Mostrando postagens com marcador festival. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador festival. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Almir Sater se apresenta no Festival de Música de Cruzília


O Compositor, Cantor e Instrumentista, o violeiro Almir Sater é a atração do 35° FESTIVAL DE MÚSICA DE CRUZÍLIA – evento tradicional  a ser realizado a partir de amanhã ( 29) e encerra dia (31) no domingo. O Artista se apresenta neste sábado (30) com acesso livre para o público em geral, em praça pública. 
A cidade com quase 15 mil habitantes é conhecida nacionalmente pelos queijos deliciosos e pela recepção calorosa com os turistas e visitantes. Em 2015, venceu o Concurso Nacional de Produtos Lácteos no quesito, Destaque Especial.


Além da fama pela fabricação de queijos, as fazendas são centenárias, inclusive o nome se deve à encruzilhada, que ligavam o caminho velho da Estrada Real (via aberta oficialmente pela Coroa Portuguesa para ligar o litoral fluminense à região produtora de ouro no interior de Minas Gerais). Também considerada o berço das criações dos Cavalos Mangalarga e Mangalarga Marchador.

                                                                                                                        Foto: Ralph M. Giesbrecht.
Como se fosse - no quintal de casa.
Cercada pelo cenário bucólico, aconchegante, carregados de mistérios e simplicidade, que a viola de 10 cordas de Almir Sater entoará suas belas canções no palco instalado na Praça Monsenhor João Câncio, no centro da cidade.                                                 
                         Imagem: Oswaldo Buzzo - Praça de Cruzília/MG.
O Músico fará releituras de suas consagradas canções como “Trem do Pantanal”, “Tocando em Frente”, “Peão”, “Chalana” entre elas, e do mais recente CD “AR” gravado em parceria com Renato Teixeira. Canções como “D De Destino”, “Bicho Feio”, “Noite de Sinos” e “Peixe Frito” estão inclusas no repertório do show do artista. Sem deixar de lado o toque ímpar da viola que o tornou consagrado e suas belas instrumentais.
                                      Foto: encarte CD “AR” – Eduardo Galeno/ Agencia Produtora. 
Entre violas, violões intercalados com os  “causos” pantaneiros, as novas canções vêm de encontro ao folclore, lendas e mistérios que a cidade guarda a 7 chaves, sobre a receita do tão famoso queijo – intitulado “A Lenda” e  farão do espetáculo e aos presentes, sem dúvida, uma noite memorável. 


Para ouvir e comprar o CD "AR" - disponível nas plataformas digitais ou CD físico nas Melhores Lojas.
Saber mais sobre a imponente cidade Cruzília: a cidade dos queijos deliciosos | Vida sem Paredes

Serviço:
Show Almir Sater e Banda.
Sábado, 30/07/2016, às 20h00
Praça Monsenhor João Câncio, Cruzília - MG
Ingressos: Entrada livre.

sexta-feira, 29 de maio de 2015

LULA BARBOSA AGITA FESTIVAL DE GASTRONOMIA EM PASSA QUATRO


(Foto: Clio Luconi)

 Entre amigos musicais!.

Passa Quatro em Minas Gerais, recebe o músico, cantor e compositor Lula Barbosa, no show " Cantar e Viver ", para o VII Festival de Gastronomia - Passa Quatro Gourmet, nesta sexta 29 de Maio. 



Durante quatro dias, de 28 a 31 de Maio, os produtores e comerciantes locais se reúnem na cidade gastronômica do Passa Quatro Gourmet para apresentar seus pratos, receitas e produtos típicos da culinária mineira, sempre ao som de boa música, em um ambiente familiar.


Com mais de 30 anos de carreira, Lula Barbosa, revisita clássicos da MPB, além de cantar suas composições, mais de 500, e já foram gravadas por nomes ilustres da música brasileira, entre eles, Fábio Jr (Desejos e delírios) Jessé, Célia, Jane Duboc, Christian e Ralph, Jair Rodrigues, O Terço, Sérgio Reis, bem como de internacionais: Tania Libertad (México), Pedro Fernández (México), Amaya (Espanha).

O Artista será acompanhado pelos músicos, que agitam a noite paulistana em grande estilo: Leandro Martins (Bateria), Pichu Borrelli (Teclado) e Sergio Bello (baixo).
O Show está previsto para às 22h00. 

