Loira do bem ∞ : 07/29/13

segunda-feira, 29 de julho de 2013

SHOWS DE ALMIR NO SESC BELENZINHO PARA AGOSTO JÁ SE ENCONTRAM "ESGOTADOS"

"ESSE CARA É MESMO UM MITO"..
Um verdadeiro avalanche, é a explicação que tenho, para o ocorrido, sobre os
 Ingressos para Mini Temporada de 04 shows de Almir Sater, na unidade do Sesc Belenzinho/SP.
Que menos de duas horas, da abertura ontem, dia (25/07) -esgotaram após 2 horas.
Fãs escrevem, frustrados, no facebook, por não ter conseguido um ingresso,
A linha telefônica do Sesc Belenzinho e o link do site, ficaram congestionados, ao ponto de ficar fora do ar, na Web, por algumas horas.
Acontece, que, todas as unidades, segundo informações colhidas, atuam simultaneamente,  para a venda dos ingressos, e, se esgotou tudo rapidamente, sem chance, para abertura de bilheterias posteriormente.
Almir Sater se apresentou pela última vez  nesta uniade, em 2001 e retornará, após 12 anos, de forma triunfante, como todo o gênio merece. 

foto by Laura Antiqueira - Pirassunga Julho 2013.
Segundo o site do Sesc Belenzinho SP, vide link abaixo, mal abriu a bilheteria online do Sesc, Hoje,( 25), para aquisição de ingressos, já se esgotou todos os shows, da mini temporada que o artista Almir Sater fará em Agosto, nas datas 02 e 03 e 09 e 10.Muitos fãs, foram pegos de surpresas, e manifestaram sua frustração nos comentários, em virtude do ocorrido, infelizmente.

http://www.sescsp.org.br/programacao/8083_ALMIR+SATER#/content=saiba-mais

Sorria Almir Sater Você está sendo visualizado!

O sorriso do Almir Sater está como aquele Cartão - não tem preço.  Ao ponto do Facebook me sinalizar mensagem que até o momento era o Tópico mais popular da Página. a seguir os dados em menos de 20 Horas:
26.608 pessoas até o momento visualizaram.
94 pessoas comentaram.
225 pessoas compartilharam
1.531Curtiram a foto.
Loira Dobem compartilhou a foto de Almir Sater.
"Fazer crítica mal-humorada não dá. Já tá tudo tão difícil, se a gente entrar com mau humor aí pesa muito. Toda crítica para cutucar uma pessoa tem que ser com um sorriso na cara, senão vira briga" by Almir Sater postado by Loira Dobem
foto by Ione Oliver - DF 20/06/13.
 

