quinta-feira, julho 28, 2016

Almir Sater se apresenta no Festival de Música de Cruzília


O Compositor, Cantor e Instrumentista, o violeiro Almir Sater é a atração do 35° FESTIVAL DE MÚSICA DE CRUZÍLIA – evento tradicional  a ser realizado a partir de amanhã ( 29) e encerra dia (31) no domingo. O Artista se apresenta neste sábado (30) com acesso livre para o público em geral, em praça pública. 
A cidade com quase 15 mil habitantes é conhecida nacionalmente pelos queijos deliciosos e pela recepção calorosa com os turistas e visitantes. Em 2015, venceu o Concurso Nacional de Produtos Lácteos no quesito, Destaque Especial.


Além da fama pela fabricação de queijos, as fazendas são centenárias, inclusive o nome se deve à encruzilhada, que ligavam o caminho velho da Estrada Real (via aberta oficialmente pela Coroa Portuguesa para ligar o litoral fluminense à região produtora de ouro no interior de Minas Gerais). Também considerada o berço das criações dos Cavalos Mangalarga e Mangalarga Marchador.

                                                                                                                        Foto: Ralph M. Giesbrecht.
Como se fosse - no quintal de casa.
Cercada pelo cenário bucólico, aconchegante, carregados de mistérios e simplicidade, que a viola de 10 cordas de Almir Sater entoará suas belas canções no palco instalado na Praça Monsenhor João Câncio, no centro da cidade.                                                 
                         Imagem: Oswaldo Buzzo - Praça de Cruzília/MG.
O Músico fará releituras de suas consagradas canções como “Trem do Pantanal”, “Tocando em Frente”, “Peão”, “Chalana” entre elas, e do mais recente CD “AR” gravado em parceria com Renato Teixeira. Canções como “D De Destino”, “Bicho Feio”, “Noite de Sinos” e “Peixe Frito” estão inclusas no repertório do show do artista. Sem deixar de lado o toque ímpar da viola que o tornou consagrado e suas belas instrumentais.
                                      Foto: encarte CD “AR” – Eduardo Galeno/ Agencia Produtora. 
Entre violas, violões intercalados com os  “causos” pantaneiros, as novas canções vêm de encontro ao folclore, lendas e mistérios que a cidade guarda a 7 chaves, sobre a receita do tão famoso queijo – intitulado “A Lenda” e  farão do espetáculo e aos presentes, sem dúvida, uma noite memorável. 


Para ouvir e comprar o CD "AR" - disponível nas plataformas digitais ou CD físico nas Melhores Lojas.
Saber mais sobre a imponente cidade Cruzília: a cidade dos queijos deliciosos | Vida sem Paredes

Serviço:
Show Almir Sater e Banda.
Sábado, 30/07/2016, às 20h00
Praça Monsenhor João Câncio, Cruzília - MG
Ingressos: Entrada livre.

terça-feira, julho 26, 2016

Almir Sater nesta Sexta em Atibaia – Única Apresentação

                                                                     Foto: Raul Azedo.

Almir Sater sobe ao palco da Estação Atibaia, nesta sexta-feira (29), acompanhado por sua viola de dez cordas, mais conhecida como viola caipira, e  fará releituras de clássicos de sua carreira como “Tocando em Frente”, “Chalana”, “Trem do Pantanal”, entre outros. 

Além de sua trajetória memorável,  o violeiro apresentará o seu mais recente CD “AR”,  lançado em parceria com Renato Teixeira, em dezembro passado, e por onde passa o público tem se encantado com as canções.

O músico possui um carisma inexplicável e sua personalidade simples faz com que seja ovacionado pela plateia, seja interagindo com o público, contando ‘causos’, ou cantando grandes canções. Isso tudo sem deixar de lado a técnica ímpar e o magistral toque de viola, indispensáveis nas suas apresentações.

A interação com o público flui tão natural que a impressão é de ter estado na sala de visitas do artista, completamente à vontade num tom mais intimista. 


