sábado, 8 de outubro de 2011

Pitaco de Loira:MÍDIAS SOCIAIS CRIAM UMA NOVA PROFISSÃO

Mídias Sociais - uma nova profissão e uma alternativa para quem gosta de interação com pessoas-
Por Adriana Polizell
Se até bem pouco tempo atrás as redes sociais surgiam como um instrumento eficiente para conseguir emprego e manter viva uma rede de relacionamentos, agora mídias como Twitter, Orkut, Facebook, Blog Corporativo, Linkedin, Flickr, Youtube passaram a ser, elas próprias, geradoras de empregos.Isso porque as empresas já perceberam que não poderiam ignorar o fenômeno e passaram a contratar profissionais para administrar sua presença nas redes sociais. Cada vez mais as redes sociais fazem parte dos negócios, seja para divulgar a marca, os serviços e produtos ou se aproximar dos clientes. Assim, entra em cena o profissional habilitado para dominar essas mídias e atuar estrategicamente em favor da empresa.
O gerente de Mídias Sociais da Tecnisa, Roberto Aloureiro, começou a atuar na área há dois anos, sem grandes expectativas. Mas Aloureiro soube aproveitar o espaço disponível, colocando sua empresa na posição de uma das mais bem-sucedidas em redes sociais, conquistando diversos cases de sucesso.
"Todo mundo acha que é a profissão dos sonhos, como se se restringisse apenas a navegar de rede social para rede social. Mas o trabalho é muito sério e tem o poder de impedir uma crise, entender a opinião do cliente, divulgar a marca e os produtos, entre outras vantagens".
De acordo com Aloureiro, para se dar bem na profissão é preciso ser multidisciplinar, gostar de pessoas, ser comunicativo, ter bom senso, conhecer o consumidor, dominar as diversas redes, entender de design e saber se relacionar no mundo real.
"Se a pessoa for antissocial e não souber se relacionar fora da internet isso se refletirá no mundo virtual", afirma. É importante também que o profissional tenha uma formação acadêmica. As graduações mais comuns desses profissionais são em jornalismo, relações públicas, publicidade, marketing, administração ou tecnologia da informação. Porém o mais importante, segundo Aloureiro, é gostar de tecnologia, independentemente do curso.
Segundo uma pesquisa da consultoria Deloitte feita com 302 empresas brasileiras, em fevereiro deste ano, 70% delas fazem monitoramento online e 55% recorreram a um profissional para cuidar do setor. Isso significa oportunidades de emprego à vista.
Concordo plenamente com o texto acima - como diria um velho ditado chinês"Se não gosta de sorrir - não abras uma loja" -além de gostar de interagir com pessoas, tem que ter disponibilidade em tempo real e mais que tudo gostar do produto que está disseminando entre os demais- 
Essa semana eu li uma reportagem que a Liege Monteiro,uma das promoter - mais badalada do RJ -disse a respeito: - Quando divulgamos ou convidamos alguém para um determinado evento - devemos nos perguntar antes: Eu iria também- gostaria de estar nele ? -Se sim é óbvio que o que estamos a fazer é digno de respeito e valor.- Ponto para ela -
Penso a mesma coisa sobre,se é interessante para nós,nada mais justo de disseminar para ser interessante aos demais, isto é dar  um valor agregado ao produto -e ter o respeito e credibilidade nas ações -de promover algo/produto em que realmente satisfaz.
Portanto, Mídia social deixou de ser apenas uma diversão para virar profissão - As organizações inteligentes já se atentaram para isto e estão valorizando profissionais que possam administrar e gerenciar em tempo real sobre seu produto no mercado.
As Mídias Sociais vieram para ficar e haverá um grande aumento na procura por este tipo de profissional nos próximos anos.
Então não se assustem se daqui em diante não virem mais a palavra Blogueiros e sim profissional de Mídia Social.