Loira do bem ∞ : 01/29/14

quarta-feira, janeiro 29, 2014

— Pitaco sobre o equívoco e o perigo da Vaidade.


“Deve-se deixar a vaidade aos que não têm outra coisa para exibir" — dizia Balzac, — Oh isso me faz pensar.....
— Que Às vezes, eu compreendo, mas eu não tento e não entendo, a necessidade que algumas pessoas têm em afirmar, que é amigo do fulano, ciclano ou beltrano, estufando o peito..... — mesmo porque nem sempre o que vemos ou ouvimos é o que de fato é...sic...
 

— a mim não me causa nenhum vislumbre, aliás um dos motivos, que ganhei o respeito e admiração do Almir Sater, por tantos anos, o resto é, "tudo o mais é "vaidade" —
— "Não dou à mínima", que o beltrano, ciclano ou fulano, é amigo do beltrano, ciclano ou fulano que se destaca em alguma coisa!.
— Se quer me impressionar, comece pelo óbvio, demonstrando, os seus melhores sentimentos, visões e ideias, nem só pela embalagem vive o homem, mas de conteúdo e emoção, assim como Belchior, ao invés de "sonhar, prefiro Viver"!...
— Demonstra, um sentimento equivocado, da qual cabe o benefício da dúvida, sobre autoestima, se a possui de fato...
Quando começamos a depender destes artifícios, é porque o amor próprio e conceito sobre nós mesmos estão bem rasos e precisando urgente, de mudanças em nosso interior .."Vaidosos somos todos nós. A questão está em saber se há alguma razão para o ser ou se se é vaidoso sem razão nenhuma.” ―José Saramago.
— Segundo Jane Austen, "“A vaidade e o orgulho são coisas diferentes, embora as palavras sejam frequentemente usadas como sinônimos. Uma pessoa pode ser orgulhosa sem ser vaidosa. A primeira é "a opinião que temos de nós mesmos", e a segunda "o que desejaríamos que os outros pensassem de nós.” — Na dúvida, escolho a primeira!.
Oh isso me faz pensar, que há vaidade, pois a frase também é atribuída ao William Hazlitt, escritor que viveu na mesma época e para piorar, fui ver com Ele, Friedrich Nietzsche", e seu pragmatismo, o que pensa a respeito e "detona comigo mesma":" ―A vaidade dos outros só vai contra o nosso gosto quando vai contra a nossa vaidade.”― toin....e, se Nietzsche diz, quem sou eu, para contrariar, a não ser enfiar a viola no saco, como se diz o dito popular e repensar sobre a minha vaidade também.
Fotografia: Google Helio Arts.