O Festival está sendo realizado na Praça de Eventos -  na Avenida Coronel Ribeiro Pereira.
Maiores Informações pelo telefone: (035) 3371-4312.

domingo, 21 de setembro de 2014

Santiago Lima | fã de Almir Sater leva a melhor em Festival Sertanejo no SBT

"É preciso amor pra poder pulsar"
Santiago Lima, assim como Almir Sater coloca a alma em suas canções, sem deixar a simplicidade do lado. E não deu outra, na estreia do novo programa Festival Sertanejo, pelo SBT, hoje 20, com os ícones Chitãozinho e Xororó, venceu os 2 duelos.

E como não poderia deixar de ser, ele cantou um das mais belas canções de Almir Sater e Renato Teixeira, a música considerada um "hino motivacional", Tocando em Frente. E em seguida, os 2 desafiantes cantaram a mesma música Nuvem de Lágrimas.
Merecida vitória e feliz a escolha para homenagear Almir Sater, um dos mais completos da música brasileira.
De mais de 30 mil inscritos, Santiago ficou entre os 14 selecionados, para disputar a tão sonhada vaga no programa.
Assista emocionante apresentação que culminou com a vitória do cantor.


Para lembrar sobre Santiago Lima, em 07 de Julho, 
compartilhei na Página o vídeo onde ele canta para Almir que faz inclusive a 2 voz, o incentivando.. e já tivemos quase 300 mil acessos...
"É Bonito ser simples" | Encontro emocionante de Santiago e seu ídolo Almir Sater.

sábado, 16 de agosto de 2014

15.000 pessoas prestigiam Almir Sater em Olímpia, SP .

  15.000 pessoas marcaram presença em show do Almir Sater em Festival no Interior de SP.
                                                                   
Foi assim que ouvi dizer no jornal local, cerca de quinze mil pessoas presentes no show de Almir Sater, nesta sexta-feira, 15, em Olímpia, SP, durante 50º Festival do Folclore. 
O  Show este que começou quase 0h00, mas que não foi empecilho para afugentar o público nem mesmo o virtual, da tão esperada apresentação do artista. 

— Não entendeu? — eu explico, sim, os internautas, os fãs e admiradores do Almir Sater ♬♬(◦'⌣'◦)♬♬ também tiveram a oportunidade de assistir "ao Vivo" e em tempo real, o showzaço do músico, através do Canal www.tvolimpia.com

 —O que eu vi? — Vi um show de um Almir Sater descontraído e puramente artístico.  E até "surpresa" de que não deixou a tal famigerada Chalana para o quase final... atendeu logo no início o pedido de fã.








O artista interpretou seus sucessos e os mais conhecidos e das trilhas de novelas: Tocando em Frente, Peão, Cabecinha no Ombro e Chalana, naturalmente. Cantou, tocou e encantou com Kikiô, Doma, o desafio de Toque de Viola. Uma banda como sempre, competente e redondinha acompanhava o músico, enaltecendo ainda mais o show e as canções. 
E, por fim, tudo que é bom tem prazo de validade para terminar, deixou em mim, um gosto de quero mais e se "coçando" de vontade  para ir aos próximos shows. 
Almir Sater é assim, um show feito de simplicidade, sons de violas, violões, baixo e acordeon que se completam, sem parafernálias, mas que juntos "crescem" e dão um toque especial em cada apresentação. Talvez o segredo deste artista seja este, a originalidade. 

As imagens registradas
da Fefol 50 Anos Show Almir Sater são do Diário de Olímpia.com — Fotos de Cristiane Gracindo, para o Blog do Concon, " Cultura e Lazer" Coluna do Jornalista
Leonardo Concon 




 











 

sábado, 9 de agosto de 2014

ALMIR SATER ROUBA A CENA NO FESTIVAL DE INVERNO SESC TERESÓPOLIS


A emoção e o talento de um grande artista

                       
Fonte: Portal Terê
Teresópolis, 08/08/2014
-
Quem foi ao SESC Teresópolis, na noite dessa sexta, 08/08, teve a oportunidade de curtir o talento de um artista completo: Almir Sater, nascido em Campo Grande (MS) em 14 de novembro de 1956, com mais de 30 anos de carreira, é cantor, compositor, músico e ator.

Assista ao vídeo
Trechos do Show de Almir Sater (4min48s)


O Show, marcado para a quadra do SESC, às 21h30, começou pontualmente. Almir Sater interpretou seus grandes sucessos, acompanhado de músicos de qualidade. O Público cantou, se emocionou e espantou o frio da noite serrana em Teresópolis.