Com realização a cargo da Charge Produções em um espaço aconchegante,  sem dúvida, um show que promete agradar a todos os presentes.

Os ingressos para o Setor A já se encontram esgotados. Ainda restam lugares para o Setor B. 


Foto: Divulgação.


Serviço:
Almir Sater e Banda – em Única Apresentação na Região.
Quando: 29/07/16 – sexta-feira.
Onde: Estação Atibaia –  Endereço: Av. Jerônimo de Camargo, 6308 - Jardim Santo Antônio - Atibaia/SP.
Horas: 21h00.
Valores em reais R$:
Mesas com 4 cadeiras  fechadas( ou aleatórias – não numeradas ).
Setor A - Esgotados.
Setor B - R$ 120,00 Inteira (individual). 
                 R$   60,00 meia-entrada. ( estudantes, terceira idade( acima de 60 anos) e aposentados). Funcionário do SAAE e  Clientes Médicos Agora e Clientes Porto Seguro tem 50% de desconto no valor da Inteira no Setor B. Válido para um acompanhante comprar seu ingresso com o mesmo desconto. Descontos não cumulativos com outros previstos em Lei.
Para quem não se enquadra para adquirir como meia-entrada,  poderá adquirir na promoção de antecipado com 25% de desconto sobre o valor da Inteira, ou seja, R$ 90,00. Promoção válida até o dia 28 de julho.
Pontos de Venda:
Online: Megabilheteria.com 
Físico:
Donna Dann Calçados - Rua Lourenço Franco, 536 - Centro -  (11) 2427-1021.
Luchini Automóveis  - Dr. Joviano Alvim - 613 – (11) 4412-3966
Lojas Bonarte -  Rua José Pires, 66, Atibaia.  (11) 4413-0223 
Mais Informações: (11) 9.9996-3356 Whatts App

segunda-feira, julho 25, 2016

ALMIR SATER EM TURNÊ PELO NORDESTE E RIO GRANDE DO SUL


Almir Sater fará turnê pelo Nordeste em Outubro nas capitais de Recife (06), Natal (07) e Fortaleza (09).  Antes passa por Rio Grande do Sul, em duas apresentações - Setembro (30) em Porto Alegre e (01) em Novo Hamburgo.  
Os shows contam com a  realização da Opus Promoções  e os ingressos já se encontram à venda pelo site, a seguir:

No palco o Compositor e Cantor, acompanhado de sua viola de 10 cordas, fará releituras de suas canções marcantes como Tocando em Frente, Um Violeiro Toca, Trem do Pantanal. A sinergia com o público flui de forma natural, seja na interação com a plateia, ao contar “causos” pantaneiros, cantar ou  mesmo com o toque inconfundível na viola e violão. 

Em Dezembro passado, Almir Sater e Renato Teixeira despontaram com o mais novo projeto, o CD “AR” que leva as iniciais dos seus nomes, em todas as plataformas digitais. Apesar de amigos e parceiros musicais, é a primeira vez que os artistas lançam um CD juntos. Gravado entre o Brasil e Nashville (EUA), com produção do norte-americano Eric Silver, o álbum traz 10 músicas inéditas compostas por eles e foram agraciados no 27º Prêmio de Música Brasileira de 2016, como melhor dupla regional.
 
                                   Imagem: Eduardo Galeno | Agência Produtora.
 
Muito Além das Fronteiras...
O disco navega por diversas vertentes e influências musicais, como o folk e o country, do bluegrass ao rock Anos 70, sem deixar de flertar com o purismo da música caipira e a poesia bucólica. “Tem uma fase da vida que você é rock and roll, tem outra fase que você é country e tem aquela que você é folk”,  lembra Renato Teixeira.

