domingo, 10 de fevereiro de 2013

300 LIVROS VIRTUAIS PARA BAIXAR E LER...

Descartes dizia "Penso, logo existo" ou eu duvido, logo penso, logo pesquiso e logo existo. Então, para aqueles que fugiam da leitura, porque achavam livros caros, não há mais desculpas.

Desde 2004, o Governo brasileiro inaugurou o site  Domínio Público que tem por missão divulgar a cultura gratuitamente para todos os brasileiros, com mais de 700 obras, dentre as quais 300 são as mais importantes para a literatura brasileira, sendo marcadas como questões comuns em concursos públicos, vestibular e ENEM, que este www.vejaisso.com/300-livros  disponibilizou o link dos mais importantes. A meu ver todos devem, sem exceção buscar por conhecimento e cultura, independente de qualquer outro objetivo ou meta. Tudo  pode ser roubado, tomado, perdido, menos o Conhecimento. 🦉 📚 🔔 👓 😍


E, antes que alguém questione se isso é ético, por causa do direito à propriedade intelectual, segundo o jornalista Alessandro Martins do blog livroseafins.com  - há 4 leis brasileiras diferentes e de épocas distintas que dizem quando uma obra entra em domínio público – isto é, determina quando os direitos autorais expiram -, de acordo com o ano em que seu autor morreu e a última delas - a  Lei nº 9.610 de 1998 revogou a lei de 1973 aumentando o prazo de proteção para 70 (setenta anos), fluindo esse prazo a partir de janeiro do ano subsequente ao falecimento do autor. Se o autor morreu em setembro de 1999, por exemplo, o prazo passa a contar a partir de janeiro de 2.000. Em janeiro de 2071, a sua obra já estará em domínio público.

Embora, baixar os livros não é crime, porém, de acordo com o site Consultor Jurídico  desde que seja sem  o "intuito de lucro" e somente para seu uso privado,  segundo entendimento do STF, de acordo com artigo 184 do Código Penal Brasileiro”-  fora isso é crime e passivo de prisão.
 "O coração, se pudesse pensar, pararia." Tudo me interessa e nada me prende. Atendo a tudo sonhando sempre. Se escrevo o que sinto é porque assim diminui a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Uns governam o mundo, outros são o mundo. Os meus hábitos são da solidão, que não dos homens., não sei se foi Rousseau, se Sénancour o que disse isto. Mas foi qualquer espírito da minha espécie - não poderia talvez dizer da minha raça. Trechos de Desassossego - por Bernardo Soares (heterônimo de Fernando Pessoa).

Imagens extraídas do site Pixabay - liberado para domínio público e grátis.