Diversas músicas do repertório do cantor recebem influência de ritmos como o blues e o rock, tornando a música tradicional do interior muito atraente para os mais diversos públicos e idades.

Confira no vídeo acima e nas fotos abaixo, cenas da quadra do SESC Teresópolis, em um dos últimos shows musicais do Festival de Inverno 2014, que termina no próximo domingo, 10/08.

Confira abaixo mais fotos do evento, que o Portal Terê traz para você:
Clique para ampliar - Foto: Portal Terê Clique para ampliar - Foto: Portal Terê Clique para ampliar - Foto: Portal Terê
Qualidade técnica e paixão nas canções de Almir Sater
Clique para ampliar - Foto: Portal Terê Clique para ampliar - Foto: Portal Terê Clique para ampliar - Foto: Portal Terê
Violas caipiras, violão, acordeão e baixo na apresentação que espantou o frio                                           


terça-feira, 5 de agosto de 2014

| 04/08/2014 | ENTREVISTA - Um pantaneiro na serra

04/08/2014
ENTREVISTA - Um pantaneiro na serra
Almir Sater fez show inesquecível no Festival Sesc de Inverno


Aos 57 anos, Almir Sater está em plena forma. Tocando como nunca, na última quinta-feira, 31, o músico fez uma apresentação para ficar na memória dos friburguenses. Com uma banda de cinco integrantes, que conta com dois violões — um, inclusive, tocado por seu irmão, Rodrigo Sater —, contrabaixo, acordeom e os vocais de Gisele Sater, também irmã do cantor, o músico mato-grossense fez um espetáculo contagiante de uma hora e meia. Sem intervalos, o músico misturou seus clássicos de raiz pantaneira com performances instrumentais. A quadra lotada do Sesc Nova Friburgo teve uma aula de quase duas horas de talento e competência musical, em uma mistura de virtuosismo e simplicidade.

Antes do show, Almir nos recebeu em seu camarim de forma gentil e despretensiosa, até nos oferecendo café. Após as apresentações, sentou-se em roda com os representantes da imprensa local, usando chapéu e bota, como se estivesse em sua fazenda, e falou de maneira descontraída por quase vinte minutos. Depois, subiu ao palco e fez uma grande apresentação. Confira abaixo a entrevista que A VOZ DA SERRA fez com o cantor.
Como está a música no Pantanal hoje? Para você, tem alguém artista novo que represente bem a música pantaneira?

Eu acho que anda meio sem graça. Eu sinto falta dos compositores, aquela pessoa que tira do nada alguma coisa que nos emocione. Alguém que pega um pedaço de papel e escreve uma poesia e você chora de emoção. Sinto falta desse tipo de gente, que foi abundante na década de 1960, 1970.

Como foi sua proximidade com o Grupo Água [grupo chileno de música andina que, na década de 1970, viajou pela América do Sul e gravou com vários artistas brasileiros]?

Eu toquei com eles só em casa, sem compromisso. Quando vieram para o Brasil, eles passaram por Campo Grande, então nós tocamos lá em uma chácara de amigos. Depois, quando foram pro Rio, eles ficaram na minha casa. Foi nessa época que eles conheceram o Milton [Nascimento]. Eles arrumaram de tocar na abertura de um show do [Jards] Macalé, nesse show eles se conheceram e depois gravaram o disco Geraes.

Eu gosto muito do som deles. É um som muito bonito, muito diferente. Sempre gostei dessa proximidade, dessa latinidade. Essa música que vem lá do altiplano andino eu acho muito especial, muito própria, muito bonita.

A música andina foi muito influente na sua carreira.

Sim, eu gosto muito desse som. Na época eu até comecei a tocar charango [instrumento de cordas tradicional da música andina, que, como a viola caipira, possui cinco pares de cordas]. Aprendi a tocar e cheguei a gravar com ele. Mas depois que ele quebrou, eu nunca mais encontrei um charango tão bom e acho que minha carreira de "charanguista” acabou ali.

E o Lírio Selvagem [banda dos músicos da família Espíndola], você também tocou com eles, não foi?

Sim, essa foi minha primeira apresentação profissional, à convite da Tetê e da Alzira. E eu aceitei, me apresentando como músico. Depois acabei entrando em estúdio, foi a primeira vez que gravei, inesquecível para mim.

Foi no disco do Lírio?

