Loira do bem ∞ : 07/13/12

sexta-feira, julho 13, 2012

Fábula: "A roupa nova do Rei".




É uma fábula, escrita por Hans Christian Andersen onde um bandido, se passa por um alfaiate de terras distantes, convence  um determinado rei que poderia fazer uma roupa muito bonita, e cara, mas que apenas as pessoas mais inteligentes e astutas poderiam vê-la. O rei muito vaidoso, gostou da proposta e pediu ao falso alfaiate, que fizesse uma roupa dessas para ele. O bandido recebeu vários baús cheios de riquezas, rolos de linha de ouro, seda e outros materiais raros e exóticos, exigidos por ele para a confecção das roupas. Ele guardou todos os tesouros e ficou em seu tear, fingindo tecer fios invisíveis, que todas as pessoas alegavam ver, para não parecerem estúpidas ou ignorantes. Até que um dia, o rei se cansou de esperar, e ele e seus ministros quiseram ver o progresso do suposto "alfaiate". Quando o falso tecelão mostrou a mesa de trabalho vazia, o rei exclamou: "Que lindas vestes! Você fez um trabalho magnífico!", embora não visse nada além de uma simples mesa, pois dizer que nada via, seria admitir na frente de seus súditos, que não tinha a capacidade necessária para ser rei. Os nobres ao redor,  dissimulavam e soltavam suspiros de admiração, pelo trabalho do falso tecelão, pois nenhum deles desejavam, serem taxados de  incompetentes ou incapazes. O bandido garantiu que as roupas logo estariam completas, e o rei então, resolveu marcar uma grande parada na cidade para que ele exibisse as vestes especiais. A única pessoa a desmascarar a farsa foi uma criança: "O rei está nu!". O grito é absorvido por todos, o rei se encolhe, suspeitando que a afirmação é verdadeira, mas mantém-se orgulhosamente e continua a procissão.

Moral da história:
-O risco que se corre, de ser como o Rei, se deixando levar pela vaidade e orgulho, é ficar a mercê dos "cascalhos", "bufões" e "espertalhões", os bajuladores fajutos que (só) visam benefício e  lucro,  movidos por interesse próprio. As pessoas que entendem das fragilidades humanas, e que de forma dissimulada, as usam para interesse próprio, manipulam as emoções e através de artimanhas, naquelas que se deixam convencer facilmente, pela vaidade, insegurança, até soberba, e preferem colocar um véu sobre sua visão, essa falsa ilusão,  de aceitação.  Pois estão sendo favorecidos materialmente, ou por outra compensação qualquer, e usam dos pontos fracos (carência, vaidade, orgulho, emoção, mágoa, sensibilidade e da bajulação fajuta), para atingir o ponto vulnerável e da qual o outro está sendo manipulado e atingir os seus objetivos. Findo este, e quando sugarem a melhor parte, quando não tiverem mais compensações, transformarão o diamante em "cascalhos" assim como esses eram de fato. Porém, tomado pelo orgulho, talvez, não sei, continue a agir como o Rei, e viver no faz de conta, Infelizmente, sem desfrutar dos diamantes, infelizmente, nem quer uma criança por perto, afinal ela não dissimula sentimentos, mas de forma autêntica diz o que pensa e sente!. E você quer bajuladores ou pessoas confiáveis por perto?.
"Veja os pombos no asfalto, eles sabem voar alto, mas insistem em catar as migalhas do chão".by Zeca Baleiro.

Pitaco By Loira do Bem 13 de Julho.. "Dia Mundial do Rock" Bebê!!!

Pitaco By Loira do Bem "Dia Mundial do Rock" Bebê.." 13 de Julho"..

Quando eu era "criança pequena" - risos -criada numa educação radical, cheio de mitos e preconceitos, oriundos de uma família católica e descendentes europeus, e que, claro, ditavam o comportamento que devíamos seguir e até então, embora, fosse uma menina contestadora, seguia às regras rigorosas da casa, mesmo, porque, não se tinha muita escolha não, sic, ou seja,"manda quem pode"e obedece quem tem juízo", e assim por diante. 

