sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Livro: Almir Sater entre Os 100 melhores Cds da MPB — Sem mais delongas.

"Pretensão ou não, que julguem até tendenciosa de minha parte, ao citar exclusivamente Almir Sater jamais poderia faltar neste livro e claro que se encontra entre os 100". 
O livro "Os 100 melhores Cds da MPB"– é um guia para ficar por dentro do que há de melhor na MPB: histórias, comentários e curiosidades, de autoria do crítico musical André Domingues lançado pela Editora SA em 2004, que foram escolhidos por 10 músicos, compositores e críticos.

A votação para definir os "eleitos" e dar voz à diversidade da MPB foi feita por profissionais de renome do meio musical. São 10 músicos, compositores e críticos: Arley Pereira, jornalista e crítico musical; Carlos Rennó, compositor, jornalista e crítico musical; Éder Sandoli, compositor, arranjador e instrumentista; Hilton Valente, compositor, arranjador, instrumentista e professor de História da Música Popular Brasileira da UNICAMP; Luiz Melodia, cantor e compositor; Maria Alvim, cantora e especialista em recursos da voz; Rui Moraes, jornalista especialista em MPB; Théo de Barros, cantor, compositor, instrumentista e arranjador; Victor Martins, compositor; além do próprio autor.

O resultado dessa votação, longe de se pretender absoluto, é uma verdadeira provocação. Quais serão, enfim, os maiores clássicos da MPB? Cada um tem sua opinião, é verdade. Mas por quê não discuti-las, e ao som de boa música? Os textos do livro, mistos de crítica musical jornalística e ensaio, são enriquecidos por um glossário, que explica o sentido de termos técnicos relacionados ao ritmo, à harmonia, à melodia e a curiosidades que cada gravação aportou à nossa música. Assim, traz ao leitor um sentido de tempo e espaço, inclusive com breves biografias dos principais nomes citados. André Domingues deixa clara sua intenção de, ao longo das 100 resenhas do livro, apresentar - especialmente ao jovem leitor - a história da Música Popular Brasileira, com uma abordagem crítica, aprofundada, e ao mesmo tempo acessível.


Um trecho que abrevia toda a essência e qualidade ímpar do Instrumentista Almir Sater que se encontra no livro:
—É interessante notar, por exemplo, o quanto Almir soube compreender e refletir a forte influência que o barroco europeu exerceu sobre as melodias e harmonias da música popular brasileira, o que é evidente no disco todo, mas, acima de tudo, na faixa “ Benzinho”. O disco sugere que os violeiros de toda a região central do país comungam da mesma essência, embora conservam seus traços locais. Almir Sater além de compositor criativo, capaz de conceber maravilhas, como“Luzeiro”, é um músico de vasto domínio sobre seu instrumento. O tema “Viola de Buriti”, o único número solo do disco, comprova isso. Um Cuidadoso estudo da viola e uma densa musicalidade deram a Almir Sater condições para que desenvolvesse um toque muito especial, eficientíssimo, instigante e por sua união de simplicidade e sofisticação". Hoje, é impossível falar na viola brasileira sem tocar no seu nome. — Página 125 do Livro.
—Sem mais delongas, resume tudo o que é o instigante toque de viola de Almir Sater, para ler o resto só comprando o livro. —E se você ainda não ouviu essa obra de Arte, ainda é tempo de espalhar as velhas canções:


Sobre André Domingues: Formado em Filosofia pela UNICAMP e estudioso de música popular desde os 14 anos de idade, trabalha como jornalista e crítico musical na emissora de televisão Alltv (www.alltv.com.br) e em diversas publicações escritas, tais como o Jornal da Tarde, Diário do Comércio, a revista Raça Brasil e a revista Cultura DO.Também leciona História da MPB em escolas e centros culturais. Segundo ele a votação para definir os “eleitos” e dar voz à diversidade da MPB foi feita
por profissionais de renome do meio musical.
Fonte: site saeditora.