Loira do bem ∞ : 09/03/16

sábado, setembro 03, 2016

ESTAR INTEIRO, NUNCA PELA METADE

"Nunca é alto o preço a pagar pelo privilégio de pertencer a si mesmo”. - Friedrich Nietzsche.

                                                       Assim é.
Foto: Reprodução do  Site marinilopes.wordpress.com
Muitas vezes, as pessoas têm um olhar muito apressado sobre nós, e nós sobre elas, e não somos capazes de enxergar o potencial que existe,  e logo depreciamos. E destruímos os sonhos, ou então plantamos dúvidas sobre a capacidade e o valor. Enxergamos tudo, mas nunca questionamos se na verdade, o outro não está no lugar onde deveria estar e que seus esforços para fazer a coisa certa, na verdade chama-se comprometimento.  Porque em todas as coisas que fazemos, não acredito em coisas pela metade, ou se está inteiro no compromisso ou algo vai sair errado. Assim é em nossa vida pessoal e profissional. Não existe amor pela metade, nem trabalho, muito menos amizade e tampouco compromissos.  Acredito que se está pela Metade, é porque a outra parte, talvez não esteja focada na totalidade.
“Não é possível ser bom pela metade”. - Leon Tolstoi.
Pode ser que esteja com o par equivocado, com o trabalho apenas rentável, com a amizade muito favorável e com tudo aquilo que não se sente responsável, apenas confortável. Estar satisfeitos na pele que habitamos, exige muito, sem dúvida. Ao sair da zona de conforto, romper compromissos, requer coragem para despir a nossa verdadeira pele. Pode ser que pela frente, venha bem menos. Um amor instável, um trabalho comum, uma amizade sem benefícios e muitos compromissos. Para estar inteiro, exige comprometimento, dedicação e reinvenção a todo o instante. Talvez, você vai pensar, mas perderemos muito.

Depende de quais são os valores que tanto apreciamos e não somos capazes de colocar um ponto final.  Mas uma coisa é certa, quando isso acontecer, no começo toda a mudança é drástica, e causa relutância e desconforto, mas no final, conseguirá algo impagável: O direito de sermos nós mesmos, investindo nosso tempo, energia com aquilo que realmente nos completa. Não mais pela metade, mas de corpo, alma e mente inteiros, em tudo o que exige dedicação e comprometimento. E no fim, descobrirá assim como eu, que isso se chama Liberdade. Não mais dispersaremos tempo a julgar ou criticar aqueles que tanto se dedicam nas coisas que tanto gostam de fazer. Livres de grilhões, prisões e algemas, das tantas coisas que fazemos só para agradar aos outros, menos a nós mesmos. Isso chama-se Felicidade.