domingo, março 26, 2017

Show Tocando em Frente: Almir Sater encerra shows de Março no Paraná

Almir Sater se apresenta em Ponta Grossa, PR com o show "Tocando em Frente" ao lado de Renato Teixeira e Sérgio Reis na próxima sexta (31), no centro de eventos.


O espetáculo tem sido sinônimo de sucesso e público por onde passa. Com repertório simples e emocionante, os artistas têm contagiado multidões ao juntar seus estilos e trajetórias consagradas, como se fosse o quintal de casa.  No palco, revivem canções como Tocando em Frente que leva o nome da turnê, Chalana, Romaria, O Rei do Gado, Frete, Coração de Papel, A Saudade É uma Estrada Longa, Trem do Pantanal entre outras.

                                           Foto: Divulgação.

No início de 2016, Almir e Renato lançaram em todas as plataformas, lojas e sites virtuais e distribuído pela Universal Music,  o disco “AR” indicado em duas categorias  no  17º Grammy Latino 2016  -“Melhor Música da Língua Portuguesa” com a  canção “D De Destino” –  e premiado como “Melhor Álbum de Música Raízes Brasileiras”  em Novembro passado, que também estão inclusas neste show.  Tudo isso acompanhado pelo toque magistral da viola de 10 cordas de Almir Sater que o tornou consagrado. 
Foto: Sandro Takahashi / Fonte Agencia Produtora.

Os ingressos estão à venda pela Internet  ingressorapido.com.br  ou na loja do Shopping Palladium de Ponta Grossa (Rua Ermelino de Leão, 703, em Olarias), piso 1, em frente à Kalunga. Mais informações e detalhes através do evento oficial no FACEBOOK

sexta-feira, março 03, 2017

Demolição - Pode um golpe de loucura ser a chave para novo destino ?

Demolição: “Para continuar a viver é importante rever e deixar para trás tudo aquilo que já não nos serve mais”. Das críticas e análises que li sobre esse filme “Demolição” de Jean-Marc Vallée, uns torceram o nariz “será perda de tempo” outros é detestável, compulsivo, confuso, depressivo, apático ou louco e alguns como eu, acharam excelente. Eu até compreendo, e não sem razão, há um pouco disso tudo, o filme é denso, intenso, complexo, chocante, mas traz à tona as limitações, perdas, anseios e frustrações deles, e com os olhos voltados para o campo da psicologia.  

A trama se dá em torno de Davis, um jovem financista bem-sucedido em uma vida metódica, casado com a filha do seu sócio, uma mulher perfeccionista, determinada e apegada aos valores morais e sociais. Enquanto retornam para casa, em uma conversa de rotina, da geladeira quebrada ao pai dela no celular sobre em pressioná-la para as pazes com a mãe, da qual não se falam há dias, por causa de um discussão banal, a princípio.  Enquanto ela dirige, acontece o acidente de carro que fará mudar a vida do viúvo, a partir da reconstrução do seu eu. Seu sogro então compara o tempo do luto com um automóvel, “para consertar um coração humano é como consertar um carro, temos que examinar e montar tudo de novo”.


Talvez a "suposta" indiferença dele em não ligar para as coisas corriqueiras a sua volta ou dificuldade em interagir com os outros estão relacionadas com o “transtorno de déficit de atenção” subjetivamente sugerido no filme, e isso dá um novo fôlego para entendê-lo melhor, entre eles, os seus sentimentos, apesar da perda e luto, descobre que não a amava como pensava. 
Ao se deparar com essa verdade e prestes ao um colapso emocional, a percepção muda à sua volta e começa a se interessar por coisas, pessoas e curiosidades, que nunca notara antes e a sua cura talvez, pode estar nesta desconstrução do que era sua vida até então, com verdades inteiras, assim ao demolir coisas, objetos, a começar pela geladeira, começa a ser libertador.

O seu destino vai mudar ainda mais ao reclamar por carta para um serviço de atendimento ao cliente de uma empresa, sobre o não funcionamento de uma máquina de cafés, quando estava no hospital em que a esposa fora internada. A partir daí um novo ciclo, uma relação mais fraternal do que afetiva e até improvável entre a mulher atendente da empresa (viciada, apática e presa em uma relação dependente e conturbada com o proprietário da loja) e o  seu filho adolescente (revoltado e confuso com sua sexualidade), um será a muleta do outro. Por mais que as reações de Davis sejam insanas e infantis, é na desconstrução que ele encontra força para mudar sua história “ Quando eu era criança e ficava doente, eu deitava no colo de minha mãe, ela passava a mão pela minha cabeça e fazia tudo melhorar” Será tarde para isso?”.  Como não podemos voltar ao tempo e nem tampouco a segurança do útero materno, cada um tem que lidar da melhor forma com suas dores, mágoas e feridas, crescendo e evoluindo.

Por isso, juntos os três irão desenvolver uma relação de confiança e ambígua, suas feridas expostas e segredos se revelando aos poucos e a oportunidade de resgatar a criança interior tão ausente no adulto de agora. Cada um a sua maneira vão se alinhando, com suas dores, frustrações, fragilidades, e com uma reflexão “as perdas sofridas perto de sermos nós mesmos, são até suportáveis”. Aos poucos os personagens vão se entrelaçando, e vamos surpreender com o final, onde nem tudo que aparentemente era perfeito é real, pois todos cometem erros, alguns mais, outros menos,  mas todos esperam, afinal,  redenção.

quinta-feira, março 02, 2017

SATURNO E OS TRILHOS NOS EIXOS


 












Reza a astrologia,  a partir de 20 de Março ( tudo muda e com toda a razão) pois, quem manda no pedaço é Saturno.
E segundo o estudo, essa mudança se dá a cada 36 anos.  Para se ter uma ideia, estamos sob a regência do Sol desde 1981 - e por esse motivo, estamos todos mais voltados para nosso ego, o narcisismo ganhou força e nos tornamos mais egocentrados e individualistas. Assim como ocorreu no ciclo de 1909 a 1944 e regido por Marte, o deus da guerra, e por isso as duas guerras mundiais. 
Com a vinda de Saturno, acabou-se a farra da adolescência solar, onde o narcisismo e o individualismo fizeram parte da vida de todos. Podemos esperar por um tempo muito diferente dos que vivemos e especialmente pessoas nascidas a partir de 1981, que conhecem apenas uma sociedade solar totalmente isentam de valores humanitários e focados em valores individualistas e narcísicos.
Saturno é um planeta de carma, seu símbolo é uma caveira com uma foice. Podemos esperar um pai severo, que chega ceifando tudo o que não está de acordo com nosso crescimento e evolução, tanto pessoal quanto coletivamente. Ele certamente chega para colocar nossas vidas no trilho.🔨 🔨🤣 Saturno chega para ensinar e exigir de todos nós a construção de uma nova morada. Uma morada que possa nos acolher e sustentar a todos, física e emocionalmente.
Por Eunice Ferrari  - Fonte: vida e estilo.

Se você não entendeu ....
Vamos aprender pela dor ou pelo amor. 
Saturno  vem para transformar, transcender e com nova oportunidade para evoluir e para haver mudanças o confronto, choque e atritos serão necessários, até rompimentos.Não haverá mais meio - termo. Com a rigidez do planeta, cada um de nós deve refletir sobre "qual é o nosso papel" na sociedade, família, trabalho e responsabilidade em cada uma delas.
Não há como fugir disso mais, ficar na zona de conforto ou ignorar. Esse novo ciclo que se abre depende de nossas ações e vão impactar no coletivo. Portanto, cabe a nós as escolhas quais caminhos tomar, laços a manter ou pessoas a se envolver. Saturno vem para dar uma sacudida dura em reflexões destes equívocos que povoam as relações. 

Pink Floyd antecipou décadas atrás o que Saturno vem de forma irreverente nos submeter: a partir de Março: "Juntos nós resistimos, separados nós caímos". Portanto, se desejamos bênçãos ou maldições, um futuro mais promissor ou não, tudo dependerá das escolhas que faremos agora. 

quarta-feira, março 01, 2017

Almir Sater celebra carreira e transborda em sua veia criativa

Almir Sater celebra carreira com Grammy Latino e  transborda em sua veia criativa através de novas criações e arranjos musicais.

Com mais de 35 anos de carreira e 11 discos gravados, o primeiro em 1981, "Estradeiro" pela Continental, o compositor, cantor e violeiro Almir Sater, um dos artistas mais completos, graças ao seu virtuosismo, continua a encantar gerações. O músico tornou-se um dos mais respeitados ao empunhar sua viola de 10 cordas, popularmente conhecida como viola caipira, fruto do aprendizado com o mestre Tião Carreiro (dono de um estilo exuberante de tocar).

Através do experimentalismo, sem rotular, no entanto agrega um toque diferenciado ao instrumento, estilos como blues e rock dos anos 70, com influências da música inglesa, embaladas pela pegada do folk norte-americano, uma mistura de música folclórica, erudita e popular, considerada atemporal e das fronteiriças com seu estado MS - a paraguaia e andina, sem deixar de enaltecer a paisagem rural.
 
Sua trajetória musical sempre foi marcada por grandes feitos: No início dos anos 80, em conjunto com Paulo Simões, o maestro e violinista Zé Gomes (in memoriam) iniciou uma comitiva que explorou o Pantanal. Com diversos registros fotográficos sobre o modo de vida dos pantaneiros, de maneira poética, virou um documentário, em 1985, denominado “Comitiva Esperança, uma viagem ao interior do Pantanal”.

Foto: Carlota P. Fotografia/ CG
 

Em 1988, escolhido por unanimidade pela crítica, para participar da abertura do Free Jazz Festival em 1989, no RJ, ao lado de nomes sagrados da música mundial. No mesmo ano, viajou para Nashville, o berço da música country americana, para cantar no International Fair Festival e por lá gravou o CD “Rasta Bonito”, da qual nasceu o encontro e a fusão da viola caipira com o banjo americano.

Com o 4º Prêmio da Música Brasileira (1991), Almir foi escolhido como melhor Solista e Música Instrumental, a belíssima “Moura”, e como coautor de "Tocando em Frente", em parceria com Renato Teixeira, na voz de Maria Bethânia, como a melhor canção da MPB, esta considerada um "hino" motivacional desde então.

Também obteve grande destaque ao aceitar convites para representar personagem de violeiro em novelas como “Pantanal” e “Rei do Gado”, além de Ana Raio e Zé Trovão e Bicho do Mato (2006). Dono de um talento ímpar e versatilidade como instrumentista, Almir Sater foi apontado pela Revista "Rolling Stone Brasil" entre os 30 maiores ícones brasileiros da guitarra e do violão na edição de 2012. Em 2015, gravou o CD “AR” em parceria com Renato Teixeira nas plataformas digitais
https://umusicbrazil.lnk.to/DDeDestino - sites e lojas virtuais.

Foto: Eduardo Galeno / Agencia Produtora.

                                  
Com produção do norte-americano Eric Silver, o álbum navega por diversas vertentes e influências musicais, do folk ao rock Anos 70, sem deixar de flertar com o purismo da música caipira e a poesia bucólica e logo caiu nas graças do público, admiradores, fãs, crítica especializada e foram contemplados no 27º Prêmio de Música Brasileira de 2016, como melhor dupla regional, em junho passado.

O disco também foi indicado em duas categorias no 17º Grammy Latino 2016 -“Melhor Música da Língua Portuguesa” com a canção “D De Destino” – e premiado como “Melhor Álbum de Música Raízes Brasileiras”( na disputa com os também renomados Alceu Valença e Elba Ramalho), em Las Vegas. Os artistas gostaram tanto da feitura do projeto anterior que já estão em fase final de gravação de MAIS AR previsto para lançamento ainda este ano.


No palco, acompanhado por uma banda, o músico revisita suas canções marcantes como "Trem do Pantanal" e as clássicas: "Um Violeiro Toca", "Tocando em Frente" e "Chalana", bem como os seus discos mais atuais, o último solo “7 Sinais” e o inédito “AR”, sem deixar de lado o toque magistral de viola que o tornou consagrado.

Além da carreira solo, Almir Sater junto com Renato Teixeira e Sérgio Reis – apresentam o espetáculo “Tocando em Frente” – sinônimo de sucesso e público por onde passa. Com repertório simples e emocionante, os artistas têm contagiado multidões ao juntar seus estilos e trajetórias consagradas, como se fosse o quintal de casa.

Contato Almir Sater: Claudete Faria
Tel.: +55 (11) 4485.1539 /(11) 4485.3049 /(11) 97546-3850
e-mail: claudetefaria@uol.com.br
www.claudetefaria.com.br