Na verdade não, o que eu participei foi o Piraretã. Porque logo depois que eu entrei o grupo meio que acabou; essa coisa de irmão é meio complicado [risos]. A gente começou a gravar como um disco do Lírio, mas acabou virando o primeiro disco solo da Tetê. Eu fiz alguns arranjos pro álbum também.

Você também gravou na sua carreira dois discos instrumentais, apesar das letras terem um papel essencial em suas músicas. Como você teve a ideia desse projeto?

Eu estava gravando um disco meu no estúdio Som da Gente, que tinha um selo instrumental, onde gravava um pessoal de jazz. Um dos donos do selo me fez o convite do disco instrumental, dizendo que gostava do som da minha viola e aí nós gravamos. Era uma gravadora pequena, então o primeiro disco foi mais de viola e violão. No segundo que eu pude sonhar um pouco mais alto, ter experiência com uma filarmônica, com cordas. Mas surgiu dessa liberdade, do dono da gravadora dizer: "Vai gravando”. 

Era um bom estúdio, que tinha um técnico maravilhoso, o Marcos Vinícius, que foi ele que gravou o disco, que conseguiu tirar o som da minha viola e me ajudou muito. Eu devo a ele esses dois álbuns.

Seu último disco e sua última atuação em novela foram em 2006. Existem alguma relação nisso?

Nesse caso, teve uma relação, sim. Porque eu estava com material pronto pra gravar o disco e aí me chamaram pra fazer a novela Bicho do Mato. Eu fiquei em dúvida e acabei optando por fazer. Então "abortei” o disco. Aí eles me pediram umas canções do disco e eu enviei umas quatro ou cinco para eles escolherem uma, e escolheram as cinco. Pegaram metade do meu disco, então eu fui às pressas e terminei de gravá-lo. E lancei. Até acho que poderia ter sido melhor esse disco, mas como estava naquele entusiasmo da novela, tendo que terminar o acabamento das canções para usarem na trilha, acabei finalizando o disco inteiro.

Você hoje sente falta de atuar? Qual foi seu papel favorito?

Não sinto falta nenhuma [risos]. O papel que gostei mais foi o do Cramulhão (na novela Pantanal), porque a gente ficava lá no Pantanal e gravava pouco. Eu não era o protagonista, então ficava pescando o tempo todo [risos]. Era muito feliz, a sensação era boa. Foi uma novela de muito sucesso, muito diferente, as pessoas estavam muito felizes com o resultado — e a felicidade contagia.

Você poderia falar um pouco do projeto Comitiva Esperança?

Foi uma época em que a gente tinha muito tempo livre e resolveu fazer uma viagem de 90 dias para conhecer um pouco da cultura pantaneira e também, por experiência própria, saber como era um pouco nosso isolamento, compor no isolamento. E aí fomos três músicos e três cineastas, a procura de alguma identidade que valeria a pena a viagem. E só o Pantanal já valia a viagem, a luz, o perfume das matas. 

Mas a gente não tinha como reproduzir isso. Então fizemos um média-metragem, em 16 mm, e não havia roteiro, foram só os dois olhos. Eu acabei compondo também algumas canções e hoje em dia fica a lembrança, fica de curiosidade para as outras pessoas. Foi bom viajar 90 dias a cavalo pelo Pantanal, sem rumo.

E hoje. Você faria essa viagem de novo?

Não dessa forma. Não com tanta gente. Porque nós viajamos assim, além dos seis artistas, eram mais três pessoas da equipe, somando nove no total. Eu viajaria hoje a duas pessoas, quieto, aí até toparia, sem máquina fotográfica, sem filmagem, só pelo passeio. Por que fazer filme é um negócio que dá trabalho, praticamente nós ficamos a disposição de carregar câmera, tripé, aquelas latas de filme.


Entrevista realizada pelo estagiário Lucas Vieira, sob orientação da chefia de redação
 Fonte:

terça-feira, 1 de março de 2011

Almir Sater em Araxá -MG - Abertura do Projeto ECOAR

Almir Sater e super Banda ao vivo ,na abertura oficial da temporada 2011 do Projeto ECOAR de Educação Ambiental, desenvolvido em escolas da rede pública de ensino.
Um show imperdível - faça parte desta história -e vamos ECOAR pelo planeta todo o nosso respeito ao meio ambiente desde agora.


