sexta-feira, 21 de junho de 2013

E, agora, Revolução???

Sinceramente? eu estou zonza, de tanta especulação e antagonismo nas redes...
Foto: Lucas Garcia como foi o show de Black Sabbath?  \m/ ..igual "O menino, o velho e o burro", a parábola.. todos parecendo "Mãe Dinah" Paulo Henrique Amorim trata-se de Golpe da Globo - Carlos Vereza, "saída de emergência" que a Dilma encontrou para que a FIFA desista da sediar a copa no Brasil, outros se partidos se unem aos manifestantes, é golpe, da direita ou da esquerda..
Quanto a se tratar de renúncia, acredito que possa existir, afinal de contas, ganhou o mundo os últimos acontecimentos, os investidores, estão agindo com cautela, acuados e temerosos para investir ou reinvestir no momento...tudo é possível..
Só me resta acreditar assim como adivinhações e crendices, que nos pegam quando vulneráveis e maldita mania que temos, de querer que alguém nos minta, mesmo sabendo que aquilo não é possível... que isso também não passa de bufões, de infiltrações...Será que, nós, povos, somos tão ingênuos e parvos assim? -
agora, Vamos à rua sendo soldados ( disfarçados) da plim plim? - Ah, sinto dizer, se isso, for verdade, mas acho um pouco utópico, não sei, posso estar enganada, e se eu estiver... farei como Manuel Bandeira, "vou me embora para Pasárgada, porque eu não quero nenhum controle, e nem ser condicionada a exigir o direito de equidade no meu país, sendo escrava de um sistema... Prefiro acreditar, que, somos, pessoas, sem nenhum controle na mente, nem que seja a minoria, mas que, não está sendo condicionada a lutar em vão...


Abandonando o "romantismo" de lado...e a memória é curta ...
Estava pensando que...pessoas ficam chocadas, com algumas barbáries acontecendo..ninguém deseja a violência, a degradação, mas, se é uma oposição, de verdade, não tem como...às vezes, é inevitável que haja o confronto, afinal, são opostos se afrontando, tudo caminha para um guerra civil...



by Belchior.
As CRUZADAS, não foram, com argumentos, convencer as pessoas a aderir ao cristianismo,( mas não seguiram o exemplo de Cristo), muito pelo contrário, agiram, segundo eles, "em nome de Deus", com uma matança inimaginável. Não foram poupadas crianças, mulheres, homens e serviçais (semelhantes a Deus)..mas a golpe de espadas, suas vidas foram ceifadas uma a uma.. As ações eram brutais e perversas. Muitas pessoas foram forçadas a se "converterem" ao Cristianismo.
E, durante as viagens pela Europa no caminho para a Terra Santa, saques, incêndios, estupros e outros atos deploráveis eram comuns e tido tudo como em "nome de Deus".
Assim como essas ações foram feitas por "supostos cristãos" que, absolutamente opostas aos ensinamentos bíblicos.. Assim como também, rei Henrique VIII, quando se debandou da Igreja católica,(por esta não permitir o divórcio para ele se casar novamente), fundou a anglicana, proibindo atividades, cobrando impostos impagáveis, levando os católicos a falência,perda de patrimônio, status, e que foram também para as florestas, formar nova rebelião.....Ou seja, sempre alguém, sai perdendo num confronto de interesses contrários...não tem como recuperar algo, só na palavra bonita e articulada.. não se trata de discurso, plenário e oratória.

Sociologia: Saber mais é mudar relações de força’

A escola pretende preparar as pessoas para a vida, mas acaba, muitas vezes, preparando os alunos para as avaliações. A linha que separa os saberes para a vida e dos saberes para os estudos é, para Philippe Perrenoud, o ponto de partida para se discutir o currículo do século 21. “A vida tem que estar no centro da discussão do currículo. O quanto a escola está nos preparando para viver nesse mundo?”, pergunta o sociólogo suíço que é especialista em currículo, práticas pedagógicas e formação de professores.

O pensador não promete soluções simples, principalmente por compreender o sistema de forças e o travamento do currículo atual na maioria dos países. “As disciplinas escolares estão organizadas em mundos e lobbies cuja preocupação é manter ou reforçar suas presenças no currículo. Isso acaba levando a uma lógica em que se entende que a única maneira de mudar o currículo é acrescentando conteúdo”, disse, para uma a audiência de educadores aqui no Brasil, durante palestra na Educar Educador.

