quinta-feira, outubro 21, 2010

Você é resiliente?

Para Eduardo Carmello, autor do livro Supere! A Arte de Lidar com as Adversidades (Ed. Gente), os indivíduos resilientes normalmente são pessoas que possuem uma combinação das características abaixo apresentadas:



• São auto confiantes: acreditam em si e naquilo de que são capazes de fazer.
• Gostam e aceitam mudanças: encaram as situações de estresse e adversidade como um desafio a ser superado.
• Têm baixa ansiedade e alta extroversão: são abertos à novas experiências e formas de se fazer as coisas.
• Têm auto conceito e autoestima positivos: conseguem administrar seus sentimentos e suas emoções em ambientes imprevisíveis e emergenciais.
• São emocionalmente inteligentes: conhecem suas emoções, sabem administrá-las, sabem automotivar-se, reconhecem emoções em outras pessoas e sabem manejar relacionamentos.
• São altamente criativos: procuram constantemente por inovações.
• Dispõem de uma eficaz capacidade de resposta: mantém altos níveis de clareza, concentração, calma e orientação frente a uma situação adversa.

• Eduardo Carmello não acredita que uma pessoa consiga ser 100% resiliente. “Seria a mesma coisa que dizer que somos invulneráveis ou super-heróis que suportam tudo e todos.

• Podemos ser resilientes em determinados momentos e/ou circunstâncias e não sermos tão competentes em outros!
• “Quando mais resiliente for o indivíduo maior será o desenvolvimento pessoal; isso torna uma pessoa mais motivada e com capacidade de contornar situações que apresente maior grau de tensão... Permitir-se sentir dor, recuar e, às vezes, enfraquecer para em seguida retornar ao estado original... Um indivíduo submetido a situações de estresse que tem a capacidade de superá-las sem lesões mais severas (“rachaduras”) é
um resiliente.”http://www.artigos.com/artigos/sociais/administracao/recursos-humanos/resiliencia-1443/artigo/

• “Resiliência não significa ausência de sofrimento. A diferença é a forma de vivenciá-lo. Pessoas resilientes têm grande capacidade de adaptação."Ana Maria Rossi,psicóloga.
• "Elas sofrem, mas reúnem forças e se reposicionam". Carmem Rittner, psicóloga.

• Um estudo conduzido pela ISMA-Br revela as características dos resilientes:
Autoestima :97% dos resilientes têm essa qualidade em alta. Eles transformam obstáculos em desafios, com a certeza de poder superá-los.
• Flexibilidade :86% mostram grande capacidade de adaptação, lançando mão da criatividade para superar as situações adversas.
• Sentido de vida :78% possuem objetivos bem definidos e um claro porquê para sua existência. http://saude.abril.com.br/edicoes/0282/bem_estar/conteudo_212059.shtml
PROCESSOS-CHAVE DA RESILIÊNCIA
• SISTEMA DE CRENÇAS
(o coração e a alma da resiliência)
1. Atribuir sentido à adversidade:
• Valorização das relações interpessoais (senso de pertencimento);
• Contextualização dos estressores como parte do ciclo de vida da família;
• Sentido de coerência das crises: como desafios administráveis;
• Percepção da situação de crise: crenças facilitadoras ou constrangedoras.

2. Olhar positivo:
• Iniciativa (ação) e perseverança;
• Coragem e encorajamento (foco no potencial);
• Esperança e otimismo: confiança na superação das adversidades;
• Confrontar o que é possível: aceitar o que não pode ser mudado.

3. Transcendência e espiritualidade:
• Valores, propostas e objetivos de vida;
• Espiritualidade: fé, comunhão e rituais;
• Inspiração: criatividade e visualização de novas possibilidades;
• Transformação: aprender e crescer através das adversidades.

• PADRÕES DE ORGANIZAÇÃO
4. Flexibilidade:
• Capacidade para mudanças: reformulação, reorganização e adaptação:
• Estabilidade: sentido de continuidade e rotinas.

5. Coesão:
• Apoio mútuo, colaboração e compromisso;
• Respeito às diferenças, necessidades e limites individuais;
• Forte liderança: prover, proteger e guiar crianças e membros vulneráveis;
• Busca de reconciliação e reunião em casos de relacionamentos problemáticos.

6. Recursos sociais e econômicos:
• Mobilização da família extensa e da rede de apoio social;
• Construção de uma rede de trabalho comunitário: família trabalhando junto;
• Construção de segurança financeira: equilíbrio entre trabalho e exigências familiares.

• PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO
7. Clareza:
• Mensagens claras e consistentes (palavras e ações);
• Esclarecimentos de informações ambíguas.

8. Expressões emocionais “abertas”:
• Sentimentos variados são compartilhados (felicidade e dor; esperança e medo);
• Empatia nas relações: tolerância das diferenças;
• Responsabilidade pelos próprios sentimentos e comportamentos, sem busca do “culpado”;
• Interações prazerosas e bem-humoradas.

9. Colaboração na solução de problemas:
• Identificação de problemas, estressores, opções;
• “Explosão de ideias” com criatividade;
• Tomada de decisões compartilhada: negociação, reciprocidade e justiça;
• Foco nos objetivos: dar passos concretos; aprender através dos erros;
• Postura proativa: prevenção de problemas, resolução de crises, preparação para futuros desafios.(Strengthening family resilience (Walsh , 1998) in Psicologia em Estudo, Maringá, v. 8, num. esp., p. 75-84, 2003).

•  “O problema não é o problema. O problema é a sua atitude com relação ao problema” Kelly Young
• “Pense no papel que atribui a si mesmo. Não é bom ser vítima nem ser herói, é bom ser humano.”Yeda Mazepa, psicóloga.
• “A adversidade desperta em nós capacidades que, em circunstâncias favoráveis, teriam ficado adormecidas” Horácio
Eduardo Carmello é consultor organizacional e educacional, diretor da Entheusiasmos Consultoria em Talentos Humanos. É também especialista em Gestão Estratégica de Pessoas e Qualidade de Vida no Trabalho e realiza palestras e treinamentos voltados a orientar as pessoas como se comportar diante de uma situação adversa para não ter o seu rendimento profissional comprometido.site: http://www.entheusiasmos.com.br/. Autor do livro Supere! A Arte de Lidar com as Adversidades (Ed. Gente),