Loira do bem ∞ : 07/14/13

domingo, 14 de julho de 2013

É bonito ser simples já somos mais de 80.000


—Cara...ca .".É BONITO SER SIMPLES "Já somos 80.258 ... Blessed Be ( Abençoados seja)..
E as cidades de maiores acessos esse mês... 
Muito Obrigada e verdade seja dita, o NORDESTE, está merecendo uma turnê de Almir Sater e super Banda, Salvador e Fortaleza, tem sido acessos constantes na Página;
 —Cidades DE MAIS ACESSOS NA PAGINA:
7.341 São Paulo
— 1.973 Rio de Janeiro
— 1.819 Curitiba— 
1.800Campo Grande (Mato Grosso do Sul) 
—1.717 Belo Horizonte
 —1.625Brasília, Distrito Federal 
—1.247 —Goiânia
— 818 Porto Alegre, Rio Grande do Sul 
—756 Campinas, São Paulo
— 580 Londrina
— 569 São José dos Campos, São Paulo 
—551 Salvador
— 538 Cuiabá
— 514 Fortaleza
— 514 Ribeirão Preto, São Paulo 
488 —São Bernardo do Campo, São Paulo
— 486 Santo André, São Paulo
 —479 Uberaba 
 —450 Florianópolis, Santa Catarina
— 444 Uberlândia —  e muito mais....
é do "Oiapoque ao chuí"  vem ..Juntos somos Mais...
SEJAM TODOS BEM VINDOS !!!. "Se tem Almir Sater tem emoção". postado by Loira Dobem



"É Bonito ser Simples" Release Almir Sater. Almir Sater é um exímio violeiro, compositor, cantor e instrumentista brasileiro, nascido em Campo Grande, MS, em 1956. Desde 12 anos já tocava viola, gostava do mato e dos sons da natureza; Aos vinte anos, mudou-se para o Rio de Janeiro, para estudar Dire...
página: 80.398 curtiram isso
Nota: Quando eu postei no facebook, éramos 80.258, agora em tempo real já somos 80.398, quem semeia, aduba, planta o que colhe e com frutos vindouros..
Blessed Be !!!.

Sociólogo diz que protestos podem voltar mais fortes e incontroláveis. Saiba por que razão.

Assim espero.. que não sejamos conformistas e nem optamos pelo conformismo.
by Loira Dobem.


Boaventura de Sousa Santos (foto ao lado)  aponta a insatisfação popular como fruto da expansão da classe média brasileira, que ficou mais exigente. Para ele, só uma reforma política profunda pode evitar que povo volte às ruas. A entrevistam foi concedida para a Deutsche Welle:
Os protestos no Brasil perderam intensidade, mas, se o governo não der uma resposta rápida às reivindicações do povo, podem voltar ainda mais fortes – e de forma incontrolável. O alerta é do português Boaventura de Sousa Santos, doutor em sociologia pela Universidade de Yale (EUA) e diretor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (Portugal).
Autor de estudos sobre emancipação social, direitos coletivos e democracia participativa, ele vê a onda de indignação que tomou as ruas do país como fruto das mudanças vividas pela sociedade brasileira nas últimas décadas. A classe média, afirma, cresceu e com ela as demandas dos cidadãos por melhores serviços públicos ganharam força.

Para Boaventura, o Congresso está “divorciado das prioridades dos cidadãos” e, por isso, uma reforma política se faz necessária. “Há medidas de emergência que têm de ser tomadas, mas nada disso é possível se não houver uma reforma política profunda. Neste momento todo o sistema político tende a perverter e a inverter as suas prioridades”, afirma em entrevista à DW Brasil.

Deutsche Welle: Como o senhor avalia a onda de protestos?
As manifestações foram uma surpresa tanto no plano interno como no plano internacional. Tudo levava a crer que tudo no Brasil estava indo bem. Internamente, os próprios partidos, especialmente o do governo, foram apanhados de surpresa. O que foi surpresa foi o motivo para que a explosão ocorresse. Havia um mal-estar, e ele resulta do êxito das políticas que foram instituídas no Brasil a partir de 2003 [quando Lula assumiu o poder] e que fizeram com que 40 milhões de pessoas entrassem para a classe média.

Protestos foram realizados em cidades brasileiras e no exterior.
Elas criaram expectativas não só no que diz respeito à sua vida, mas também ao modo como se posicionam na sociedade, ao modo como usam os serviços públicos.