Além das canções que permeiam sua bela trajetória até os dias atuais, o músico já incluiu nos shows, as mais recentes do projeto AR como Bicho Feio, D De Destino, Peixe Frito entre outras. Portanto, serão 05 apresentações únicas e imperdíveis onde o público presente, se emocionará ao som da viola mágica de Almir Sater. Um espetáculo memorável, sem dúvida.

quinta-feira, julho 21, 2016

Show Almir Sater neste sábado na Ocupação SESC Pq. Dom Pedro II em SP.

Show Almir Sater neste sábado na Ocupação SESC Pq. Dom Pedro II em SP.


      Crédito Foto: Maria Helena Sperindione.

O Compositor e cantor, o violeiro Almir Sater realiza show com entrada gratuita – pelo SESC Carmo/SP, neste sábado (23). O evento  está previsto para as 17h00 e o local será na Ocupação SESC Pq. Dom Pedro II, vide link do SESC Carmo para maiores detalhes. 
No palco, o músico revisita sua trajetória, com mais de 30 anos de estrada, canções marcantes como "Trem do Pantanal" e as clássicas: "Um Violeiro Toca", "Tocando em Frente" e "Chalana", sempre solicitadas pelo público, entre outras.
O show mescla com o último CD solo  "7 Sinais" – “Maneira Simples”  e “No Rastro da Lua Cheia”  e o mais recente, o “AR” lançado em Dezembro passado e gravado em parceria com Renato Teixeira. Os artistas foram inclusive agraciados no 27º Prêmio de Música Brasileira de 2016, como melhor dupla regional.
 
No Repertório, músicas  como “D De Destino” que abre o disco, "Peixe Frito" e “Bicho Feio” um bluegrass, que norteia os mistérios do folclore popular, não deverão faltar e embaladas pela técnica ímpar e o magistral toque de viola indispensável nas suas apresentações, que o tornou consagrado.  Com certeza, um espetáculo imperdível para esse fim de semana em São Paulo. 
Serviço:
Show Almir Sater
Local: Ocupação Sesc Parque Dom Pedro II
Praça Vito - S/N- Brás. São Paulo/SP.
Atividade livre e gratuita.
Não é necessária a retirada de ingresso. 
Horas: 17h

domingo, julho 17, 2016

Shows de Almir Sater em Minas contagiam o público

  - Emocionante. Assim foram os comentários unânimes e enviados nas redes sociais, sobre os shows de Almir Sater em Minas Gerais - no fim de semana passado. O Compositor e Violeiro, Cantor e instrumentista se apresentou em BH - na quinta-feira (14) e na sexta (15) em Ipatinga. 


Com um formato de show simples, sem parafernálias, o artista e sua banda, contagiaram o público presente, ao cantar suas canções marcantes como Tocando em Frente, Trem do Pantanal, Um Violeiro Toca, Peão, Doma entre outras. O Show mescla com o CD solo 7 Sinais - "Maneira Simples" e "No Rastro da Lua Cheia", sem deixar do lado o toque ímpar da viola que o tornou consagrado. 

E foi ao som da viola de 10 cordas de Almir Sater que a Série MPB retornou a Ipatinga, em mais uma ação do Instituto Cultural Usiminas para democratizar o acesso à cultura e levar ao público do Vale do Aço grandes nomes da música. O Compositor e Violeiro foi o primeiro a ser escolhido para dar início ao projeto, que deverá contar com mais atrações da Música Popular Brasileira durante esse semestre.
                                                      Foto: Alvair Faria.
O ápice da noite ficou a cargo das músicas do novo CD "AR" em parceria com Renato Teixeira - lançado em Dezembro passado, que o Cantor desde Março, introduziu nos repertório dos Shows. Entre as canções constam “D De Destino” que abre o disco, faixa de trabalho, “Bicho Feio” - um bluegrass que retrata as lendas do folclore popular e “Peixe Frito” - uma letra singela que nos remete as paisagens bucólicas, sobre  a felicidade estar nos pequenos detalhes. Os Artistas demonstram grande satisfação com o resultado deste projeto, quando entrevistados.  E, pelo jeito não são só eles, o CD já caiu nas graças do público, fãs e da crítica especializada. Em Junho passado, 22 - foram agraciados no 27º Prêmio de Música Brasileira de 2016, como melhor dupla regional
                                             Foto: Eduardo Galeno / Agencia Produtora.
Com produção do norte-americano Eric Silver e gravado entre Nashville (EUA) considerada o berço do country e o Brasil - "AR" está disponível nas plataformas digitais e nas melhores Lojas. No final, Almir Sater ainda recebeu os fãs no camarim – e pelo visto deixou entre eles, aquele desejo de "volta em breve", por favor.  Mais fotos dos shows enviadas pelos espectadores presentes e fãs, atualizadas na Fan Page Facebook em homenagem ao Artista, acessem.

