Loira do bem ∞ : 11/17/13

domingo, novembro 17, 2013

Pitaco de Administração:" Shows Virada do Ano" O Por que sempre os mesmos?

Foto: Pitaco de Administração:" Shows Virada do Ano"
— O por que são sempre os mesmos? ..— com licença Pink Floyd,— mas não só os velhos medos, que encontramos "Ano após ano" Correndo sobre este mesmo velho chão . mas os mesmos velhos "arroz de festa" também. 
Oh isso me faz pensar .....— que  num momento onde se fala tanto em "Economia Criativa", para empreendedores, empresas e organizações, a bola da vez é "culturalização de negócios" ( valor agregado a partir de elementos intangíveis e culturais). —  Os recursos: criatividade, cultura e conhecimento, que não se esgotam e sim, se renovam e multiplicam, e, que o Brasil, infelizmente, na maioria, ainda não se despertou para tal). 
— Tendo em vista, que estão (ainda) centrados em capitais, máquinas, os bens tangíveis e produtos, esquecendo da inclusão cultural e social ( oportunidades, design, comunicação) entre eles. 
Os materiais e produtos se assemelham entre si, o que vai diferenciá-los? — a capacidade de gestão, de inovação, do improviso, do elemeto "diferencial".
— Aonde entra a "culturalização de negócios", ao "inovar produtos e serviços", ampliar mercado e fidelizar clientes através da incorporação de elementos culturais e criativos ao negócio, é o caminho para a sobrevivência da marca e empresa.
— Uma empresa agrega à sua marca o valor de quem sabe “apostar no futuro”, quando ela deixa de usar sempre "os mesmos recursos", e apostar no futuro, é dar oportunidade para todos, os novos talentos, os grandes artistas, merecedores de oportunidades, e principalmente, ter um olho mais apurado, para aqueles que dependem, do incentivo, patrocínio de uma grande organização. 
— E para isso, é preciso ser uma empresa com ideias, atitudes e ações inovadoras, não na mesmice sempre,  que não tenha medo de apostar, no futuro, que tem visão holística, e investiam também nos talentos, que não dominam a mídia, nem possuem QI *quem indica, amigos influentes nos altos escalões, mas, que levam verdadeiramente no coração, a única vontade, de que sua Arte, seja a música, teatro, literatura, possam ter oportunidade, de serem vistas, nos veículos de comunicação, ou patrocinados por essas organizações, que tanto visam, inovação e elementos que surpreendam!!. Até o Papa, já deixou o alienismo para trás., almeja o novo, o equilíbrio, investe no desconhecido, arrisca na inovação, e eu pergunto, o  por que insistem somente nos " arroz de festa"?... Vamos de Virada, mas de Virada Cultural mesmo, não só valorizar as figurinhas carimbadas da mídia, mas incluir os novos e talentosos artistas, que o Brasil, possui!
— O por que são sempre os mesmos? ..— com licença Pink Floyd,— mas não são, só os "velhos medos", que encontramos "Ano após ano" Correndo sobre este mesmo velho chão . mas os mesmos velhos "arroz de festa" também.
Oh isso me faz pensar .....— que  num momento onde se fala tanto em "Economia Criativa", para empreendedores, empresas e organizações, a bola da vez é "culturalização de negócios" ( valor agregado a partir de elementos intangíveis e culturais). —  Os recursos: criatividade, cultura e conhecimento, que não se esgotam e sim, se renovam e multiplicam, e, que o Brasil, infelizmente, na maioria, ainda não se despertou para tal).
— Tendo em vista, que estão (ainda) centrados em capitais, máquinas, os bens tangíveis e produtos, esquecendo da inclusão cultural e social ( oportunidades, design, comunicação) entre eles.
Os materiais e produtos se assemelham entre si, o que vai diferenciá-los? — a capacidade de gestão, de inovação, do improviso, "diferencial".
— Aonde entra a "culturalização de negócios", ao "inovar produtos e serviços", ampliar mercado e fidelizar clientes através da incorporação de elementos culturais e criativos ao negócio, é o caminho para a sobrevivência da marca e empresa.
— Uma empresa agrega à sua marca o valor de quem sabe “apostar no futuro”, quando ela deixa de usar sempre "os mesmos recursos", e apostar no futuro, é dar oportunidade para todos, os novos talentos, os grandes artistas, merecedores de oportunidades, e principalmente, ter um olho mais apurado, para aqueles que dependem, do incentivo, patrocínio de uma grande organização.
— E para isso, é preciso ser uma empresa com ideias, atitudes e ações inovadoras, não a mesmice de sempre, torna-se enfadonho, até, não tenha medo de apostar, no futuro, que tem visão holística, e invista também nos talentos.

Aqueles não dominam a mídia,( por falta de oportunidade), nem possuem QI (quem indica, amigos influentes nos altos escalões), mas, que levam verdadeiramente no coração, a única vontade, de que sua Arte, seja a música, teatro, literatura, possam ter oportunidade, de serem vistas, nos veículos de comunicação, ou patrocinados por essas organizações, que tanto visam?..sic.. inovação e elementos que surpreendam!!.
 — Até o Papa, já deixou o alienismo para trás, almeja o novo, o equilíbrio, investe no desconhecido, arrisca na inovação, e — eu pergunto, o  por que insistem somente nos "arroz de festa"?... —Vamos de Virada, mas de Virada Cultural mesmo, — não só valorizar as figurinhas carimbadas da mídia, mas incluir os novos e talentosos artistas, e aqueles bons que a mídia faz cara feia e que o Brasil, possui!
— Minha cabeça só pensa aquilo que ela aprendeu. Por isso eu não confio nela, eu sou mais eu! — Raul Seixas.