quinta-feira, abril 27, 2017

VIVER EM CONDOMÍNIO EXIGE BOM SENSO

Morar em condomínio exige algumas regras básicas: tolerância, jogo de cintura e bom senso, pois “Condomínio” significa “propriedade comum”. A propriedade, portanto, possui vários donos – chamados de coproprietários ou condôminos - e formam um grupo. São pessoas diferentes compartilhando os mesmos espaços. O comportamento cordial e altruísta melhora, e muito, a qualidade de vida de todo o conjunto de condôminos

No entanto, essa consciência de limite e espaço é para poucos, na boca de ‘quase’ todos seja proprietário ou inquilino, quando estão envolvidos em algo que vão atingi-los, a resposta é o jargão pobre “pago condomínio em dia”. Infelizmente esquecemos que “o direito de um termina quando começa o do outro”, e que a propriedade está no limite do seu espaço privado. Então, não cabe justificar atitudes antissociais e tendenciosas, do tipo ‘pagam o condomínio em dia’, que é o “rateio mensal de todas as despesas assumidas em conjunto”, e que todos os demais também arcam e pagam.
Trata-se de um compromisso moral e não o passaporte para liberdades egoístas, ações que vão de alguma forma tumultuar o ambiente por capricho, falta de educação ou excesso de vaidade e ego. Quando uma pessoa se justifica dessa forma os seus excessos, demonstra ser grosseira e soberba de má educação e formação, das quais acha que o mundo gira em torno do seu umbigo, não saiu ainda do estado de “criança mimada” onde suas vontades devem ser sempre satisfeitas e aceitas e sem  nenhuma consideração alheia. Morar em condomínio exige civilidade, empatia e atitudes sensatas, indispensável que aja a efetiva colaboração de cada um.

Morar em prédio é diferente de morar em casa, temos que colocar os interesses coletivos em primeiro lugar, um dos caminhos para resolver os problemas comuns e inerentes ao convívio em condomínio. Para isso o respeito e bom senso devem vir antes do ego, individualidade e da arrogância, e humildade para repensar nossos atos, atitudes e nas situações que ajudam a formar sentimento de coletividade. Ao desrespeitar as normas de convivência, além da moral e dos bons costumes, comprometer o bem-estar de toda a comunidade, também fere a ética cristã (tudo aquilo que causa dor, sofrimento e constrangimento aos outros), não é coisa de Deus, é certo. E se agimos pela omissão "vista grossa" permite que outras pessoas ocupem nosso espaço, fortalecendo-se com ele e, muitas vezes, se impondo em detrimento de muitos que ficaram à margem e excluídos totalmente do processo decisório.

Então, sejamos os fazedores da harmonia, boa convivência e coerentes entre o agir e o falar. Viver em condomínio exige destreza, são para pessoas elegantes em atitudes, educação, bom senso, boas maneiras e que saibam se colocar no lugar dos outros, o dinheiro, objetos e adornos ficam em último lugar, são apenas adereços voláteis, traz segurança e 'respeito' social, mas de nada nos serve, sem qualidade e formação, enquanto indivíduo.
Baseado em fontes consultadas no Google sobre ' difícil arte de (con) viver em condomínios'.
Fotos - Internet Google.