quinta-feira, julho 14, 2016

ALMIR SATER NO PALÁCIO DAS ARTES EM BH

Foto: Noemi Melo Fotografia
O violeiro Almir Sater sobe ao palco no dia 14 de Julho próximo, no Palácio das Artes em BH. Com mais de 30 anos de carreira, o instrumentista possui dez discos gravados e considerado um dos mais completos da música brasileira. Em Dezembro passado, Almir e Renato Teixeira lançaram o CD “AR” que leva as iniciais dos seus nomes nas plataformas digitais e pré-selecionado para o 27º Prêmio da Música Brasileira.

Gravado entre o Brasil e Nashville (EUA) e produção do norte-americano Eric Silver, o Álbum conta com 10 faixas inéditas. O disco navega por diversas vertentes, como a junção da música rural com o country americano, o bluegrass, rock dos anos 70, com o purismo da música caipira e da poesia bucólica.

O Artista sempre ovacionado no palco ao relembrar seus sucessos mais marcantes: "Trem do Pantanal" e as clássicas "Um Violeiro Toca", "Tocando em Frente" e "Chalana". O Show mescla com o CD 7 Sinais, lançado em 2007 e o mais recente “AR” que tem encantado o público e fãs no geral. Canções como Bicho Feio, D De Destino que abre o disco não deverão faltar e sem deixar de lado a técnica ímpar e o magistral toque de viola indispensável nas suas apresentações, que o tornou consagrado.

Além do toque peculiar e diferenciado na viola, o músico não dispensa o violão folk de 12 cordas, que alternados, produzem um espetáculo original e de primeira qualidade. E o resultado é único, ao mesmo tempo reflete traços populares e eruditos, despertando atenção de públicos diversos. A produção é assinada por Jackson Martins e equipe, renomado na área. Sem dúvida um Show imperdível e que agrada todas as gerações.
                                                                                                           Foto: Walter Sornas
SERVIÇO:
Show Almir Sater e Banda. 
Quando: 14/07/16 – quinta-feira.
Onde: Belo Horizonte/MG.
Horário: 21h00.
Local: Grande Teatro do Palácio das Artes
Endereço: Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro.
Valores: Plateia1 e 2: R$150,00
Piso Superior: R$130,00.
Informações para o público (31) 3236-7400

meia-entrada: De acordo com a Lei em vigor.
P
onto de Vendas:
Para comprar pela internet, acesse: www.ingresso.com             
Bilheteria do Palácio das Artes: De segunda-feira a sábado, das 10h às 21h e aos domingos e feriados, das 14h às 20h.
Mais informações: (31) 4003-2330
Site Oficial: http://fcs.mg.gov.br/fundacao/bilheteria/
Realização: Jackson Martins Produções

FacebookEvento Oficial Facebook

quarta-feira, julho 13, 2016

Robert Plant: “O processo por plágio de ‘Stairway to Heaven’ foi uma tremenda perda de tempo”


