228
site: http://www.festivalpiacatuba.com/
"sem música a vida seria um erro"[Friedrich Nietzsche]

Planeta sustentável:
Trate o mundo igual a gente trata a nossa casa, nosso quarto, o altar de nossa igreja, respeitar a terra como nosso santuário. [Almir Sater]

* foto enviada pela violeira Andianara - Show de Londrina/ PR em  14/11/2009- no Iate Clube.

Pitaco de Loira: Desapego - um ensinamento budista.

Ontem, tive a oportunidade de novamente assistir, creio eu, que pela sexta vez, o filme O Ultimo Samurai, não me lembro de ter gostado tanto de um filme de Tom Cruise, como este.
Os motivos são vários, a começar porque sou simpatizante da filosofia budista, e com eles muito aprendi, a vivenciar meu modo de ser, de alguns anos pra cá. E o filme, nos remete a reflexão de um dos mais belos ensinamentos budistas, que é o do desapego, se desprender das preocupações, das perdas, das amarras, viver centrado mais no hoje que no passado.
É difícil, para quem não segue uma senda espiritual ou seja persistente numa, fica mais incompreensível ainda, entender essa lição do desapego que devemos ter. Afinal, é quase inadmissivel negar que o nosso presente, muito dele foi construído e galgado nas coisas do passado e grande parte delas, ainda povoam nossa mente, nos atemorizando até como fantasmas.

No filme o Tom Cruise aprende, que se a mente estiver livre de todas essas parafernálias, ele consegue atingir a iluminação e por sua vez , senão derrotar, mas lutar de igual para igual com os samurais e posteriormente os inimigos dos samurais.


Quem não sente saudade, não lembra... esqueceu!" ( Alberto Moussallem-pensador árabe )- estava eu lendo um texto ontem na internet, quando me deparei com essa frase - e o pensador árabe, no fundo tem razão, por que se não fazemos falta para alguém ou alguém nunca se lembra de nos colocar entre suas prioridades , é porque não somos estamos dentro dos propósitos da pessoa ou então, até podemos,estar, mas devido as circunstâncias, o tempo, a mudança que a vida dá, esse viver em transição, faz com que nós, nos acostumamos a deixar certas prioridades do lado, sem nem perceber.

Mas, por outro lado, é isto que o budismo vem nos mostrar, que o apego, nos faz se sentir ligados as pessoas, e até exigindo uma parte que não nos cabe, é preciso desacelerar a emoção, e deixar que o samsara guia os passos e assim estando livre do apego, temos melhores condições de alçar novos horizontes ou não!!!
 Dalai Lama ensina: "se uma coisa naõ tem remédio - remediado está"

Desapego

O desapego é um dos mais importantes ensinamentos budistas. Na verdade, a vida de iluminação é o caminho do desapego. Muitos dos problemas da vida são causados pelo apego. Ficamos com raiva, preocupados, tornamo-nos ávidos, fazemos queixas infundadas e temos todos os tipos de complexos. Todas estas causas de infelicidade, tensão, teimosia e tristeza são devidas ao apego. Se você tem algum problema ou preocupação, examine a si mesmo e descobrirá que a causa é o apego.


Existe uma famosa história zen sobre um mestre e seu discípulo. Os dois estavam a caminho da aldeia vizinha quando chegaram a um rio caudaloso e viram na margem, uma bela moça tentando atravessá-lo. O mestre zen ofereceu-lhe ajuda e, erguendo-a nos braços, levou-a até a outra margem. E depois cada qual seguiu seu caminho. Mas o discípulo ficou bastante perturbado, pois o mestre sempre lhe ensinara que um monge nunca deve se aproximar de uma mulher, nunca deve tocar uma mulher. O discípulo pensou e repensou o assunto; por fim, ao voltarem para o templo, não conseguiu mais se conter e disse ao mestre:
— Mestre, o senhor me ensina dia após dia a nunca tocar uma mulher e, apesar disso, o senhor pegou aquela bela moça nos braços e atravessou o rio com ela.
— Tolo – respondeu o mestre – Eu deixei a moça na outra margem do rio. Você ainda a está carregando.


Desapego não é desinteresse, indiferença ou fuga. Não devemos nos tornar indiferentes aos problemas da vida. Não devemos fugir da vida; não se pode fugir dela quando somos sinceros. A vida e seus problemas devem ser encarados e lidados de frente, mas não são coisas às quais devamos nos apegar. 
É verdade que o dinheiro tem sua importância, mas a pessoa que se apega a ele torna-se avarenta e escrava do dinheiro. 
É muito fácil nos apegarmos à nossa beleza, às nossas aptidões ou às nossas posses, e assim nos sentirmos superiores aos outros. 
É igualmente fácil nos apegarmos à nossa feiúra espiritual e mental, à nossa falta de aptidões ou à nossa pobreza, e assim nos sentirmos inferiores aos outros. 
O apego às condições favoráveis leva à avidez e ao falso otimismo, enquanto que o apego às condições desfavoráveis leva ao ressentimento e ao pessimismo. Sem dúvida, nosso apego às coisas, condições, sentimentos e ideias é muito mais problemático do que imaginamos.


Quando adoecemos, chegamos até mesmo a nos apegar à doença. É melhor não fazermos isso. Todas as doenças serão curadas, exceto uma, que é a morte. 
Quando você estiver doente, aceite a doença e faça o possível para se recuperar. 
Aceite a doença e a transcenda... ou melhor, aceite-transcendendo. 
A vida é mutável; todas as coisas são mutáveis; todas as condições são mutáveis. 
Por isso, “deixe ir” as coisas. Todos os abusos, a raiva, a censura – deixe que venham e que se vão. 
Tudo o que fazemos, devemos fazer com sinceridade, com honestidade e com todas as nossas forças; e uma vez feito, feito está. Não nos apeguemos a ele. Muitas pessoas se apegam ao passado ou ao futuro, negligenciando o importante presente. Devemos viver o melhor “agora”, com plena responsabilidade.

Quando o sol brilha, desfrute-o; quando a chuva cai, desfrute-a Todas as coisas nesta vida – deixe que venham e deixe que se vão. Este é um segredo da vida que nos impede de ficar aborrecidos ou neuróticos. Buda disse que todas as coisas na vida e no mundo estão em constante mutação; por isso, não se torne apegado a elas.

Que assim seja,
Om mani padme hum !!
Excelente semana a todos, e sempre Iluminada !!!