quinta-feira, 11 de março de 2010

Salmo 13, Até quando, Senhor?

Por Que, Senhor ...?


Vivemos num mundo violento, cheio de injustiça. Os jornais trazem notícias diárias de assaltos, assassinatos, atentados e ataques. Acreditamos que Deus domina tudo mas achamos difícil compreender a maldade que nos cerca. Pessoas inocentes são vítimas da crueldade de outros. Nações entram em conflitos uma contra outra. Olhamos para Deus com uma única pergunta: "Por que o Senhor permite tal violência e injustiça?"

Salmo 13


1- Até quando te esquecerás de mim, Senhor ? Para sempre? Até quando esconderás de mim o teu rosto?
2 Até quando consultarei com a minha alma, tendo tristeza no meu coração cada dia? Até quando se exaltará sobre mim o meu inimigo?
3 Atende-me, ouve-me, ó SENHOR meu Deus; ilumina os meus olhos para que eu não adormeça na morte;
4 Para que o meu inimigo não diga: Prevaleci contra ele; e os meus adversários não se alegrem, vindo eu a vacilar.
5 Mas eu confio na tua benignidade; na tua salvação se alegrará o meu coração.
6 Cantarei ao SENHOR, porquanto me tem feito muito bem.

O autor desse salmo sentia IMPACIÊNCIA, ANSIEDADE, REVOLTA, DEPRESSÃO.

Às vezes, sentimos o mesmo que o salmista. Estamos orando e até agora não tivemos resposta. Se isso acontece conosco, quais seriam as atitudes a serem tomadas diante de tal situação? O salmista, que sentiu na carne essa experiência, nos revela pelo menos 3 atitudes para tomarmos nessa situação.

1- Não abandonar o clamor/não desistir (v.3). Mesmo com o coração cheio de impaciência, ansiedade e até de revolta, ele tem um coisa clara em sua mente: “não pode parar de orar”, não pode desistir de continuar clamando. Diferente de muitos de nós, que paramos de orar e desistimos com facilidade diante das situação nas quais não temos resposta imediata, o salmista continua a crer, continua a chamar Deus de “Meu Deus” e insiste em sua oração.

2- Não abandonar a confiança (v.5). Ele tem uma visão firme a cerca dele mesmo: “no tacante a mim, confio no Senhor”. Somos capazes de confiar em Deus mesmo quando a situação ao nosso redor é adversa? Ou confiamos nele apenas quando estamos debaixo da mais absoluta prosperidade e bonança.

3- Não abandonar o Louvor (v.6). Percebam que mesmo tendo começado o salmo com inquietações e queixas, após refletir, o autor termina louvando o Senhor.

Quantos de nós somos incapazes de assumir um espírito de louvor quando as coisas não estão como gostaríamos que estivessem! Quanto de nós, ao primeiro sinal de tribulação, não conseguimos mais louvar!
O salmista passou por uma situação dificílima, e de início, foi tentado a sentir revolta e insatisfação para com Deus, mas tomou atitudes sábias e corretas que o ajudaram a vencer e a continuar firme com o Senhor.
Imitando tais atitudes, seremos vitoriosos e cresceremos de gloria em gloria.

By Ezequiel