                                        Photo: Phil Dawson - Alamy
 
Até de bermuda parece um gentleman. Robert Plant chega com o The New York Times na mão e sem indício de ressaca depois da brutal apresentação da noite anterior. Às 10h30 da manhã e desperto, como provam seus olhos que seguem cada mulher que se move pela piscina de seu hotel de Cascais. Robert Plant (1948, Inglaterra) sente-se um sobrevivente de uma época em que o provável, em sua profissão, era bater as botas. A seus quase 68 anos – que completa em agosto – o vocalista e letrista do grupo Led Zeppelin (1968-80) continua na estrada a seu ritmo. Desde a separação do Led Zeppelin, trabalhou com o guitarrista do grupo, Jimmy Page (1994-98), com a cantora country Alison Krauss (2007-08) e com diversas bandas. Desde 2012 é acompanhado pela banda Sensational Space Shifters, com quem se apresenta na quinta-feira 14 de julho em Madri dentro da programação das Noches del Botánico, “colidindo” o som duro de seu lendário grupo com músicas africanas e do Mississipi.

Pergunta. Um astro do rock acordado às 10 da manhã!
Resposta. Realmente os tempos são outros. Os heróis modernos precisam estar sempre ativos. Se quer continuar trabalhando nestes dias em que a música passa por tantas mudanças, tantas inovações, precisa estar acordado, muito atento, e precisa amar este mundo. Não é mais como nos anos 1970 em Los Angeles.

P. A época de seu grande sucesso com o Led Zeppelin?
R. Sim, mas também com experiências dramáticas. Sofri um acidente de carro muito grave; perdi um filho de cinco anos... Não fiquei apegado ao país das maravilhas; não acredito que seja possível se esconder da realidade... Mas, de repente, você se torna mais consciente de seu talento, do que consegue fazer e do que não. Compreendi que não podia ser apenas um cantor, que tinha de ser algo mais para me estimular mesmo. Não espero que ninguém o faça por mim.

P. Sua voz, escolhida em várias ocasiões como uma das melhores da história do rock, continua intacta. Não me diga que toma mel antes de deitar-se?
R. Claro que sim. Mel, limão e gengibre toda noite. Mas também estou com um grupo que deixa espaço para que eu me expresse e eu deixo espaço para que eles cresçam, por isso posso visitar velhas canções e mudá-las de cima a baixo. Ainda são incríveis, mas aparecem de diferentes ângulos, com outra energia, e isso faz cantar com esse dinamismo. Quando você chega a determinado ponto da vida, precisa dar sentido ao que diz. E precisa saber repeti-lo com a mesma energia sempre, precisa ser crível. Precisa conquistar as pessoas.

P. Dezesseis apresentações em oito países só em julho. Muito para seu corpo?
R. Não, esta é uma das turnês fáceis. Não é o trabalho de um herói, é o trabalho de um pragmático. Se demorar muito entre um show e outro, você perde a motivação, o ritmo, a adrenalina das apresentações. Esta é uma turnê tranquila, mas como obviamente não sou mais jovem, para mim está bom assim.

P. O formato atual dos festivais é muito diferente de uma apresentação exclusiva para seus fãs. É mais complicado se conectar com o público.



R. É verdade que em festivais onde há tanta mistura de grupos, as pessoas muitas vezes não conhecem essa música. É preciso entender quem está ali na frente. É como um mágico que vai tirando os elementos da cartola. Com o Sensational Space Shifters cada um faz seu papel.

P. Entre o rock duro do Led Zeppelin e a sensibilidade do Raising Sand com Alice Krauss há vários mundos. Como se chega a essa transformação?
R. Um dia meus filhos me disseram: “Pai, você vem para Ibiza?”, e eu respondi: “Não, vou a Louisiana”. Minha obsessão é encontrar os rastros da história da música norte-americana, a música cajun, tipo Bon Ton Roulá, as últimos sombras desse black blues extraordinário que se fez nos anos 1940 e 1950, Carl Perkins, música dos montes Apalaches, e juntar com sons mais contemporâneos. Você tem um tecladista como o do Massive Attack e um cara que toca um violino de uma só corda. Consegue uma colisão, não está compondo aquela merda de música bonita, mas uma colisão incrível.

