Loira Do Bem ∞ : Pitaco de Loira: Convivendo com a diversidade.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Pitaco de Loira: Convivendo com a diversidade.

Conviver dentro de uma rede social, não é fácil, exige muito de nós, flexibilidade, renúncia, autocontrole e empatia com os nossos semelhantes.

Quem já não ouviu a palavra networking ? (união dos termos em inglês "Net", que significa "Rede"  e "Working", que é "Trabalhando".

 O termo, em sua forma resumida, significa que quanto maior for a rede de contatos de uma pessoa, maior será a possibilidade dessa pessoa conseguir uma boa colocação profissional.

Resumindo, nas palavras de Gerusa Mengarda, gerente de relacionamento da Gelre. " é toda a sua rede de conhecimentos, contatos são apenas aquelas pessoas que você conheceu mas não cultivou como amigos",
Recebemos todos os dias, diversos e-mails, mensagens, scraps,...a pergunta é :
_será que estamos sendo coniventes com os anseios dos demais ?
-E antes de enviar as mensagens, temos os “insights”e o cuidado em averiguar se as mesmas tem um sentido universal , e irá agregar a quem as recebe?

Conviver, mesmo que virtualmente, com pessoas, exige um esforço e redobrado, precisamos despojar de nós mesmos, alguns conceitos e praticar atos de generosidade, como diria o budismo de compaixão até e sobretudo, colocar-se no lugar do outro.

 Pe Fábio de Melo, nos lembra:- “Eu só posso estar na vida de outra pessoa, se for para acrescentar, caso contrário sou totalmente dispensável". Faz sentido e muito adotarmos essa postura, devemos ter cuidado com as palavras, porque, elas possuem conotações diversas.

De repente o que passamos para a frente, está em desacordo, com a cultura ,a educação e os padrões estabelecidos pelo outro, o modo de ser, viver e pensar do nosso semelhante.

Respeitar o limite e o espaço de cada um e a intimidade, só quando, de fato, criamos laços com o outro, conhecendo a sua cultura, aí afinidade aflora e nos permite ser um pouco mais invasivos.

A sábia raposa do pequeno príncipe, nos ensinou a milhares de anos luz, “ Uma "estória" tão singela, mas que traz uma reflexão profunda sobre criar laços com quem não conhecemos de fato.

“A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os homens não tem tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos”

Caso contrário, é falta de respeito e maturidade, tentar forjar uma intimidade, que não lhe é assistida no momento, e ser elegante é sobretudo, respeitar o outro, na forma de ser, agir e falar, sem avançar sinais.

O intuito de uma rede é aproximar pessoas, trocar ideias, aprendizados, fazer do nosso dia a dia, um sentido de edificação, de crescimento interior, espiritual, social, profissional, por que não? Estreitar laços.

Segundo o filósofo francês Jacques Rancière"Viver junto requer uma partilha do sensível". Trata-se de um assunto delicado, pois requer habilidade e flexibilidade, já que trata-se de impor limites de liberdade individual e as negociações que devemos fazer diariamente com o coletivo.

A curadora da Bienal de Artes, Lisette Lagnado, enfatiza que "sem o díalogo, sem a mediação da linguagem, partimos para brigas, guerras ,crimes humanitários.

Almir Sater tão bem colocou  essa questão, quando durante entrevista no Festival América do Sul, em Corumbá, anos atrás, afirmou que "sem afinidade entre os povos não haverá desenvolvimento .E o caminho é a cultura.negócios criam atritos.Insistir em começar a integrar fazendo só negócios é começar criando atritos.E isso não vai a lugar nenhum.Você só se integra com quem você tem afinidades. E a cultura é a melhor forma de você criar afinidades com alguém Se você admira alguém – ou uma cultura –, você valoriza esse parceiro. E, aí, a integração será possível".

O filósofo espanhol,Fernando Savater afirma: "Ninguém chega a se tornar humano se está sozinho. Nós nos fazemos humanos uns aos outros". Somos, pois frutos do contágio social. "A humanidade é como um vírus que se pega". Contato após contato, emoção depois de emoção.Nem sempre em um processo indolor. "Não seríamos o que somos sem os outros, mas custa-nos ser com os outros" define Savater.

Não é só as enchentes e rios que estão transbordando, mas a sociedade em si, há excesso de orgulho, vaidade ,arrogância, falta do respeito, da assertividade ,da gratidão e da empatia e nesta busca desenfreada, criamos sentimentos de anti amor.

Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" [Antoine de Saint-Exupéry]

Uma semana Iluminada proceis ! e que saibam criar laços e verdadeiros !!! sempre !!.
Paz  e Bem !