Serviço:
Almir Sater e super banda ao vivo.
Data:25/03/11-sexta-feira
Abertura do Projeto Ecoar de Educação Ambiental
Cidade:Araxá-MG
Local: Grann Hall
Horas:23:00
Reservas: (34) 9108- 3978 ( João Batista) e (34) 88079143 (Elisângela).
Realização: Uirapurus Promoções.

"O dinheiro não é tudo a natureza é mais importante e se existe alguma coisa que é tão perfeita a semelhança de Deus é a natureza,acho perfeita..tudo se encaixa,então eu acho que tem que zelar mais por ela. - Almir Sater

"O mundo precisa de paz. As pessoas têm que cuidar melhor da natureza, para que as futuras gerações possam viver bem. Trate o mundo igual a gente trata a nossa casa,nosso quarto,o altar de nossa igreja,respeitar a terra como nosso santuário.Acho que é educação. A ecologia começa com a educação em casa" - Almir Sater.


"É BONITO SER SIMPLES"

domingo, 20 de abril de 2008

Fãs fazem lobbys na comu de Almir Sater para o Festival de Ilha Grande RJ


Desde março de 2.007, criamos um Tópico na comunidade principal do músico no orkut

http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=103658&tid=2524063842218694989&start=1

Tanto para o Festival de Ilha Grande como para o Festival Vale do Café em Vassouras. Creio que o ditado "Agua mole em pedra dura tanto bate até que fura", funcionou direitinho desta vez.

Pois tudo indica pelas informações que REALMENTE o Violeiro Almir Sater é um dos convidados para o Festival de Ilha Grande,em Junho, no RJ este ano.

Trata-se de um dos maiores festivais e pela imparcialidade com que aceitam os recados de nós, fãs de Almir Sater no site sugerindo a vinda do violeiro, é claro que merece todo o respeito da nossa comunidade e que o festival "bombe" sem parar. O Festival tem tudo a ver com nosso músico, trata de qualidade e ecologia, sendo que Sr. Sater é um cidadão de consciência social e ambiental.

Certamente, a presença do violeiro vem agregar de forma altamente positiva esse grandioso evento. Se depender de nós, os "marketeiros" de plantão, já está mais que "bombado", afinal os organizadores merecem e os fãs também. Fico feliz pela nossa irmandade e de saber que os lobbys fazem a diferença para e que o povo carioca terá essa bela oportunidade de apreciar o melhor som atemporal de Almir.



Eis alguns dos recados da nossa comunidade deixados no site do festival desde ano passado:
Déborah Resende-RJ
06/04/2007 Uma excelente sugestão para esse festival é Almir Sater!!!!!Seria maravilhoso ter essa mistura de Almir com Ilha Grande..

Flávia Assed Rio de Janeiro
05/04/2007-Para este festival bombar legal tem que ter nada mais nada menos que "O MAIOR VIOLEIRO DO MUNDO: A L M I R S A T E R .

Melissa Petropólis-RJ
04/04/2007 Gostaria e muito de ver Almir Sater além de ótimo cantor é defensor do meio ambiente.

Ana lisa Santos
03/04/2007 Gostaria muito de ver neste Festival o Almir Sater também.Seria completo.

João Angra dos Reis
31/03/2007- Eu gostaria muito é de ouvir Almir Sater neste festival.O cara toca muito e manda muito bem...Vamos diversificar,afinal tbm é um defensor ambiental...

Márcia Gabriel
São Paulo 31/03/2007 Sugestão para o Festival
Almir Sater e Banda.

Ney Lázari São Paulo -SP
07/04/2008 Gostaria de sugerir o show de Almir Sater para o festival,pois o artista tem tudo a ver com o tema do festival.

Eliana Maria
Paraná 01/04/2008 ALMIR E GABRIEL SATER -
É o que queremos no 11º Festival de Música e Ecologia -Pessoas que realmente valorizam suas raízes e preservam a natureza.

Arminda Louvado
Rio de Janeiro 05/04/2008
Oi gente !Fiquei sabendo do Festival de Musíca programado para Junho ,
gostaria de sugerir a presença do cator Almir Sater nessa festa .
Seria para mim um enorme presente de aniversário ...Grata!

terça-feira, 21 de agosto de 2007

Almir Sater fecha com chave de Ouro o Festival América do Sul






Nem o frio, o vento forte que soprou por lá.. fez o povo parar de cantar e prestigiar nosso violeiro Almir Sater.  O Músico apresentou grandes sucessos de sua carreira como ‘Trem do Pantanal’, ‘Chalana’, ‘Um violeiro toca’, ‘Tocando em Frente’ entre outros.