LER É PRECISO: "PENSAR É TRANSGREDIR" –


PENSAR É TRANSGREDIR – LYA LUFT

Não lembro em que momento percebi que viver deveria ser uma permanente reinvenção de nós mesmos — para não morrermos soterrados na poeira da banalidade embora pareça que ainda estamos vivos.
Mas compreendi, num lampejo: então é isso, então é assim. Apesar dos medos, convém não ser demais fútil nem demais acomodada. Algumas vezes é preciso pegar o touro pelos chifres, mergulhar para depois ver o que acontece: porque a vida não tem de ser sorvida como uma taça que se esvazia, mas como o jarro que se renova a cada gole bebido.
Para reinventar-se é preciso pensar: isso aprendi muito cedo.
Apalpar, no nevoeiro de quem somos, algo que pareça uma essência: isso, mais ou menos, sou eu. Isso é o que eu queria ser, acredito ser, quero me tornar ou já fui. Muita inquietação por baixo das águas do cotidiano. Mais cômodo seria ficar com o travesseiro sobre a cabeça e adotar o lema reconfortante: “Parar pra pensar, nem pensar!”
O problema é que quando menos se espera ele chega, o sorrateiro pensamento que nos faz parar. Pode ser no meio do shopping, no trânsito, na frente da tevê ou do computador. Simplesmente escovando os dentes. Ou na hora da droga, do sexo sem afeto, do desafeto, do rancor, da lamúria, da hesitação e da resignação.
Sem ter programado, a gente pára pra pensar.
Pode ser um susto: como espiar de um berçário confortável para um corredor com mil possibilidades. Cada porta, uma escolha. Muitas vão se abrir para um nada ou para algum absurdo. Outras, para um jardim de promessas. Alguma, para a noite além da cerca. Hora de tirar os disfarces, aposentar as máscaras e reavaliar: reavaliar-se.
Pensar pede audácia, pois refletir é transgredir a ordem do superficial que nos pressiona tanto.
Somos demasiado frívolos: buscamos o atordoamento das mil distrações, corremos de um lado a outro achando que somos grandes cumpridores de tarefas. Quando o primeiro dever seria de vez em quando parar e analisar: quem a gente é, o que fazemos com a nossa vida, o tempo, os amores. E com as obrigações também, é claro, pois não temos sempre cinco anos de idade, quando a prioridade absoluta é dormir abraçado no urso de pelúcia e prosseguir, no sono, o sonho que afinal nessa idade ainda é a vida.
Mas pensar não é apenas a ameaça de enfrentar a alma no espelho: é sair para as varandas de si mesmo e olhar em torno, e quem sabe finalmente respirar.
Compreender: somos inquilinos de algo bem maior do que o nosso pequeno segredo individual. É o poderoso ciclo da existência. Nele todos os desastres e toda a beleza têm significado como fases de um processo.
Se nos escondermos num canto escuro abafando nossos questionamentos, não escutaremos o rumor do vento nas árvores do mundo. Nem compreenderemos que o prato das inevitáveis perdas pode pesar menos do que o dos possíveis ganhos.
Os ganhos ou os danos dependem da perspectiva e possibilidades de quem vai tecendo a sua história. O mundo em si não tem sentido sem o nosso olhar que lhe atribui identidade, sem o nosso pensamento que lhe confere alguma ordem.
Viver, como talvez morrer, é recriar-se: a vida não está aí apenas para ser suportada nem vivida, mas elaborada. Eventualmente reprogramada. Conscientemente executada. Muitas vezes, ousada.
Parece fácil: “escrever a respeito das coisas é fácil”, já me disseram. Eu sei. Mas não é preciso realizar nada de espetacular, nem desejar nada excepcional. Não é preciso nem mesmo ser brilhante, importante, admirado.

Para viver de verdade, pensando e repensando a existência, para que ela valha a pena, é preciso ser amado; e amar; e amar-se. Ter esperança; qualquer esperança.
Questionar o que nos é imposto, sem rebeldias insensatas mas sem demasiada sensatez. Saborear o bom, mas aqui e ali enfrentar o ruim. Suportar sem se submeter, aceitar sem se humilhar, entregar-se sem renunciar a si mesmo e à possível dignidade.
Sonhar, porque se desistimos disso apaga-se a última claridade e nada mais valerá a pena. Escapar, na liberdade do pensamento, desse espírito de manada que trabalha obstinadamente para nos enquadrar, seja lá no que for.
E que o mínimo que a gente faça seja, a cada momento, o melhor que afinal se conseguiu fazer.
Disponível em: http://pensador.uol.com.br/frase/MjgzMzA0/. Acessado em: 22 set 2011.

Caríssimos e Caríssimas,
O texto de Lya Luft para mim é uma metáfora para minhas transformações, ou melhor, para meus projetos de vida. Sempre o leio e reflito acerca de minhas ações e posicionamentos. Questiono-me se estou realmente transgredindo ou se estou inerte na Zona de Conforto. Dessa forma, espero que essa obra prima contribua de maneira significativa nos seus saberes.
Continuem felizes e transgredindo.
Abraços,
Profº. Paulo Gonçalves
 fotos fonte: by google.

DIÓGENES, O CÃO



"Que tipo de homem te parece Diógenes?', perguntam um dia a Platão.
"Sócrates louco", responde. Alguém acrescenta: "Ele diz dos ora­dores que são servos do povo, e as coroas de louros causadas por esta febre: a glória. Vimo-­lo passear em pleno dia com uma lanterna e repetir:

—"Procuro um homem": Perfeitamente!, exclama um outro. E quando as pessoas se reú­nem à sua volta, ele as rechaça com seu bastão gritando: Eu disse homens, não dejetos".

