quarta-feira, outubro 24, 2012

♥ VIDA QUE SEGUE...♥

Hoje 24 de Outubro, para mim um dia triste e de saudade, pra ser sincera nem postei, um pitaco só meu da imensa alegria que eu senti ao estar no show "emocionante" do Deus Dourado do Rock, Robert Plant, segunda feira em Sampa, no Espaço das Américas.
Sabia que a volta ia ser meia melancólica e que emoções passadas, do "não conformismo", com a perda de uma das minhas melhores amigas, Izabel, ia ermear minha mente e pensamentos.
Até hoje, penso e repenso, o por que,  de forma tão súbita e traiçoeira, quis o destino que ela fosse embora. de duas uma, ou Deus errou a mão ou anjos como ela, tem um prazo menor de validade para estar entre nós.
De qualquer forma, apesar do dia ser triste e enfadonho para mim, quero deixar essa homenagem no meu Blog.
Que sem dúvida, foi uma das melhores pessoas, que pude ter perto de mim, íntegra, inteligente, decente, gente !.

Esteja onde estiver, até que nos encontremos novamente, fique em luz e na Luz.
De qualquer forma, o peito dói, a lágrima escorre e o coração grita "saudade, saudade, saudade e saudade" é que eu  sinto de voce, minha grande amiga Iza.
Para sempre vou te adorar, e lembrar que voce foi uma das melhores pessoas que pude conhecer em vida e ter tido a sorte de tê-la como amiga real e verdadeira.
em todos os momentos bons e ruins. Que nas águas serenas do Rio Siena, voce esteja em Paz.
E que elas se agitem e em festa, para homenagear e por serem privilegiadas de abrigar sua presença mesmo que em espírito, mas  tão especial e tão digna.
um super beijo na alma. irmã.
Izabel Oliveira in memoriam 15/12/1976 - 24/10/2011 -







E como a vida segue... Nem tudo está perdido, ou sem luz,  assim como algo nos entristece, também tem coisas boas para celebrar, enquanto choramos a morte ou lastimamos a perda, eis que há motivos para celebrar a vida. No caso, a vinda para o planeta Terra da Fernanda,  segunda filha de Ana Julia, amiga e médica conceituada em BH e de seu marido,  o Advogado e Professor renomado também, no dia de hoje, fãs incondicionais de Almir Sater desde sempre.
Recebi as 7:06 da manhã uma mensagem no meu celular da Ana Júlia que Fernanda chegara ao planeta Terra.
Que emoção !!!.. Num dia triste para mim e cheio de saudade, pois faz um ano que perdi uma das minhas melhores amigas, Izabel, eis que outra amada amiga, Ana Julia, dá a luz a uma bela menina. ..Que todos os Anjos estejam ao redor.
De minha parte, me sinto lis

onjeada e feliz por ter esse privilégio de receber em primeira mão sobre o nascimento da menina.
Ana - Que Deus a abençoe em todas as suas formas, muita saude, saude e saude a Fernanda, a voce, que tenha completo restabelecimento e que venha "sateriando" risos, desde agora.
Parabéns Bela Mamãe.. sinta se abraçada. mas muito felizzz mesmo ..com sua alegria neste momento tão especial e marcante.
Afinal, dizem que "Ser Mãe é Viver com o Coração Fora do Corpo".


Também soube pelo facebook, através de postagens de outros membros da equipe da banda de Almir Sater, que hoje é aniversário do Marcellus Anderson, "sanfoneiro", "acordeonista", "gaiteiro", seja qual nome é dado para o instrumento dele, só sei que ele sabe como emocionar e levantar uma plateia, ao tocar, agregando ainda mais riqueza musical, a banda de Almir Sater.
Parabéns, Marcellus Anderson  - Vida Longa e Próspera, sempre junto dos seus. e que continue a encantar e hipnotizar as plateias do oiapoque ao chuí, por esse mundão do nosso Deus.
Leia entrevista feita em 01 de Setembro passado, de Marcellus Anderson durante show de Almir Sater, em Toledo, PR, no Jornal A Voz do Paraná, com sede em Cascavel.