A apresentação durou cerca de 1h30, Almir com sua voz mansa e jeito tímido agradou aos fãs que a cada música vibravam. Almir elogiou o público que cantou várias músicas em coro. “Muito afinado nosso povo”, disse Sater.

Rodrigo Sater e Gisele Sater, irmãos de Almir que participam da banda também executaram canções agradando o público presente. Milhares de pessoas, estiveram no último show do Festival deixando todos com gostinho de bis. Almir encerrou o show cantando ‘Comitiva Esperança’.
Assista o vídeo para ver ouvir e se encantar com a energia e alto astral do músico Almir Sater cantando "comitiva esperança".

Link direto:
http://br.youtube.com/watch?v=9CqvtIA7DPM

Trem do Pantanal
http://br.youtube.com/watch?v=zityTHYdSQQ

Isso me fez lembrar de um poema lindo que a Crys, fã de Almir Sater outro dia postou na comunidade para mim.

Sobre o quanto o violeiro faz a diferença na música e com sua sensibilidade consegue fazer com que seus súditos sejam sempre fiéis admiradores, a vibração, energia e carisma deste artista, faz com que cada dia mais aumente a legião de fãs e apreciadores do seu velho e novo som o tal de ROCK RURAL, o FOLK BRASILEIRO, que vem da fonte de Bob Dylam também.

LOIRA PRA VC...
QUANDO UM VIOLEIRO TOCA...
CRYS - AG/2007

UMA FOGUEIRA ARDENTE NO PASTO,
BANQUINHOS E TRONCOS PARA SENTAR,
UM CAFEZINHO SENDO COADO NA HORA.
UMA LUA PLENA, ILUMINANDO A VIDA,
VIDAS UNIDAS, CONVERSAS A ROLAR.
EIS QUE UMA VIOLA SURGE E ALGUÉM
A AFINA, SEU SOM ROMPRE AS CONVERSAS,
AS VOZES SE CALAM, OS CORAÇÕES
SE TRANQUILIZAM, A CHAMA ARDE MAIS
FORTE, A LUA OBSERVA DE LONGE...
É QUANDO UM VIOLEIRO TOCA CANÇÕES
DE VIDA...
ALEGRIAS E MÁGOAS, SAUDADES E DOR,
AMOR E TRABALHO, FAMÍLIA E AMIZADES...
TUDO VIRA TEMA, TUDO SE REVELA, TUDO É
SENTIDO...
LÁGRIMAS DE ALEGRIAS, CANTO EM CORO,
ALEGRIA FLUINDO, TRISREZA SE DECIPANDO.
QUANDO UM VIOLEIRO TOCA...
FECHAMOS OS OLHOS E SONHAMOS JUNTOS.
AO DEDILHAR DAS CORDAS, REFLETIMOS SOBRE
NÓS MESMOS, E NESSA CATARSE COLETIVA
VIVEMOS INÚMEROS SENTIMENTOS, ALGUNS
ATÉ REPRIMIDOS, OUTROS ESTÃO EXPLODINDO...
MAS QUÃO APAIXONANTE É ESSE MOMENTO,
QUE LINDOS POETAS SÃO ESSES VIOLEIROS,
QUE SENTEM COM A ALMA OS CONFLITOS
DA GENTE...
TROVADORES DO SERTÃO, ALMA CAIPIRA
QUE TOCA....AH! E COMO TOCA...
QUE NOITE ENCANTADA, ATÉ AS FADAS
ESPIAM EXTASIADAS, OS BICHOS QUIETOS
SÓ OUVEM...SERÁ QUE ENTEDEM?
EU CREIO QUE SIM.
MÚSICA QUANDO TEM ALMA TOCA QUALQUER
SER VIVO, ESSE MILAGRE É PARA POUCOS,
MAS UM BOM VIOLEIRO CONHECE A ALQUIMIA.
O MUNDO SE ALEGRA E EU AGRADEÇO A DEUS
POR TEM GENTE COMO ELES ASSIM NESTA TERRA.
QUANDO UM VILEIRO TOCA...
OUÇAM, REFLITAM, SE DEIXE LEVAR, POIS CREIAM
QUE EMOÇÃO MAIOR NÃO HÁ...


Ave Sater !!!!

Reportagem e fotos extraída do site www.corumbaonline.com.br
poema cedida gentilmente pela fã da Comunidade Crys.