sexta-feira, dezembro 11, 2009

Comportamento: 5 Passos - entre "Admiração e a Bajulação"


Há quem confunda totalmente o que seja um amigo e um bajulador. O amigo não existe para dizer sim a tudo, ele sabe posicionar-se, dizer sim e não; concordar e discordar; calar na hora certa; saber ouvir e também gritar a verdade nua e crua se necessário. Ele não se castra não se omite, porque simplesmente ele é amigo! E a verdade muitas das vezes dói, porém, cura!

Já o bajulador, é pegajoso... é como que cerinto – adquire às formas de quem lhe aprouver – sua visão é usufruir! São cinco os passos que separam a admiração da bajulação, duas atitudes próximas no relacionamento. Um passo em falso na ternura e abandonamos a coragem.

Existem casais que confundem o elogio com o afeto. Elogio excessivo é indiferença. Casar não significa concordar. Isolar do convívio não é proteger. Amar não é dizer sim como costume, evitar a dissidência porque dá mais trabalho explicar e achar a palavra certa.

Fazer tudo pelo outro é enganar. Duvide quando a resposta é sempre a mesma, igual, carregada de diminutivos. A dependência pela vaidade não traz verdade.

Os bajuladores amorosos separam os filhos dos pais, fiscalizam os amigos, realizam uma peneira familiar, criam suspeitas e desconfiança onde existia a boa vontade. Já os admiradores amorosos apontam sem pudor o que enxergam e ficam na pele para ajudar a cicatrizar. Antecipam a ferida, mas retardam os cuidados.

Os bajuladores compõem a maioria dos pares, desistindo da audácia do encontro pela estabilidade. Será aquela mulher a comentar que a comida que ele preparou está ótima quando não termina o prato. Será aquele homem que percebe uma combinação cafona de sua esposa e confessa que ela nunca esteve tão bonita para sair logo.

Desistem do exercício da crítica pela educação. São crianças mimadas que não aceitam perder. Muito menos se ganham de novos.

Minha alegria tem cinco passos. O momento que desafio o abraço e vou à direção contrária para merecê-lo. (Fabricio Carpinejar)