Pensas que ele esteja habilitado para ensinar filosofia?",interroga um rapaz, leitor atento da República. "Um estudante quis um dia estudar filosofia sob sua direção, explica Platão:

Diógenes deu-lhe um arenque e rogou-­lhe que o seguisse. 0 outro, muito envergo­nhado, jogou o peixe fora e se foi. Alguns dias mais tarde, eles se cruzam e Diógenes ri baixi­nho:
'Um arenque partiu nossa amizade:"

0 orgulho de Diógenes é sem igual, co­mentam. Alguém conta então que ele, em sua
juventude,foi feito prisioneiro e exposto à venda. Perguntaram-lhe o que sabia fazer e ele
respondeu:
—"Comandar"

Depois, virando-se para a assistência, lançou: "Alguém está precisando de um mestre?Um outro evoca a ane­dota famosa que põe Diógenes em presença de Alexandre:

"Sou o grande rei Alexandre, diz-lhe este. - E eu, eu sou Diógenes, o Cão.
Que fizeste, pois, para que te chamem o Cão?" pergunta Alexandre.
Balanço a cauda diante daqueles que algo me dão, desato a latir atrás daqueles que nada me dão e mordo os des­crentes."

Com Diógenes e seus semelhantes, os cínicos, a impertinência, a insolência, a provo­cação e o impudor são elevados ao nível de uma arte marcial. Nada que lhes caia nas gra­ças, nada que não esteja destinado a receber a mordida do cão - a vaidade, a preguiça, a suficiência, a avidez, a hipocrisia e o compro­metimento são sem contemplação fustigados.

Texto: COMPILADO PORJEAN-PHILIPPIS DE TONNAC
Café Philo-As grandes indagações da filosofia
Edição Especial do Le Nouvel Oservateur
Jorge Zahar Editor - RJ - 1999.

Sobre Diógenes Diógenes de Sínope (413 - 323 a.C.)

Diógenes foi aluno de Antístenes, fundador da escola cínica. Em sua época Diógenes foi destaque e símbolo docinismo pois tornou sua filosofia uma forma de viver radical. Diógenes expressava seu pensamento através da frase "procuro um homem". Conforme relatos históricos ele andava durante o dia em meio às pessoas com uma lanterna acessa pronunciando ironicamente a frase.

Buscava um homem que vivesse segundo a sua essência. Procurava um homem que vivesse sua vida superando as exterioridades exigidas pelas convenções sociais comocomportamento, dinheiro, luxo ou conforto.

Ele buscava um homem que tivesse encontrado a sua verdadeira natureza, que vivesse conforme ela e que fosse feliz. cidadãos do mundo. Acreditavam que o homem deve ser autônomo e autossuficiente tratando o mundo com indiferença pois a felicidade deve vir de dentro do homem e não do seu exterior.

Outro fato conhecido de Diógenes é seu encontro com Alexandre, então o homem mais poderoso e conhecido. Alexandre solicitou que Diógenes pedisse o que quisesse e este pediu que Alexandre saísse de sua frente pois estava tapando o sol. Diógenes estava com esse ato demonstrando o quão pouco ele necessitava para viver bem conforme sua natureza.

Sentenças:
- Busco um homem honesto.
- Elogiar a si mesmo desagrada a todos.
- O amor é uma ocupação de quem não tem o que fazer.
- O insulto ofende a quem o faz e não a quem o recebe.
- A sabedoria serve para reprimir os jovens, para consolar os velhos, para enriquecer os pobres e para enfeitar os ricos.
- A liberdade para falar é a coisa mais bela para um homem.
- Um filósofo só serve para machucar os sentimentos de alguém.
- O tempo é o espelho da eternidade.
- Sou uma criatura do mundo.

Foto e Texto http://www.filosofia.com.br by  Arildo Luiz Marconatto