Marcelus Anderson

A Voz do Paraná: Marcelus, qual instrumento você toca?
Marcelus Públius Anderson: Sou músico e toco acordeom, também chamamos de sanfona, gaita, são dialetos deferentes, mas é o mesmo instrumento. No sul do País, o pessoal chama de gaita, no nordeste é sanfona e no nosso português o nome correto é acordeom, mas tanto faz.

A Voz do Paraná: Percebi que você começou cedo a tocar.
Marcelus Anderson: O primeiro contato com a musica foi desde que nasci. Venho de uma família de músicos, só que a primeira vez que eu comecei a tocar acordeom eu tinha uns nove anos e profissionalmente comecei com 14 anos. Sempre tive uma paixão muito grande pelo acordeom porque meu avô tocava, ele é paraguaio, venho de uma descendência de paraguaio por parte da minha mãe e por parte de pai descendência sueca, então meu avô tocava música paraguaia, polca. Então, ele faleceu quando eu era adolescente, e o primeiro contato com esse instrumento que foi a minha paixão, foi por causa dele, meu avô que passou isso para mim, mas ele não me deu aula, foi aquele negôcio de ter um contato visual, de vê-lo tocar de estar ali presente naquelas ondas de música que tínhamos em casa, isso foi meu primeiro contato, mas nunca tive professor, sempre fui autodidata, sempre estudei sozinho, sempre estudando para cada vez mais me tornar um profissional melhor.

A Voz do Paraná: Como é tocar com Almir Sater? Como que vocês se conheceram?
Marcelus Anderson: Eu conheci o Almir Sater através do seu filho Gabriel, éramos amigos em Campo Grande, continuo morando lá, inclusive sou o único da banda que ainda reside nesse estado, então foi Gabriel que me apresentou ao Almir, comecei a tocar na banda e já faz 5 anos que estamos juntos. O Almir é uma das pessoas mais sensacionais que eu já conheci na minha vida, não só pela questão da musicalidade, mas pela sua música ser fascinante, é uma música que emociona a todos nós da banda que trabalhamos com ele, e emociona também todo o seu público. Também tem o lado pessoal dele, é uma pessoa super bacana, uma das pessoas mais honestas e maravilhosas que eu já conheci, o Almir tem um coração enorme, sem sombra de dúvida, é a pessoa mais honesta que eu já conheci em toda a minha vida.

A Voz do Paraná: Fala um pouco sobre sua vida para o leitor conhecê-lo um pouco mais.
Marcelus Anderson: Eu morei até os 16 na fazenda, sou de Aquidauana, que é a primeira cidade do Pantanal, e até os 16 anos mexia com vaca, cavalo, e essa foi a minha vida, e o primeiro banho quente que eu tomei foi com 15, 16 anos, não tinha luz elétrica na fazenda, então não tinha essa luxúria que hoje a gente tem, essas comodidades do mundo moderno não peguei na minha infância e na minha adolescência, fui pegar hoje em dia essa vida da grande cidade, e sou privilegiado de viver as duas coisas o lado mais simples e singelo da fazenda até a vida mais luxuosa, entre aspas, do mundo moderno, das grandes metrópoles. Sou casado há 8 anos com a Adriana, temos uma filha de 5 anos chamada Marcela, o Eduardo (12).

A Voz do Paraná: Como é viajar pelo Brasil de ônibus percorrendo as estradas desse lindo País?
Marcelus Anderson: Eu adoro viajar por essas estradas, observando esse nosso lindo País. Também adoro esse trabalho com o Almir, sendo uma das coisas que eu mais gosto de fazer na minha vida, faz eu ter energia, sendo o combustível para continuarmos a tocar e a viajar pelas estradas. A outra questão é o lado familiar, a saudade que sinto da minha esposa e dos meus filhos, mas temos dois meses de férias, então dá para aproveitar bem, curtir bem a família, dá para sentir aquela energia familiar, o carinho de estarmos juntos, aproveitamos bem e isso nos dá força para começarmos o ano com muita disposição, batendo em cima novamente.

Publicado em Sumaya

Nenhum comentário: