src="https://apis.google.com/js/platform.js" async defer> {lang: 'pt-BR'}

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Ponto de vista sobre Victor Frankenstein, o filme.

Eu não conhecia até então, essa adaptação do romance da Mary Shelley no filme Victor Frankenstein, tendo James McAvoy como protagonista.  Embora a trama seja diferente do livro e de enredos anteriores,  mas o assunto é o mesmo,  a obsessão pela imortalidade.


A releitura gira em torno da amizade do cientista visionário  com o corcunda Igor interpretado por Daniel Radcliffe ( eterno Harry Potter). Ao vê-lo, num circo como atração bizarra, o estudante Victor descobre que este tem amplo conhecimento de anatomia humana, o ajuda a escapar. Através de seus métodos pouco ortodoxos, o livra da corcundice, porém o seu mestre é um cientista excêntrico  e obcecado pela imortalidade e sem  limite sobre quanto a ética. Fiel ao amigo, ele tenta salvá-lo antes que a loucura vá longe demais e das terríveis consequências. A maior parte de comentários sobre a trama gira em torno do possível romance entre os personagens centrais, em cenas  abordadas de forma sutil. Há quem diga que o “médico monstro” é fissurado por corpos e perfeição e por isso usa de seus experimentos, para criar a criatura perfeita, ao seu bel prazer.  Eu vou focar em outros pontos, porque acredito que o Victor talvez seja egoísta demais para amar a alguém a ponto de tê-lo como prioridade, e até então só encontra dor e indiferença nos seres humanos.

Para entender Victor e sua alma complexa é preciso mergulhar na sociedade da época, sem dúvida, ele era um excêntrico, cheio de culpas, à frente do seu tempo e  por ser o segundo filho, relegado e negligenciado pelo pai, sem reconhecimento ou estímulo.  O primeiro filho era o único herdeiro e quem recebia a herança e título, os demais dependem da generosidade deste depois, em mesadas. Ele era o segundo filho, os sonhos e ambições do estudante eram bem maiores que o mundo que o cercava e além da perfeição, a busca por reconhecimento acadêmico e afeto familiar também é um fato a considerar. E, como toda a pessoa sabedora do seu talento, possui pouco traquejo ou paciência para frivolidades sociais, ele destoa de todos no convívio, e deixa se dominar pelo ego por ter uma inteligência acima dos demais, esnoba os seus professores e colegas da faculdade, por não acompanhar seu raciocínio mais racional. 

 
No parceiro, ele encontra o que lhe falta, talvez o sentimento de posse sobre o outro, seja mais pelo “conflito de interesses” a partir do envolvimento da mulher com o amigo, que poderão surgir.  Além de egocêntrico, não se devemos esquecer a sociedade machista e patriarcal mais acirrada ainda na época.  E, ele já tem uma ideia formada sobre os próprios mestres e amigos, como ineptos, imagine quanto à mulher, o que para ele, seria uma perda de tempo envolvê-la entre eles, pois traria distração ao amigo, para manter seus objetivos traçados. 
O que torna  interessante esse filme,  exceto o diálogo ensaiado do detetive que os persegue,  é a obsessão de Victor pela imortalidade, e em sua loucura, em cessar a morte física e a partir dos seus experimentos científicos, retornar à vida a quem cedo partiu. Talvez, se deva a culpa que o acompanha pela morte do seu ente mais querido, tão admirado por todos, e assim, obter o amor fraterno e o  valor, tão ausente na opinião do seu pai, um homem autoritário e desprovido de compaixão.  
 
Victor deverá aprender pela dor mais uma vez, como um simples mortal, de que não pode mudar o rumo das coisas e tampouco da morte, que suas experiências trarão mais dor do que vida. Segundo Nietzsche “É preciso reinterpretar a morte!”.  Embora irreversível, pode ser menos dolorosa a aceitação,  se celebrarmos a vida, o momento presente, da melhor maneira possível, livres de amarras e  a viver da maneira mais digna, isentos de culpas,  sem causar dor ou sofrimento a nós e aos nossos semelhantes. 

E se causamos ... "Defeitos não fazem mal, quando há vontade e poder de os corrigir" nos lembra Voltaire, então é sempre tempo de mudar o nosso caminho, se inadequado aos outros e, sobretudo a nós mesmos.

Fonte das Imagens: Internet.