segunda-feira, dezembro 01, 2014

Pitaco Loira Dobem | Cinema | A Governanta -

Ontem assisti um filme - A Governanta, por um acaso. Trata-se de um filme, mais ou menos antigo(1998), mas como se ambienta na Inglaterra e Escócia, me chamou atenção. Ao navegar na Internet, me surpreendi com o comentário, do Marcelo Rubens Paiva, feito na época, em "especial para a Folha"..pasmem..risos, como sou insolente e atrevida..ouso contestá-lo? ..Eu achei equivocado, é a opinião dele e merece respeito, mas tudo depende da forma com que interpretamos, ele assim diz..."A Governanta" é um filme bom. Não é muuuuito bom. É razoável. Cansa às vezes. Às vezes é engraçado. Às vezes dá sono. A fotografia é boa. É muuuuito boa. O elenco é excelente. Muito bom mesmo. A historinha é que é mais ou menos. É bacaninha. .. Um dos temas é a fotografia e sua descoberta. O pai fotografa a governanta, que fotografa o pai...e por aí afora, ele diz...
Ok, confesso que o filme, às vezes, chega a ser enfadonho, por causa até do marasmo em que a família vive, isolada de tudo e todos.Os personagens, em estado de letargia, fatigados e indiferentes, pela mesmice do que vivem e convivem. Mas, se olharmos mais profundamente e com afinco, veremos que a historinha "não é mais ou menos assim", ela tem muito a acrescentar em reflexão. Eu enxergo alguns pontos determinantes:
  • Primeiro- sobre o preconceito religioso, a moça judia, que segue os preceitos judaicos se vê obrigada a omitir seu dogma e o verdadeiro nome, para a família cristã, e exercer a profissão de governanta, já que por um lance de azar, teve sua vida virada pelo avesso.
  • Segundo- que a governanta, com sua irreverência, juventude, dá vida ao lugar e promove mudanças nas pessoas, quebrando a rotina, aquele marasmo em que viviam. Através de sua alma curiosa, consegue descobrir o que o dono da casa, então, cientista, tenta anos a fio e sem sucesso, fixar a imagem e perpetuar a fotografia. Por causa desta afinidade, desenvolvem entre eles, um romance e inapropriado.
  • Terceiro- é que através da tenacidade da jovem e sua criatividade, em pousar como modelo, consegue chegar ao tão sonhado aperfeiçoamento da imagem. Como toda pessoa jovem e sonhadora, acredita que fará parte do sociedade, já que foi a responsável pela descoberta do novo empreendedorismo.
  • imagem imagemimagem
  • Quarto - Na sua confiança jovial, e num gesto impetuoso, resolve fotografar o amante em momento íntimo, causando a fúria e rompimento do relacionamento. Poderíamos até pensar que se trata de moralismo e família cristã, porém era comum na época, manter relacionamentos com serviçais ou cortesãs na sociedade. Época de frivolidades e falsas aparências. Na verdade, o que está latente e causa indignação do companheiro, é que a jovem se sobressai sobre a descoberta dele, com sua sensibilidade, consegue capturar imagens perfeitas e mostrar superioridade sobre seu criador, em inovação. O que provoca todo o descontrole, a ira e menosprezo por ela, pois o torna impotente diante do talento dela, que se torna uma ameaça. 
Por fim, vale a pena sim assistir o filme, e ver que a historinha fica bem mais do que pra menos, no final! porque ela traz à tona os nossos piores medos, inseguranças, incertezas. Ganhos e perdas! e uma lição de vida da governanta: O destino nos deu um limão, faça dele uma boa limonada!