Mas Perrenoud aponta alguns dos saberes que, para ele, deveriam fazer parte de uma escola que pretende preparar os alunos para a vida, mas que são praticamente ausentes nos currículos. Eles estão nas searas de direito, urbanismo, economia, ciências políticas e psicologia. “Sabemos transformar decímetro em centímetro, mas o que sabemos sobre autoestima, agressividade, angústia? O que vamos usar mais na vida?”

Sabemos transformar decímetro em centímetro, mas o que sabemos sobre autoestima, agressividade, angústia? O que vamos usar mais na vida?
Para ele, não há como não nos preparam para a vida no século 21 sem entender o mundo em que vivemos. Se a nossa sociedade exige que utilizemos dinheiro, bancos, precisamos entender a lógica por trás do sistema. Se habitamos cidades com trânsito, poluição e problemas de saneamento, é necessário compreender essa dinâmica. Se votamos, vivemos em democracias, precisamos compreender as forças envolvidas no sistema. “Saber e poder estão sempre ligados. Saber mais é mudar relações de força. Os saberes úteis permitem limitar o poder do homem sobre o homem”, diz. “Mas que fique claro: não estou dando soluções, estou apresentando problemas, ideias. É preciso pensarmos juntos esse currículo.”
Veja algumas das provocações do autor sobre a importância desses saberes:

1. Psicologia
A psicologia aparece no currículo, quando aparece, por meio da literatura e do teatro, as dores e os amores de personagens. “Mas quem aprendeu profundamente sobre o inconsciente? Sabemos transformar decímetro em centímetro, mas o que sabemos sobre autoestima, agressividade, angústia? O que vamos usar mais? Como uma coisa tão presente na vida está ausente na escola que pretende preparar para a vida?”, pergunta o suíço.

2. Direito
Quase ausente no currículo, este saber é indispensável porque vivemos em uma sociedade regida pelo direito. “Não há necessidade de decorar a legislação ou o Código Civil. Mas precisamos saber consultar esses materiais, sermos capazes de dialogar com juristas, entender nossos deveres e obrigações, já que nossas sociedades estão construídas em torno deles.”

3. Ciências políticas
Perrenoud pergunta se a escola está preparada para ensinar sobre as relações de poder, sobre as influências políticas, econômicas ou étnicas que estão por trás das decisões parlamentares. “O quanto estamos preparados para entender que quando o [presidente dos EUA Barack] Obama está tentando mudar a lei para o porte de armas nos EUA e não consegue, isso está diretamente relacionado ao fato das campanhas dos deputados que votam serem financiadas pela indústria armamentícia?”, questiona.

4. Economia
O mundo vive uma crise econômica intensa no momento, talvez não muito forte no Brasil devido ao momento específico de crescimento econômico, mas que está impactando muitos países do globo. Quem compreende a crise? Quem compreende o problema que começou com a compra de produtos financeiros nos EUA, que eram vendidos a quem não podia pagar? “A economia está no nosso dia a dia. Claro que todos temos que entender um pouco dessa dinâmica no mundo que vivemos hoje, que não é mais baseado em plantar e colher para comer. Nós vamos ao supermercado e os supermercados envolvem relações de trabalho, distribuição, consumo etc. Temos uma grande carga horário de ciências sociais que não aprofundam nessas questões”, critica. “Isso para não falar da não compreensão do sistema de funcionamento bancário. Se entendermos melhor sobre a lógica do banco, quem perde?”

5. Urbanismo e arquitetura
Entre os grandes desafios do mundo hoje estão a poluição, o trânsito, o saneamento básico e a higiene urbana. “Não vivemos mais no campo. Somos uma maioria urbana. E a exploração urbana é muito mais um resultado do acaso, da especulação imobiliária do que algo pensando para atender as necessidades dos habitantes daquela cidade. O quanto a escola nos prepara para essa vida do século 21 e esses problemas?”

Reproduzido: http://porvir.org/porpensar/saber-mais-e-mudar-relacoes-de-forca/20130614  em 14/06/13 // //