quarta-feira, maio 03, 2017

VIDA DE INSETO E A REFLEXÃO SOBRE SISTEMA OPRESSOR



“A rebeldia, aos olhos de qualquer pessoa que tenha estudado um pouco de História, é a virtude original do ser humano” – Oscar Wilde.
Vida de Inseto é daqueles filmes, feitos para criança no primeiro olhar, mas vai muito além, e pode até ser feito para crianças, com um objetivo de fazê-las pensar desde cedo, mas é também para as ‘adultas’ sem dúvida. O desenho faz uma analogia entre as classes de opressores (gafanhotos) e das oprimidas (formigas). Os gafanhotos sobrevivem à custa do trabalho e os esforços das formigas, que fornecem a eles, todos os anos, sua colheita em troca de preservação de suas vidas. No entanto, entre a classe oprimida, um rebelde e cheio de imaginação, através de suas ideias e invenções, amenizar o sofrimento dos seus, e facilitar o trabalho penoso de sol a sol e não se conforma com o regime de servidão que lhes são impostos, mas devido a ser sonhador, não deve ser levado a sério, exceto a filha da Rainha, que vê em seu a amigo, um libertador, mesmo que seus inventos sempre provocam confusões ou danos sem querer, e todos os demais são castigados por sua ousadia.
Então, Flick o perdedor como ele é visto parte para uma jornada, em busca de aliados guerreiros, onde a comunidade aprova, não por achar que será uma ótima ideia, mas para livrar de confusões maiores, com ele perto deles. Ao chegar à cidade, conhece uma trupe de teatro que foram despedidos e vê neles a oportunidade de juntar e somar forças, de uma forma ou de outra, embora sejam diferentes, tem algo em comum, também são explorados pelo dono da Cia de teatro. E partem juntos para sua morada, cada um equivocado com o papel que irão fazer na colônia, mas poderão se surpreender com as novas experiências.

Por sua vez, o líder dos gafanhotos tem pleno conhecimento de que não precisa do alimento da colônia, para manter seu reinado, mas ao deixá-los livres do jugo, perderá o controle sobre eles, que são em maior número, e vir a descobrir essa vantagem, como ele diz “ideias são coisas muitos perigosas”, e eles foram colocados no mundo para nos servir.

Porém, Flick, é um visionário e não desiste facilmente dos seus ideais e ideias mirabolantes. Através de seus amigos, assim como ele, considerados os loucos da sociedade, juntos, somam forças para enfrentar o tirano, e na batalha o desmascara, ao abrir enfim, os olhos vedados de toda a colônia, acostumados à servidão, a lida dura, não haviam percebido que os opressores eram em menor número “Somos mais fortes, são vocês que precisam de nós, para ter comida. Então quem é o fraco daqui” ¿.  E começa a revolução.O filme traz uma importante reflexão sobre a luta de classes, uma sempre usa do medo e da força para ter controle e jugo sobre a outra, aqueles que se acovardam, se tornam fantoches nas mãos, e logo doutrinados para servidão, um débito que nunca tem fim. Mas, quando organizadas e determinadas podem se libertar do que é injusto e abusivo. Como diz o sábio Raul Seixas “A formiga é pequena, mas elas são um exército quando juntas”. 
Imagens retiradas do google internet.