sábado, 27 de outubro de 2012

Pitaco by Loira do Bem: O CAMINHO QUE NÃO TOMEI

Entre duas possibilidades, que caminho tomar? Um dos poemas mais conhecidos da literatura ~norte-americana foi escrito por Robert Frost (1874-1963). 
É o famoso “The road not taken”, e foi traduzido pelo poeta português Antônio Simões com o título “O caminho que não tomei”. Está numa recente antologia onde ele verteu competentemente 112 poemas do inglês para nossa língua.
Entre duas possibilidades, que caminho tomar? Pode ser entre dois amores, dois empregos, duas ruas, dois países. Pode ser uma encruzilhada qualquer. O fato é que a escolha é às vezes algo complicado. Tão complicado que uns psicólogos norte-americanos criaram a “teoria
da dissonância cognitiva” baseada nesse drama. Como escolhemos as coisas, seja uma geladeira, uma proposta, uma roupa, e que racionalizações fazemos para justificar a direção tomada?
O poema é simples. Robert Frost foi um poeta que escrevia simples, e de tão popular que era foi chamado para ler um poema na posse do presidente Kennedy, em 1961.
Diz o poeta que duas estradas divergentes surgiram-lhe num bosque amarelado, e infelizmente ele não podia viajar ao mesmo tempo pelas duas. Eram duas estradas e ele era uma pessoa só. Ele estendeu os olhos sobre a primeira delas tão longe quanto podia até que ela se perdesse
na folhagem.No entanto, mesmo diante dessa sedução, ele tomou a outra via, que tinha uma agreste vegetação dificultando-lhe o caminho. Fazer tal escolha foi, ao mesmo tempo,
obter e perder alguma coisa. 
 Na última estrofe, que reproduzo aqui em português e inglês, ele resume a perplexidade da situação:
“Suspirando, estarei contando a ti,
Daqui a mil anos, o que aconteceu:
Dois caminhos bifurcavam, e eu –
O menos pisado tomei como meu
E a diferença está toda aí”.

I shall be telling this with a sigh
Somewhere ages and ages hence:
Two roads diverged in a wood, and I –
I took the one less traveled by,
And that has made all the difference.

Ou seja, em minha vida eu tomei a estrada mais difícil, menos usada, e isto fez toda a diferença.

Leio isto e me lembro que, na minha infância, nas paredes das casas dos crentes havia um quadro sobre a parábola bíblica do caminho largo e do caminho estreito, o primeiro conduzindo à perdição e o segundo à salvação.
Era a versão religiosa, a noção de pecado e virtude no ato da escolha.
Já o poema de Frost fala de algo mais ético e existencial. E é inevitável associar a ele um outro poema, do poeta português José Régio, intitulado “Cântico negro”,que de alguma maneira dialoga com o poema de Frost e que começa assim:
“ ‘Vem por aqui!’ – dizem-me alguns com olhos doces,
estendendo-me os braços e seguros
de que seria bom que eu os ouvisse quando me dizem: ‘Vem por aqui!’
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos meus olhos, ironias e cansaços)
e cruzo os braços e nunca vou por ali…”

E depois de repetir que não segue os outros, que só
vai por onde bem quer, o poema assim termina:

“Não sei por onde vou.
Não sei para onde vou.
– Sei que não vou por aí!”

André Gide dizia que, nessa vida, o diabo é que dos cem caminhos a gente tem que escolher um e ficar com a nostalgia dos outros 99.É possível. E há quem sinta nostalgia de todos os
cem. Esse tipo de frase de efeito antigamente me tocava.
Mas hoje, menos pretensiosamente, acho que nos cabe tornar o caminho escolhido mais belo e nele descobrir seus fascinantes mistérios.

Extraído do Livro Tempo de Delicadeza autoria by Affonso Romano de Sant'Anna

Aquele que não sabe a que coisas atender
E quais ignorar,
Atende ao que não tem importância
E ignora o essencial." by Buda.