quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Filosofia: Suba a montanha com Nietzsche.

 

Nietzsche e a dolorosa jornada humana

É nos infortúnios que moldamos o ser. É nas pedras do caminho que forjamos o caráter e a condição de superação. Suba a montanha com Nietzsche.

João Luís de Almeida Machado.

 Friedrich Nietzsche (1844-1900), filósofo alemão, acreditava que ao escalarmos montanhas tínhamos uma clara compreensão do que é a vida. Os percalços da subida representariam justamente as dificuldades, dores, problemas, erros e infortúnios que enfrentamos. A trajetória de subida, marcada por momentos de satisfação entremeados por estas "pedras" ao longo do caminho, no entanto, compensaria todo o esforço. Metaforicamente falava da existência humana como sendo uma peregrinação, uma caminhada, uma jornada.


As "pedras" ou infortúnios ganham força em suas obras por conta da própria vida acidentada e sofrida do filósofo. Nietzsche perdeu o pai, um pastor presbiteriano, quando ainda tinha 4 anos de idade. Aos 19 contraiu sífilis, doença que lhe causaria inconvenientes até o fim dos seus dias como, por exemplo, a necessidade de sempre buscar locais onde o clima lhe fosse mais conveniente, fazendo com que se mudasse regularmente de cidade. Aos 24 anos tornou-se professor universitário, mas sua carreira durou apenas 11 anos, tendo se aposentado desta função precocemente aos 35. Não conseguiu ser entendido pelos colegas e, ao não estabelecer bons vínculos, como autêntico "estranho no ninho", afastou-se do mundo acadêmico.

Seus relacionamentos amorosos não se consolidaram e, por conta disso, Nietzsche viveu só, angustiado também por conta de seus insucessos emocionais. Suas obras - como "Assim Falava Zaratustra", "Crepúsculo dos Ídolos", "Ecce Homo", "Além do Bem e do Mal", "A Gaia Ciência" - hoje consideradas marcos da filosofia contemporânea, não foram reconhecidas durante sua existência. Não lhe renderam, apesar de publicadas, nem mesmo dinheiro suficiente para que tivesse uma vida confortável, legando-lhe uma vida modesta, sem grandes luxos. Por volta de seus 45 anos, teve um colapso nervoso e pensou ser Jesus, Napoleão, Buda e Alexandre Magno. Foi então internado em um sanatório, onde permaneceu durante alguns anos. Morreu quando ainda tinha 56 anos. Infortúnios, portanto, não lhe faltaram. Na vida profissional, emocional, financeira, familiar, na saúde... Nietzsche colecionou problemas, dores e dificuldades.

Por conta disso, um de seus principais temas acabou sendo o sofrimento. Não como um lamento, como poderia se esperar. Nietzsche não era o tipo de sujeito que se atiraria do prédio como ocorreu com investidores e empresários durante a Crise de 1929. Pelo contrário, pensava que qualquer tipo de problema poderia ajudar as pessoas, ao invés de simplesmente significar a derrocada final, a derrota definitiva.

Realista como era, dizia que todas as pessoas, sem exceção, passam por dificuldades de diferentes graus ao longo de sua existência. Mesmo aquelas que nos parecem tão afeitas ao sucesso, em diferentes momentos de suas vidas passaram, passam ou passarão por infortúnios. Não é possível dividir os homens entre aqueles que são vitoriosos e os que não são. Todos em algum momento têm seus êxitos e seus amargores. A forma como encaramos estes dissabores é que precisa ser revista segundo ele. Temos que pensar a derrota, a dor ou o problema como parte do aprendizado que a vida nos proporciona. Aprender com os erros e, das lições provenientes, em momentos posteriores, ser capaz de articular melhores respostas as situações que a vida nos apresenta.

Nietzsche era tão consciente em suas reflexões quanto ao sofrimento como parte irremediável da existência humana que chegava mesmo a desejar que as pessoas passassem por infortúnios para que, depois, vivessem melhor. Se pudermos pensar, por exemplo, no que acontece hoje, quando as pessoas vivem sob a ditadura da felicidade, certamente compreenderemos melhor o pensamento deste atormentado filósofo alemão.


O fim do mundo, no entanto, conforme Nietzsche, só acontece para quem desiste de tentar, de ir à luta, de acordar pela manhã no dia seguinte com fôlego e disposição para uma reentrada fulgurante no cenário da vida. Vejam, por exemplo, as bailarinas... Para que possam, literalmente, flutuar no palco diante de seus espectadores, passam por horas e horas de treinamentos e ensaios, a adequar-se a diferentes coreografias e estilos musicais. Nessa luta: bolhas nos pés, dores nas costas, contusões esporádicas, horas despedidas e dedicadas a esta nobre arte (e a contrapartida, ou seja, a ausência em outras instâncias da vida, como lazer, família, vida social...). Apesar disso, e ao final de tanto esforço, há as luzes, os palcos, as apresentações, a dança, a arte, a beleza, os aplausos...
Fonte: http://cmais.com.br/educacao/educacao-em-foco/educacao-arte-e-cultura/nietzsche-e-a-dolorosa-jornada-humana
Eu complementaria:
"O que não mata, só me fortalece" - Ave Nietzsche.