quinta-feira, dezembro 13, 2012

Salve Tião Carreiro.

Hoje (13) Dia de Santa Luzia, que me alumia o dia e também e Aniversário de Tião Carreiro se vivo estivesse. Como gênios não morrem, apenas mudam de dimensão.. segue a homenagem ao grande mestre.

"Não vai colher chuva mansa quem tempestade plantar.”
” Ó meu Deus venha na terra porque a coisa aqui ta feia, mas que venha prevenido traga chicote e correia.”
Salve Tiao Carreiro -

(13 de dezembro de 1934 — 15 de outubro de 1993).
Assim caminhava Tião Carreiro.
 














O que ser "Referência". “É o swing dele, o sangue que ele tinha pra tocar”. O lado compositor dele, essa fusão que fez das modinhas de influência europeia com o samba dentro da viola, que chamou “pagode”, é um negócio bonito, brasileiro.“Acho que o lado compositor, o lado instrumentista, o lado cantor, o carisma dele, a seriedade com a qual ele trabalhava com a música, tudo isso contribui “pro” nome dele ficar gravado aí na nossa memória, na nossa história”. Fantástico!

Almir Sater e Tião Carreiro.


Ele era roqueiro (risos), o toque da viola dele era pesado, os trinados da viola dele...Tanto mão esquerda quanto mão direita. O swing da mão direita dele era muito bom, tocava de dedeira. Eu sempre achei que a dedeira dificulta um pouco e ele tirava um som maravilhoso! É mais cristalina a viola tocada com dedeira do que com unha. E ele tinha um molejo na mão esquerda também, que acompanha o toque da viola, o rasqueio da viola. O ponteio da viola dele era muito bonito e o rasqueado também era muito dele. É a personalidade! O “que mandava muito no trabalho do Tião era a personalidade dele”. - Almir Sater.
(trecho extraído da revista viola caipira nº 02 , de Setembro / Outubro / 2003, página 33.)
Tião Carreiro e Pardinho