sábado, outubro 11, 2014

MARKETING DIGITAL: O VALOR DO TRABALHO.

Quanto cobrar pelo trabalho de marketing digital? Como esse ainda é um segmento novo, a pergunta faz todo o sentido.
Antes mesmo de se perguntar sobre quanto cobrar pelo trabalho de marketing digital, você deve definir de forma clara, qual será sua estratégia de atuação no mercado. Se você já tem um nome como consultor de marketing digital, a estratégia é uma, mas se você está começando sua carreira agora, a estratégia é outra. Defina em que áreas você está realmente qualificado para atuar de forma diferenciada e invista pesado nelas. Não tente ser um “especialista em tudo” porque todos nós sabemos, que isso, nos dias de hoje, é simplesmente impossível.  Não é pelo fato de você estar começando sua carreira em marketing digital agora, que você terá que cobrar preços irrisórios ou então bem abaixo da realidade do mercado. A sua remuneração deverá ser proporcional ao serviço oferecido e o resultado que você poderá trazer. Se você já é um profissional conhecido, com um bom histórico de casos de sucesso em seu histórico, o preço deve ser o praticado pelo mercado, ou até maior, dependendo do diferencial que você possa oferecer em relação aos seus concorrentes.Para que você não fique sem parâmetros, vale a pena dar uma olhada no Manual de Preços e Serviços Digitais da ABRADI. Não se trata de uma “tabela”, principalmente porque você deve respeitar as diferenças regionais, mas para ter uma ideia de quanto cobrar pelos serviços em marketing digital, serve como referência.
 
Calcule seus custos operacionais

Outra coisa a ser levada em consideração são seus custos operacionais. Já vi muita gente achar que estava ganhando algum dinheiro, e depois descobrir que na verdade estava pagando para trabalhar.Faça um levantamento minucioso dos seus curtos operacionais como:
  • Custo de locação ou oportunidade de negócio do ambiente de trabalho
  • Tarifas de serviços como internet, contador e outros
  • Custos de softwares e ferramentas de marketing digital
  • Impostos e outros encargos
Não adianta falar em bancar um prejuízo no início, pois isso não funciona. Se você quer saber o quanto cobrar pelo trabalho de marketing digital, descubra primeiro o quanto custa prestar esse serviço.Uma boa dica sobre redução de custos é o trabalho como consultor de marketing digital em home office, uma prática cada vez mais comum no Brasil, depois de ser consagrada como tendência mundial. Com a tecnologia que temos hoje, isso é mais que viável e muitas pessoas estão abraçando essa alternativa para minimizar custos e com isso serem mais competitivas, e além disso, ganhar em termos de qualidade de vida.

O quanto você quer ganhar com o trabalho em marketing digital?
A sua última remuneração com carteira assinada, pode ser uma referência inicial, mas não se satisfaça com isso.
Se você vai assumir os riscos de trocar a estabilidade(?) de um emprego fixo pelo desafio de ser um empreendedor digital, precisa ser remunerado por assumir este risco.
São oito horas por dia durante vinte dias por mês, se você não quiser trabalhar nos finais de semana. Portanto o cálculo é:

  • Horas trabalhadas por mês = 160
  • Custos operacionais, digamos R$ 1.000
  • Resultado líquido desejado = R$ 5.000 Reais
Valor da Hora  =  Resultado Desejado + Custos Operacionais / Horas Trabalhadas
Nesse caso, se forem cobrados R$ 37,50 por hora trabalhada, o resultado final será o que você deseja.
 Fonte: Academia do Marketing. por Alberto Valle. administrador de empresas e há mais de 10 anos atua como consultor em e-commerce e marketing digital.
Imagem: Reprodução Internet.

Filosofia: IGUALDADE | Voltaire


IGUALDADE
Que deve um cão a um cão, um cavalo a um cavalo? Nada. Nenhum animal depende de seu
semelhante
. Tendo porém o homem recebido o raio da Divindade que se chama razão, qual foi o resultado? Ser escravo em quase toda a terra.

Se o mundo fosse o que parece dever ser, isto é, se em toda parte os homens encontrassem subsistência fácil e certa e clima apropriado a sua natureza, impossível teria sido a um homem servir-se de outro. Cobrisse-se o globo de frutos salutares. Não fosse veículo de doenças e morte o ar que contribui para a existência humana. Prescindisse o homem de outra morada e de outro leito além do dos gansos e capros monteses, não teriam os Gengis Cãs e Tamerlões vassalos senão os próprios filhos, os quais seriam bastante virtuosos para auxiliá-los na velhice.

