Loira do bem ∞ : 02/12/10

sexta-feira, fevereiro 12, 2010

Quanto riso, quanto alegria.....máscaras de carnaval


Já se vão alguns anos que ouvimos no rádio, na televisão e em todos os meios de
comunicação à música “Máscara Negra”, que é um dos hits carnavalescos mais ouvidos de todos os tempos.

Na mesma máscara negra que esconde teu rosto.... é mais um trecho da música. E desafio àquele que na vida foi ou é folião que nunca tenha cantado a música mesmo que de forma inconsciente.

Bom,  se de tudo da vida podemos tirar conclusões de “Máscara Negra” também podemos conseguir algumas conclusões. Já pensou que na música fala: “O Arlequim está chorando pelo amor da
Colombina... no meio da multidão”. A música fala de um amor não correspondido.

Dois personagens do folclore momesco sofrem por amor. O Arlequim por ter sido abandonado pela Colombina, e quem sabe a Colombina por descobrir que por detrás daquela máscara negra do Arlequim se escondia alguém bem diferente do que ela imaginava. Quantas vezes na vida nos deparamos com essa situação.

De conviver e se envolver às vezes com alguém que não é exatamente aquilo que demonstra ser. Alguém que usa máscaras para “disfarçar” a sua verdadeira identidade, que não raro é voltada para a prática da maldade e do descaso para com os semelhantes.

Claro que em alguns segmentos sociais essa prática, de “usar máscaras”, parece ser mais acentuada como na política,onde inimigos se abraçam, amigos se separam e por ai vai.

Mas engana-se aquele que pensa que o uso das máscaras é restrito apenas à política. Ele está em todo lugar, na escola, na igreja, no trabalho, e onde mais você possa supor ou imaginar.

Quantas vezes somos o Arlequim que chora, ou a Colombina que faz chorar? Quantas ações que praticamos contra as pessoas fazem com que elas chorem, se decepcionem
conosco, se magoem, se entristeçam por algo que tenhamos feito?

Quantas vezes a busca pelo ter e pelo poder nos faz “Mascarados” sociais, agindo até mesmo
contra os princípios que consideramos justos e honestos.E assim a vida segue seu
rumo, com um mundo cheio de Arlequins e de Colombinas, usando das mais
diversas máscaras como o preconceito, a fofoca,  a intriga, a falsidade para ferir e
ofender alguém.

Tem vergonha da própria identidade e por isso se “mascara” para poder atingir alguém e ainda se passar como íntegro e honesto.

Cabe a nós, inteligentes que somos saber separar aqueles que se achegam de nós
“mascarados” ou não. Separar aqueles que agem conosco com verdade ou não e ainda por cima, buscar em todo o momento, agirmos nós, como a mais absoluta verdade, para que não sejamos também mais um mascarado, nesse grande contingente com o qual convivemos hoje.

E que no final, não sejamos amigos ou queiramos bem aos outros apenas “porque é carnaval”, mas porque adotamos a verdade,a sinceridade e a honestidade como prática de vida, como vetor de nossa existência e substrato de nossa conduta.Caiam as máscaras,que elas venham por terra, e que sempre apareça a verdade nos nossos e nos olhos daqueles que nos
rodeiam.

Vivamos com o riso e com a alegria, mas sem ser ou fazer alguém de palhaço em nossa vida.
Autoria: Renato Coan

Amiga da Onça



Quando a inveja atinge um grau elevado,“o principal objetivo da pessoa se torna a destruição da vida alheia.Ela vai sempre trilhar seu caminho na base da mentira,da hipocrisia, contornando a realidade para conseguir o que quer”, diz o psicólogo especialista em relacionamentos, Alexandre Bez. O sentimento, que parte de uma incapacidade de administrar o sucesso alheio somada com frustrações pessoais, vem muitas vezes acompanhado pelo TOC (Transtorno Obsessivo-Compulsivo), segundo o especialista.

Atitudes compulsivas, como tentar de todo jeito conquistar o parceiro da amiga, tentam controlar pensamentos obsessivos, como o sentimento de inferioridade diante da pessoa.

A inferioridade é claramente relativa – a inveja independe da relação econômica –, o que mostra que a situação toda parte, na verdade, de uma fantasia da “amiga-da-onça”. “Existe essa característica ilusória, de achar que o outro leva uma vida melhor”, explica Bez.

Caracteriza-se esse comportamento como sendo tipicamente neurótico, “mas quando a personalidade é psicótica, a pessoa pode ser imprevisível e destrutiva”, diz o psicólogo. Por isso, fique atenta.


Como detectar uma amiga-da-onça

1º sinal
A amiga apresenta um súbito e crescente interesse pela sua vida.

2º sinal
O comportamento dela muda. Em geral, ela adquire hábitos seus e também começa a lhe elogiar e bajular. A falsidade desse ato pode ser percebida facilmente em momentos de vitória e conquista seus, segundo Alexandre Bez, quando a inveja vem à tona nas expressões facial e corporal.

3º sinal
O objetivo das mudanças de comportamento se mostra mais claro: ela quer estar sempre presente. Aumenta a frequência de telefonemas, e-mails e encontros entre vocês. Muitas vezes ela participa como se a sua vida fosse a dela.

4º sinal
Ela tenta tirar proveito do relacionamento com você e frequentemente lhe imita – comprando coisas iguais às suas, por exemplo. Para Bez, entre os homens é mais comum encontrar uma “conotação financeira” na inveja. O amigo-da-onça deseja bens matérias adquiridos pelo outro. Já entre as mulheres, é freqüente o desejo pelo parceiro.

5º sinal
Se há interesse pelo parceiro, a amiga-da-onça vai provavelmente se fazer presente no ambiente de convívio de vocês dois. Na sua casa, por exemplo. Para minar o seu relacionamento com o companheiro ou com outros amigos, a invejosa poderá inventar mentiras para criar intrigas e conflitos. “O invejoso tem o dom da manipulação e o dom teatral”, alerta Bez.

6º sinal
O último e mais perigoso. “Quando a amiga-da-onça consegue seu objetivo, ela abandona tudo. A bajulação extrema, a presença constante, tudo isso desaparece”, diz o especialista. Livrar-se dessa amizade falsa é ótimo, mas o súbito desinteresse pode ser igualmente um mau sinal.

fonte:http://www.abril.com.br/noticias/comportamento/psicologo-ensina-detectar-aproximacao-amiga-da-onca-428774.shtml