E era nos livros, que eu encontrava a minha liberdade, meu pensamento ia distante, viajava por lugares e livre de todos os aqueles padrões e conceitos moralistas e radicais.
Por ser a "rapa do tacho" de uma família grande, fui seguindo a tradição dos mais velhos, de ouvir música adocicadas, romantizadas e  do "bem" , porque como se diz até hoje "Rock é coisa do capeta", que somente na fase adulta, de anos pra cá, a minha mente se abriu de uma tal forma, que parei de seguir as regras e padrões impostos, por terceiros, ou seja a quebra definitiva de paradigmas do que eu realmente aprecio.

Dizem que os opostos se atraem, não sei, mas, quis o destino que um paulistano entrasse na minha vida, na adolescência, e claro, o namorado era roqueiro 100% - meu universo de certa forma, foi revirado do avesso, porque, o som até então, sonhador e romantizado, só  ouvia em casa, porque do restante, eram os revolucionários a frente do tempo - Pink Floyd, Led Zeppelin, Raul Seixas, Zé Ramalho, Fagner, Djavan, Caetano Veloso, Beto Guedes, Black Sabbath, Janis Joplin, Jethro Tull, Dylan, Stones, Beatles, enfim, a lista era enorme, pasmem..mas eis alguns deles, que faziam parte e constante do set list. Elvis, que eu me lembre, nunca fez parte, provavelmente deveria ser considerado um "som fora do padrão dos demais roqueiros", trivial.

Lembro que quando era para assistir um show de  Raul, Caetano, Zé Ramalho eu ia junto, mas quando era para ver o "Rei", ia sozinha mesmo ..dizia aos risos.. "O que meus amigos vão pensar" dizia ele...HAHAHAHA...convide uma amiga .... aliás o ultimo show que fui de RC, (1993) não mais.. (Descobri que eu não tenho paciência para esperar um artista, entrar no  palco, após uma ou duas horas, da hora marcada para o show. SIC).
O apego era tanto por parte dele, ao ponto de um cachorro de raça, que ele fez permuta com um amigo,  que depois passou a ser "nosso", foi batizado com o nome de um das bandas, etc etal.( vou omitir, claro, vai que o dito cujo, risos, de repente, se associe e pensa que estou tendo recaída, o que não é verdade) risos...porém não deixa de ser uma lembrança deliciosa, deste legado, e neste quesito, talvez eu seja minoria, não sou de guardar ressentimentos, pelo contrário, valorizo os pontos fortes sempre.

Destes roqueiros, apenas alguns eu me identifiquei e criei afinidades, sim, pois, música é algo de alma, e que tem a ver com o ideal e forma de pensar da gente também, por isso, que me perdoem os rostos apenas "bonitinhos" apenas, ou que cantam com "playback" ou "tecnicamente", aprecio os que cantam com o fundo da alma, que além disto, levam uma mensagem em que eu acredite, como verdade e que vá revolucionar, meu modo de pensar, repensar e refletir.

Com todo o respeito a mídia comercial, aos tcha tchá, tchu tchu, mas eu permaneço na minoria até o fim,  jamais, serei adepta do modismo ou de canções criadas com o intuito de entretenimento e mercadológico.
Voltando anos atrás, imaginem como eu ficava e dividida, entre o "bem" e o "mal", ou seja, dentro da minha concepção e visão míope, até pelos padrões impostos pela família, eu não percebia, o por que o Rock era considerado pelos conservadores como eles e até para o sistema, como " musica do inferno", de pessoas da  "pá virada" como dizia minha mãe.
Realmente, alguns anos atrás, eu me redescobri e neste ponto eles não deixam de ter razão, por que?
Eu explico e sem Freud.
Porque o Rock, não é uma simples música e do som dilacerado de uma guitarra mais ousada, que resplandece em nossos ouvidos. Trata-se de um estilo de vida e anarquista, irreverente e ousado de ser, viver e uma forma de contestar o mundo e os padrões impostos por uma sociedade, na maioria das vezes, hipócrita, injusta e massificada. Pertencem ao mundo daqueles que não se dobram.

