domingo, 13 de fevereiro de 2011

Pitaco de Loira:Abaixo a Sabotagem

Obviamente, são péssimos para o grupo e para a empresa, porque cada ação corresponde a uma reação. As pessoas que se veem vítimas de um jogo territorial tem a tendência de dar o troco, passando a se defender também, e podem usar armas ainda mais perigosas. Ampliam-se as desconfianças mútuas, multiplicam-se as críticas veladas, o descontentamento se propaga. O ambiente fica cada vez mais insalubre.
O ideal é resgatar e levar para o nosso convívio no trabalho, ou em qualquer outro lugar, valores como generosidade, respeito às diferenças, solidariedade, afeto e humor. Deveriam estar no topo dos nossos princípios de convivência, ao lado de ética, honestidade, comprometimento. São ações simples que tornam a vida na empresa muito mais prazerosa e produtiva. O trabalho em equipe sequer precisará ser incentivado. Será uma decorrência natural, se tais valores forem postos em prática.As empresas deveriam privilegiar pessoas que sigam princípios dignos e demonstrem facilidade no contato humano. Dar mais chance para quem gosta de gente, pois quem se empenha em entender o outro lida melhor com as diversidades e é capaz de criar climas mais saudáveis, leves e prazerosos. Valorizar a capacidade de relacionamento e o empenho em praticar valores admiráveis. Isso parece óbvio, mas nem todas as empresas estão efetivamente empenhadas em desenvolver ações que impeçam que o ambiente de trabalho seja um caldeirão em permanente ebulição, que a cada final de expediente devolve aos lares e às famílias uma legião de criaturas estressadas e infelizes.
A falta de compreensão do verdadeiro sentido do diálogo é outra fonte de mal-entendidos e de conflitos no trabalho e nas relações em geral. Ouvimos alguém expor algo já pensando nos argumentos que vamos contrapor. O fundamental é ouvir com disposição para repensar nossos conceitos e mudar. Mas o comum é elucubrar e tirar conclusões precipitadas e nem sempre positivas - o que prejudica o relacionamento e é um estímulo à hostilidade, à propagação da imagem negativa do outro.
Diante de uma situação, a pessoa cria um significado e, imediatamente, em fração de segundos, faz algumas suposições, chega a uma conclusão, adota uma convicção e decide agir de uma determinada forma.
As pessoas têm saúde mental quando se sentem bem consigo mesmas e em relação às outras pessoas. Quando podem viver de acordo com seus ideais e têm tranqüilidade para pôr em prática seu talento e habilidades.
A presunção é um comportamento danoso. Aquela sensação de que ninguém é melhor ou pode mais do que você. É fácil esbarrar também em inflexibilidade. Gente que acredita que o único ponto de vista correto é o seu e tem dificuldade para enxergar os fatos sob outro ângulo. Outro fator que prejudica é a facilidade com que certas pessoas desenvolvem a animosidade e raiva. Tudo está interligado. Uma pessoa presunçosa e inflexível, que não consiga fazer valer sua vontade, tende a agir com animosidade e raiva. São reflexos do seu inconformismo e da sensação de impotência diante de fatos que a incomodam. Uma forma de cortar esse mal é incluir a humildade e a maleabilidade no cardápio de práticas diárias. E exercitar a assertividade quando algo realmente nos aborrecer: dizer com franqueza e diplomacia o que pensamos e sentimos. Precisamos falar das nossas emoções e mostrar ao outro o impacto negativo que suas atitudes e posturas tiveram sobre nós. Assim, evitaremos que ressentimentos, provocados por frustrações e mágoas não manifestadas, reapareçam no futuro totalmente fora do contexto, expostos de maneira impulsiva e agressiva.
Ana Maria Leandro especialista marketing de relacionamento.