domingo, junho 20, 2010

Pitaco Social: Cada um de nós faça a sua parte -Trabalho responsável

A dimensão individual do trabalho responsável Por Ricardo Voltolini*

Ao seu estilo polêmico, a revista Time sugeriu, em matéria de capa publicada no final de 2005, que os ídolos podem ser levados a apoiar causas sociais por culpa, fé, sofrimento pessoal, reputação, autopromoção ou mesmo interesse político.

Opiniões controversas à parte, até mesmo a reportagem, quase sempre em tom crítico, reconheceu o que já se sabe há algum tempo sobre a força dos militantes famosos: dotados de carisma, credibilidade pública e uma aura muitas vezes mítica, eles têm o poder de turbinar as causas que abraçam, não apenas com a doação de recursos financeiros -- o que toda celebridade já fez um dia --, mas chamando a atenção para temas espinhosos em relação aos quais as pessoas tendem a ficar indiferentes. Goste-se ou não, aprove-se ou não a sua motivação, eles cumprem um papel social: são os arautos de uma nova ética, socialmente responsável, altruísta e engajada.

Entrevistado por Time, o cantor e compositor Peter Gabriel, co-fundador da ONG Witness, acha mais fácil ignorar o discurso compenetrado de Kofi Annan, ex-secretário geral da ONU, do que os apelos emocionais da bela atriz Angelina Jolie. E quem há de discordar disso? Dona de um belo e conhecido rosto, estrela maior de Hollywood, Jolie tem a exata consciência do poder de influência de suas atitudes. Sabe que, para o bem e para o mal, qualquer ato público seu desperta uma curiosidade planetária. Por isso, abusa dos gestos simbólicos e com forte significado humanitário.

Ao adotar um menino do Camboja e uma menina da Etiópia, ela não só fez o mundo inteiro prestar mais atenção à situação de miséria daqueles países, mas também provocou as pessoas a olhar as crianças sob risco social como se fossem seus próprios filhos. A atriz é embaixadora da boa vontade da ONU e, ao lado do marido, o também ator Brad Pitt, viaja o mundo a serviço de diferentes causas sociais.

O mesmo raciocínio vale para Bono Vox, da banda irlandesa U2, notável ícone pop da luta contra as injustiças sociais. Considerado um chato entre os que torcem o nariz para artistas engajados, Vox multiplica o prestígio de toda causa que apóia.

E elas são muitas. Quando não está nos palcos, ele pode ser visto em encontros importantes como o Fórum Econômico de Davos (Suíça), ou à frente de ações pela paz, meio ambiente e igualdade étnica. Sua marca pessoal, permanentemente em alta, é objeto de concorrência entre instituições e estadistas de todo mundo.

Pode-se acusar Jolie e Vox de autopromoção. E até há quem o faça pelo vício de julgar. Mas em um mundo de holofotes, no qual a informação circula na velocidade da luz, eles entenderam que a fama mundial impõe uma responsabilidade social do mesmo tamanho. E a exercem usando o melhor do seu patrimônio: uma imagem poderosa capaz de atrair as câmeras na direção de tudo o que apontem com o dedo.

Segundo a reportagem da Time, pouca coisa importa no mundo globalizado 'se não houver uma câmera apontada'. Para a revista, o ativismo de um pop star pode até soar como algo ridículo. Mas apenas porque ele nos lembra que nós o somos também na medida que perdemos tempo com assuntos menos importantes, ignorando questões que são de vida ou morte para outras pessoas.

A matéria alerta ainda para certa 'apatia' da população, que se contenta em criticar os ídolos engajados, em vez de assumir um comportamento socialmente mais responsável.
A despeito de um tanto genérico, o puxão de orelhas faz algum sentido.
E vale também não só a cobranças feitas aos ídolos mas também a empresas socialmente responsáveis. Com o crescimento do movimento de responsabilidade social empresarial no Brasil, as pessoas tendem a ficar mais exigentes e vigilantes em relação ao comportamento das corporações. Este é um movimento saudável, útil e necessário. Bom para todo mundo, pois gera um ciclo virtuoso.


Mas vale refletir: até que ponto cada pessoa faz a sua parte, na condição de profissional, consumidor e cidadão, para, por exemplo, reduzir impactos ambientais, doar tempo e conhecimento a projetos comunitários, punir empresas pouco éticas deixando de comprar seus produtos e estabelecer relações transparentes com todas as 'partes interessadas' de sua vida.

Antes de projetar no outro - o ídolo, a empresa, os governos - o desejo de que façam o que, a rigor, não estamos fazendo, por inércia ou comodismo, importa compreender que a responsabilidade social tem também um componente individual.

Só funcionários compromissados formam uma empresa socialmente responsável. Só consumidores conscientes, convictos do seu papel, retroalimentam, na ponta, o ciclo de responsabilidade social empresarial. Só cidadãos plenos ajudam construir uma sociedade melhor, com ídolos, governos e empresas melhores.

* Ricardo Voltolini é diretor de redação da revista IdéiaSocial e consultor da Oficio Social.














Angelina Jolie,que é embaixadora da Boa Vontade da ONU,durante visita ,nesta quinta-feira,17/06/10,a um centro de refugiados colombianos no Equador. A atriz esteve em Sucumbíos, fronteira do país com a Colômbia, e conversou com vítimas de violência doméstica e sexual.

fonte: http://noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2010/06/18/angelina-jolie-visita-refugiados-no-equador.jhtm

Reflexão:*
Podemos não ter autonomia para mudar tal comportamento,fato, coisas ou pessoas, mas temos a obrigação de não compactuar com elas " .Viva Angelina e todos os de boa vontade !!!

E como diz a própria canção de Almir Sater e Paulo Simões ....
"se um dia restar meu silêncio.....

Dentro de mim há uma voz que não se cala ...

"Na primeira noite, eles se aproximam e colhem uma flor de nosso jardim. E não dizemos nada. Na segunda noite, já não se escondem, pisam as flores, matam nosso cão. E não dizemos nada. Até que um dia, o mais frágil deles, entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E porque não dissemos nada, já não podemos dizer nada. [ Maiakovski]

Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar... [Martin Niemöller, símbolo da resistência aos nazistas escreveu em 1.933]

"Se não houver frutos, valeu a beleza das flores; se não houver flores, valeu a sombra das folhas; se não houver folhas, valeu a intenção da semente." (frase atribuída a Henfil).

"Aqui estão os loucos. Os desajustados. Os rebeldes. Os criadores de caso. Os pinos redondos nos buracos quadrados. Aqueles que vêem as coisas de forma diferente. Eles não curtem regras. E não respeitam o status quo. Você pode citá-los, discordar deles, glorificá-los ou caluniá-los. Mas a única coisa que você não pode fazer é ignorá-los. Porque eles mudam as coisas. Empurram a raça humana para a frente. E, enquanto alguns os vêem como loucos, nós os vemos como geniais. Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam."

[Jack Kerouac]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu pitaco é muito importante, mas lembre-se feedback assertivo é uma forma inteligente de interação, além de evitar futuros aborrecimentos.