No estado natural de que gozam os quadrúpedes, aves e répteis, tão feliz como eles seria o homem, e a dominação, quimera, absurdo em que ninguém pensaria: para que servidores se não tivésseis necessidade de nenhum serviço?

Ainda que passasse pelo espírito de algum indivíduo de bofes tirânicos e braços impacientes por submeter seu vizinho menos forte que ele, a coisa seria impossível: antes que o opressor tivesse tomado suas medidas o oprimido estaria a cem léguas de distância.

Todos os homens seriam necessariamente iguais, se não tivessem precisões. A miséria que avassala a nossa espécie subordina o homem ao homem - O verdadeiro mal não é a desigualdade: é a dependência. Pouco importa chamar-se tal homem Sua Alteza, tal outro Sua Santidade. Duro porém é servir um ao outro.
Uma família numerosa cultivou um bom terreno. Duas famílias vizinhas têm campos ingratos e rebeldes: impõe-se-lhes servir ou eliminar a família opulenta. Uma das duas famílias indigentes vai oferecer seus braços à rica para ter pão. A outra vai atacá-la e é derrotada. A família servente é fonte de criados e operários. A família subjugada é fonte de escravos.

Impossível, neste mundo miserável, que a sociedade humana não seja dividida em duas classes, uma de opressores, outra de oprimidos. Essas duas classes se subdividem em mil outras, essas outras em sem conto de cambiantes diferentes.

Nem todos os oprimidos são absolutamente desgraçados. A maior parte nasce nesse estado, e o trabalho contínuo impede-os de sentir toda a miséria da própria situação. Quando a sentem, porém, são guerras, como a do partido popular contra o partido do senado em Roma, as dos camponeses na Alemanha, Inglaterra, França. Mais cedo ou mais tarde todas essas guerras desfecham com a submissão do povo, porque os poderosos têm dinheiro e o dinheiro tudo pode no estado. Digo no estado, porque o mesmo não se dá de nação para nação. A nação que melhor se servir do ferro sempre subjugará a que, embora mais rica, tiver menos coragem. 
Todo homem nasce com forte inclinação para o domínio, a riqueza, os prazeres e sobretudo para a indolência. Todo homem portanto quereria estar de posse do dinheiro e das mulheres ou das filhas dos outros, ser-lhes senhor, sujeitá-los a todos os seus caprichos e nada fazer ou pelo menos só fazer coisas muito agradáveis. Vedes que com estas excelentes disposições é tão difícil aos homens ser iguais quanto a dois pregadores ou professores de teologia não se invejarem.

Tal como é, impossível o gênero humano subsistir, a menos que haja infinidade de homens úteis que nada possuam. Porque, claro é que um homem satisfeito não deixará sua terra para vir lavrar a vossa. E se tiverdes necessidade de um par de sapatos, não será um referendário que vo-lo fará. Igualdade é pois a coisa mais natural e ao mesmo tempo a mais quimérica. Como se excedem em tudo que deles dependa, os homens exageraram essa desigualdade.

Pretendeu-se em muitos países proibir aos cidadãos sair do lugar em que a ventura os fizera nascer. O sentido dessa lei é visivelmente: Este pais é tão mau e tão mal governado que vedamos a todo indivíduo dele sair, por temor que todos o desertem. Fazei melhor: infundi em todos os vossos súditos o desejo de permanecer em vosso estado, e aos estrangeiros o desejo de para aí vir.

Nos íntimos refolhos do coração todo homem tem direito de crer-se de todo ponto igual aos outros homens. Daí não segue dever o cozinheiro de um cardeal ordenar a seu senhor que lhe faça o jantar; pode todavia dizer: "Sou tão homem como meu amo; nasci como ele chorando; como eu ele morrerá nas mesmas angústias e com as mesmas cerimônias. Temos ambos as mesmas funções animais. Se os turcos se apoderarem de Roma e eu virar cardeal e meu senhor cozinheiro, tomá-lo-ei a meu serviço". Tudo isso é razoável e justo. Mas, enquanto o grão turco não se assenhorear de Roma, o cozinheiro precisa cumprir suas obrigações, ou toda a humanidade se perverteria.

Um homem que não seja cozinheiro de cardeal nem ocupe nenhum cargo no estado; um particular que nada tenha de seu mas a quem repugne o ser em toda parte recebido com ar de proteção ou desprezo; um homem que veja que muitos monsignori não têm mais ciência, nem mais espírito, nem mais virtude que ele, e que se enfade de esperar em suas antecâmaras, que partido deve  tomar? O da morte.

Fonte: Dicionário Filosófico - Voltaire.
Pitaco Reflexão: Ou seja sem liberdade de escolhas, estamos condicionados a viver na servidão. Como diria Raul Seixas: " A formiga só trabalha porque não sabe cantar".