Através do estilo e das letras, os roqueiros, na maioria, que o diga um Roger Waters (vide Pink Floyd), Raul Seixas e Robert Plant (vide Led Zeppelin), através de sua arte, instigam as pessoas, a pensar, a refletir, sobre esses padrões impostos que almejam a subserviência e para acatar e aceitar, sem contestar o direito de ser livre no pensar e agir e caminhar pelas nossas próprias pernas. E, para o sistema no geral, não interessam pessoas que pensam por si  mesmas, que sejam questionadoras, sobre o que ouvem, vêem e nem aceitam ser escravos destes padrões e limitações.

E, para os leigos e ingênuos, infelizmente, assim como eu fui anos atrás, toda vez que alguém ousa questionar, contestar ou desmitificar dogmas ou sistemas impostos, o jeito eficaz é o de associar o rock, como obra do "capeta", ou seja, para que as pessoas, sejam intimidadas ou até discriminadas,afinal como diz Einstein, uma mente que se abre para uma nova ideia, jamais será a mesma".. não acredita em tudo que ouve, em tudo que vê...mas busque suas próprias verdades,( by Sidarta Gautama).

Hoje, exorcizada e livre destes padrões impostos, posso finalmente ser eu mesma, com meus conceitos, ideias e atitudes, erros e acertos, mas, sendo guiada por eu mesma, naquilo que eu acredito, reflito e somente depois tiro as minhas conclusões e as vivencio. mas vida de gado, nunca  mais.

Hoje, eu agradeço, e muito, por isso, por ter tido a oportunidade de ter como namorado e primeiro, um apreciador incondicional do Rock que perdura até os anos atuais.
O romance e a aliança se desfez, alguns anos atrás, mas, tem legados que são eternos !!!. o gosto pelo  Rock é uma herança deixada! graças a Deus !!!.

-Does anybody remember laughter?” ....Desculpa aí..tá..O MAIOR VOCALISTA DO MUNDO DO ROCK VAI para.. "Robert Percy Plant"...!!!
O número 1 é o cabeludo Robert Plant, a bela voz do Led Zeppelin adepto dos estilos psicodelia, folk, blues e rock , que sempre fizeram parte da formação musical de Plant, e que somou ainda influências de soul e R&B para compor um estilo vocal único e até hoje imitado..
A lista das “40 Maiores Vozes do Rock” foi feita com base na opinião de DJs da emissora, apresentadores, ouvintes, críticos musicais e personalidades do mundo do rock.

2011 pela " Revista "Rolling Stone" norte-americana, foi a vez de Robert Plant ser escolhido como o maior vocalista de rock de todos os tempos.

2009 O cantor Robert Plant, vocalista do grupo Led Zeppelin, foi eleito a melhor voz do rock de acordo com uma lista organizada pela "Planet Rock". A informação é do site especializado em música "NME".

2006, a revista Hit Parader colocou Plant como o "melhor vocalista de heavy metal de todos os tempos".(Até no Heavy Metal, coisa que Led Zeppelin, repudiava ser associado a esse estilo..)

"Minha performance vocal vem de toda parte, das coisas que escutava e gostava: o uivar de Ray Charles em "Down In My Own Tears" ou Wynomie Harris, Louis Jordan. Você coloca tudo no liquidificador, bate, e o resultado sou eu"“Meu estilo vocal eu não tentei copiar de ninguém. Ele só desenvolveu até se tornou esta menina enjoada que é hoje. “By Robert E assim como no Reino Unido e nos EUA, ninguém tem dúvida sobre, acessem o link da Bol, e votem sem dúvida em Robert Plant.