P. O que resta do seu lado inglês?
R. Quando fui à América, bebi daquela música afro-americana, voltei e deixei de lado os ingleses, a pobre, velha e esgotada Inglaterra, com todos os seus pecados e seus ridículos. Deixei o chá das cinco, o futebol e voltei a trabalhar neste projeto com a Sensational, onde misturamos tudo.

P. Um grande salto, em todo caso...
R. Veja só, eu posso fazer coisas muito diferentes e trabalhar em qualquer parte do mundo. Não dá para trazer a Alice Krauss a um festival que reúne uma multidão e tocar música de violino, seria perigoso. Isto é energia pura; mas nós trabalhamos muito bem juntos. Eu gosto de cantar com mulheres.

P. Todo artista luta entre duas forças antagônicas: continuar fazendo o que pedem os fãs ou entrar no desconhecido. Como lida com isso?
R. É verdade. O mais importante é a criatividade; a autossatisfação vem em primeiro lugar; o público é só um voyeur. Pode olhar e ficar com o que vê ou deixar para lá. Um artista precisa ser honesto e poderoso e precisa misturar. Conheço, e é muito triste, muita gente famosa que me diz “Robert, você pode fazer isso, você é livre”‘. E é verdade.

P. Sempre foi livre?
R. Fui livre durante os últimos 36 anos [desde a separação do Led Zeppelin em 1980], quando comecei a estabelecer minhas próprias regras.

P. Há anos lhe ofereceram um cheque de 200 milhões de dólares para fazer uma turnê com o Led Zeppelin e você recusou; mas não se recusa a cantar músicas de seu antigo grupo.
R. Claro, fiz um bom trabalho no Led Zeppelin. Eu sou Led Zeppelin, cantei, escrevi as letras...

P. Há algumas semanas foi absolvido de plágio pela emblemática Stairway to Heaven...
R. Foi uma loucura, uma insanidade, uma tremenda perda de tempo. Existem doze notas fundamentais na música ocidental, e você se dedica a movê-las. Não precisávamos ter chegado aos tribunais, mas era nossa música. Falei com o Jimmy [Page, coautor da música] e dissemos: “Vamos enfrentá-los”. Se você não defender seus direitos, o que vai fazer? Nunca imagina que vai passar por isso. Você se senta de um lado da colina, olha as montanhas, escreve uma música e 45 anos depois saem com essa. Deus do céu!


P. Como lida com a Internet, a pirataria...?
R. Não me importo com a pirataria. Faz parte de como tudo está se abrindo. Adoro o desconhecido e a Internet ajuda porque permite descobrir coisas que você não vai ouvir no rádio nem na mídia internacional; música dark, muito bonita, que você não vai escrever porque é underground, e aí começou o Led Zeppelin. A pirataria não é o fim do mundo.

P. Mas não pagam?
R. Hehehe, eu já fui pago. Agora meu pagamento é sentir-me bem com o que faço. Certamente, para mim, é fácil dizê-lo.
Por
Javier Martín

domingo, julho 10, 2016

SHOWS DA SEMANA: ALMIR SATER EM MINAS GERAIS

"A escola mineira é muito importante, eu gosto muito de tocar aqui, por isso que a gente vibra" – afirma Almir Sater. O violeiro desembarca em Minas para duas apresentações inesquecíveis, neste fim de semana. Ele sobe ao palco no dia (14) em Belo Horizonte – Palácio das Artes e (15) em Ipatinga- Centro Cultural Usiminas, acompanhado de sua banda magistral. 

