sexta-feira, 18 de junho de 2010

Almir Sater - É bonito ser simples




*foto enviada por Lennys, 11/06 Show Sesc Piracicaba.

Almir Eduardo Melke Sater é pantaneiro, natural de Campo Grande/ MS. Desistiu da faculdade de Direito no Rio de Janeiro para se tornar um violeiro.

No início da década de 1980 fez alguns shows com o grupo Lírio Selvagem, de Tetê Espíndola.

Mas a viola era a sua vocação e o primeiro disco veio em 81, com a participação de Tião Carreiro. Em 84, com a Comitiva Esperança, percorreu mais de mil quilômetros pelo Pantanal onde pesquisou os costumes e a música do povo pantaneiro. Daí para os discos solo instrumentais foi um pulo.

Apesar de já ser um músico bem conceituado no meio artístico, Almir Sater tornou-se conhecido no Brasil por sua participação como ator nas novelas Pantanal, A História de Ana Raio e Zé Trovão, ambas pela extinta TV Manchete, e o Rei do Gado da TV Globo.

A televisão deu visibilidade à sua imagem, mas o violeiro não tem planos de voltar para a telinha. Quer viver da sua música e das suas violas.

Em Campo Grande, onde vive, consegue também se dedicar à agroecologia.

Na associação de agricultores do local, há a troca de mercadorias, uma prática que o cantor defende e participa. “Planto para subsistência, mas adoro o escambo, pois a primeira moeda que existiu foi a troca”.

Por também ser agricultor, sabe das dificuldades de se manter uma atividade promissora e sustentável: “Agricultor parece que veio para sofrer no mundo.

Quanto o tempo é bom, o preço cai. Quando o tempo é ruim, se perde o que plantou.” Mas na sua simplicidade, acredita na mudança. “Não sei se é possível subverter o capitalismo, mas deveríamos tentar”.

Pai dedicado, Almir Sater saiu da tranqüilidade de sua casa Murundu à beira do rio, no Mato Grosso do Sul, para que “os meninos” tivessem mais oportunidades para estudar. “Saí da beira do rio por obrigação de pai. Era uma opção minha, não podia impor isso aos meus filhos.”

 Hoje os adolescentes também se dedicam à música. “O exemplo vem de casa”, comenta satisfeito, já que além do pai, os avós também eram violeiros e cantores.

Enquanto moraram no campo, criaram um projeto de educação rural para as crianças da região. A escola era um dos motivos que tirava o cantor da sua vida simples: tocar Brasil a fora lhe dava os recursos para manter o projeto.

Almir Sater é sempre lembrado como um artista do povo, que canta a alma rural e que faz suas violas transmitirem sentimento como poucos. “A música emana do povo e a viola sempre teve um espaço cativo. Têm violas com vários sotaques. Como é o povo brasileiro”.

Entrevista retirada da fonte: http://www.primeiroplano.org.br/index.asp?dep=7&pg=458

Almir Sater participa da gravação do programa viola minha viola

Com convites distribuídos gratuitamente  e esgotados com bastante antecedência,o violeiro Almir Sater,participou,como um dos convidados, para a gravação doViola Minha Viola,da Inezita Barroso,na comemoração dos 30 anos de programa,durante evento realizado dia 16/06,quarta-feira no Auditório do Ibirapuera.

No camarim, Inezita ganha beijo duplo de Almir Sater (à esq.) e Daniel (à dir.) - (Foto: Julia Chequer/R7)










Como sempre,Almir Sater,deu um show à parte,tocou ,cantou e encantou , os fãs que por lá estiveram,presenteando a  todos e em especial,a apresentadora,com duas músicas, uma instrumental,um chamamé,bem ao ritmo de suas raízes fronteiriças e finalizando sua apresentação com o hino pantaneiro,de Geraldo Rocca, Trem do Pantanal.

















O músico esteve acompanhado por parte de sua banda, destacando a presença do mestre Cristiano Kotlinski e o violonista Rodrigo Sater, que juntos,enalteceram uma vez mais a genialidade de sua música.

O programa está previsto para ir ao ar, pelo canal da TV Cultura, no próximo dia 27/06, domingo,às 9:00 horas da manhã e o reprise acontece no sábado seguinte, às 21:00 horas da noite.
Vida longa ao programa e a música brasileira,em especial a de Almir Sater.



















*as fotos foram retiradas do site http://www.uol.com.br/ e http://www.r7.com/