sábado, 13 de outubro de 2012

Pitaco by Loira do Bem " "É melhor morrer de pé que viver de joelhos",


Pitaco by Loira do Bem " Boa Tarde gente " -
feriado prolongado e sem grana no bolso, para pegar uma mochila e viajar é o "bixo" hem... mas vamu que vamu, preenchendo o tempo com outras cositas más...
Para os do Espírito Santo, - Hoje tem showzaço de Almir Sater na 34a. Festa da Polenta - uma das mais tradicionais do estado, que vai rolar ao som folk do músico. Deve ser tudo de bom, em todos os sentidos, porque um frango com polenta, "mama mia", que saudade de estar entre os meus agora..hihihi....
Agora, fora isso, tem um monte de coisas, entre eles prosear com "oceis" e assistir filmes também.. nossa, e como assisti filmes de ontem pra cá.." O Ilusionista", "Flores do Oriente"

( maravilhoso), e um deles (de novo) e desta vez eu prestei atenção em cada ação, foi "O Sobrevivente", com Christian Bale - aliás, dose dupla de Bale,(Flores do Oriente e O Sobrevivente),  não é novidade, que eu sou fã dos atores que não são americanos, acho os irlandeses, ingleses e no caso deste galês, mais completos, tanto que são eles, os que estão na maioria dos filmes atuais, quando se trata de papeis que exigem entrega, talento lá vão eles - 

Com exceção de Robert DeNiro - na minha opinião, claro - mas o restante os 2 Colin ( Farrel e Firth) Bale, Pacino, Hopkins, Day-Lewis, enfim, domina o set das boas interpretações, até o" gladiador" Crowel, fica no crédito.. E Bale se destaca pela entrega no papel, ou seja, se tem que fazer o serviço que seja bem feito e claro, Orlando Bloom, of course, que está engatinhando, mas sendo ingles, logo será um dos bons( interprétes) também.

Foi assim na maioria, vê-lo(Bale)  em O Maquinista - é ficar em estado de choque, com sua
aparência irreconhecível e esquelética - e no "O Sobrevivente", também não fica atrás - sem contar, que ele também ressuscitou Batman, que estava às moscas desde do fracasso anterior. Alías, o mais recente, eu fui ver é no telão... mas, voltando ao filme, que se trata de uma história verídica, de um piloto da marinha, que foge da selva do vietnã, de forma espetacular, dá para levar algumas lições importantes :

- Que por mais que os obstáculos estejam dificeis, e tudo parecer andar contra a correnteza, não podemos jamais, perder a perserverança e a esperança - acreditar em nossos valores e sobretudo, encarar os desafios de frente,  conhecer quem são os nossos "inimigos" - no caso, as "fraquezas" que nos faz recuar, acovardar e não permitir que saímos do lugar para arriscar, e muitas vezes ficamos a andar em círculos. 

- Outro, que sempre existirão aqueles que farão de tudo para nos desestimular, achar que não podemos, que não somos capazes ou até colocar colocar em dúvida, a credibilidade do projeto, do outro e assim como ele, e os demais companheiros, sempre haverá no meio de nós, os que por medo e pelo grau de dificuldade, vão querer que a gente desista, sem nem menos tentar,  para saber onde nos levará, 


-e,  ainda aqueles, que, vão tentar nos inibir, mas não antes, se aproveitar de nossas ideias, das oportunidades que visualizamos,  dos desafios, e depois nos deixar a deriva, quando, começar a colher os resultados, ou então, se acharão tão autosuficientes e egoístas, que acham que não precisam de ninguém e que são suficientemente fortes e capazes, de fazer tudo sózinho.

 Isso me faz pensar, o quão às vezes, por coisas tão pequenas, decepções, desapontamentos, ou até mesmo por impedimentos de terceiros mal intencionados, entregamos os pontos, sem visualizar uma saída, ou luz no final do túnel, e nos damos por vencidos.

No caso, dele, creio eu que o brio, a vontade e o desejo de liberdade, orgulho de ser quem é, eram mais fortes que os riscos e perigos que poderia enfrentar e o faz continuar tentando, planejando, e não se permitir acovardar ou se entregar, para ele, estar lá, abatido pelas supostas "forças inimigas", já é estar "morto"- aqui cabe a célebre frase "É melhor morrer de pé que viver de joelhos", que até hj, na verdade tenho dúvidas quanto a autoria, que é atribuída para Che, Emiliano Zapata, ou Dolores Ibárruri, enfim todos líderes comunas, no fim.


Segunda dica: O "filmaço" "Flores do Oriente"
Novamente Bale arrasa neste filme, baseado também em vida real, impressiona porque nos faz repensar, sobre valores, princípios e moralidade de cada um. Quem pensa que tem, não tem e quem tudo foi tirado, tem" .

Uma frase do filme:
"Às vezes a verdade é a última coisa que precisamos ouvir". cena forte e que emociona - "Vale a pena assistir, é violento, mas realista, cruel e intenso.
Sinopse: Na devastada cidade de Nanjing, em 1937, o perigo das ruas fez com que um grupo inimaginável de refugiados se reunisse em uma igreja: um bando de crianças em estado de choque, algumas sedutoras e provocantes cortesãs e um renegado americano que se passa por padre para salvar a própria pele. Ou que pensa que se salvará. Emboscados por saqueadores, ao longo dos próximos dias eles vão lutar não apenas para sobreviver, mas também para fazer o que parece ser impossível nestas circunstâncias – compreender e confiar um no outro.