Sater fará releituras de seus sucessos mais marcantes: "Trem do Pantanal" e as clássicas "Um Violeiro Toca", "Tocando em Frente" e "Chalana". O Show mescla com o último CD solo 7 Sinais, e o mais recente “AR” em parceria com Renato Teixeira, que tem encantado o público e fãs no geral. Gravado entre o Brasil e Nashville (EUA), com produção do norte-americano Eric Silver, o álbum traz 10 músicas inéditas compostas por eles, e agraciados como Melhor dupla regional no 27º Prêmio de Música Brasileira de 2016.

Canções como Bicho Feio, D De Destino que abre o disco não deverão faltar e sem deixar de lado a técnica ímpar e o magistral toque de viola, indispensável nas suas apresentações, que o tornou consagrado. Além destas, Almir Sater tem surpreendido o público ao cantar a inédita “Assim Os Dias Passarão”, homenagem que virou póstuma, ao também sul-mato-grossense, compositor e amigo Geraldo Roca, material que deverá fazer parte do novo CD em 2017.



O músico também não dispensa o violão folk de 12 cordas, que alternados, produzem um espetáculo original e de primeira qualidade. E o resultado é único, ao mesmo tempo reflete traços populares e eruditos, despertando atenção de públicos diversos.

SERVIÇO:

Os ingressos para BH estão disponíveis pela internet, através do site www.ingresso.com ou sem taxa de conveniência na Bilheteria do Palácio das Artes: De segunda-feira a sábado, das 10h às 21h e aos domingos e feriados, das 14h às 20h.
Mais informações: (31) 4003-2330.

Ingressos para Ipatinga, através de Venda Online: www.ingressorapido.com.br
Ponto de Venda Sem Taxa de Conveniência: Bilheteria do Centro Cultural Usiminas. Endereço: Avenida Pedro Linhares Gomes, 3900 Shopping do Vale – Horário de Funcionamento: Terça a Sábado das 12h00 as 16h00 e das 17h00 as 20H30.

Sem dúvida duas apresentações imperdíveis e que agradam todas as gerações.

sexta-feira, julho 08, 2016

"AR" DE ALMIR SATER E RENATO TEIXEIRA PARA OUVIR DE OLHOS FECHADOS

Em Dezembro (11) do ano passado, Almir Sater e Renato Teixeira despontaram com a grande novidade de fim de ano, ao lançar nas plataformas digitais o mais novo CD “AR” e leva as iniciais dos seus nomes. 

Apesar de amigos e parceiros musicais, é a primeira vez que eles lançam um CD juntos. Gravado entre o Brasil e Nashville (EUA), com produção do norte-americano Eric Silver, o álbum traz 10 músicas inéditas compostas por eles, e agraciados no 27º Prêmio de Música Brasileira de 2016, como melhor dupla regional.  



AR – Disponível nas plataformas digitais: https://umusicbrazil.lnk.to/DDeDestino  e nas Melhores Lojas e Sites virtuais.


Um trabalho ousado e inovador, que navega pelas vertentes do Country ao Folk, sem perder sua essência, agregando ao purismo da música caipira e seus ritmos genuínos. Como eles afirmam em uma das canções: Viver além das fronteiras.

Cada vez mais seguros em suas trajetórias, Almir e Renato em belos duetos de vozes reavivam a nossa alma, para aqueles tempos idos, onde falar de amor, lealdade e natureza ainda valem muito a pena. Um verdadeiro elixir para os tempos difíceis em que vivemos.

Sem dúvida, um disco ímpar e contagiante que agrada em cheio todas as gerações. Com distribuição pela gigante  Universal Music , início do ano, através do Selo Som de Gringo, o disco já se encontra à venda, nas plataformas digitais, nas melhores lojas e sites virtuais, entre os mais procurados.
 

Título: Almir Sater e Renato Teixeira - AR
Faixas:
1. D De Destino
2. Espelho D'Água
3. A Primeira Vez
4. A Flor Que A Gente Assopra
5. Juro
6. Bicho Feio
7. O Amor Tem Muitas Maneiras
8. Peixe Frito
9. Amor Leva Eu
10. Noite Dos Sinos