sexta-feira, setembro 28, 2012

Pitaco by Loira do Bem ""Cadê o português que estava aqui?"


Tava aqui pensando eu com a minha violinha...
Andaram me perguntando das coisas que me aborrecem...Uma delas falei ontem destas correntes que nos enviam, falando que se não darmos continuidade o mal ou azar virá.. 

  e a outra ...que o meu pitaco de hoje, vai para o rumo que a nossa língua, tem tomado de anos pra cá..(depois de ter recebido ontem um comentário tecendo elogios ao artista, mas que com aquele internetês, onde todas as palavras eram trocadas, Ç por S, L por U, que sinceramente ao meu ver, eu preferia não ter lido)...e isso me fez pensar ...isso me fez pensar...que nossa ortografia e grafia, vem tomando proporção nos ultimos tempos, nada inteligentes, com o advento e crescimento da internet e das redes sociais, pelas massas.
Enquanto alguns vão cometendo esses deslizes, que por mais que eu tente, eu não entendo, cada vez mais os estrangeiros estudam o idioma falado no Brasil, para vir trabalhar ou atender viajantes brasileiros lá fora, daqui a pouco, quando estarmos na disputa de uma entrevista de emprego, os estrangeiros vão tomar nossos lugares, por estar também mais preparados com a nossa própria língua mãe.
Talvez, porque, essas pessoas, estejam equivocadas, quanto a escrita, e talvez, porque achamos que estar na Internet, é ser livre para se expressar e escrever da forma que e como quisermos, um novo dialeto, o “internetês”. Espécie de “dialeto das relações virtuais”. As coisas não funcionam assim. Não podemos mudar a identidade de um povo, nossa tradição.
É a mesma coisa, que alguém entrar em nossa casa, nosso sagrado lar, e mudar toda estrutura dela, sem nossa permissão, seria uma afronta a nossa honra, costumes e tradições.
Veja, bem, não estou me referindo ao linguajar nem de dialetos típicos de cada região, porque estão intrinsecamente ligados a cultura, costumes e tradições das pessoas, estas devem ser sempre respeitadas, assim como temos a linguagem culta, coloquial ou a popular, "as gírias e os jargões" adotados regionalmente e que faz parte da cultura dos povos, denominado folclore, que originou do Folk palavra de origem Inglesa, ou em uma das muitas definições -"Pessoas comuns de uma sociedade ou região considerados como representantes de um modo de vida tradicional e especialmente como as entidades cedentes ou portadores de costumes, crenças e artes que compõem uma cultura distinta: um líder que é proveniente da folclórica. ou seja folk em Português significa folclórica (povo) e Lore (sabedoria), tradição em qualquer parte do mundo"-
O que quero dizer com isso? - Que a nossa língua e formas de escrever, não pode sofrer trangressões virtuais e nem ser assassinada de forma tão inconsequente ou banalizada assim.
A língua é a nossa identidade, é o que nos diferencia dos demais povos e tradições.
"A língua é expressão de um povo. É unânime a comunidade científica quando diz que o grupo social manifesta seu pensamento e sua visão do mundo por meio da sua língua, ou seja, como disse Martinet, o pensamento não pode existir sem a língua (Martinet, 1970:9).
Eu tenho muito dificuldade de compreender isso, essa cafonice que infelizmente assolam a mente de alguns e entendem como "liberdade de expressão" -modernidade ou até nova geração de dialetos virtuais.
Desde criança pequena, quando eu tinha 10 anos - eu pedi de presente, um dicionário da língua portuguesa, eu não queria escrever errado ou não saber o sinônimo das palavras.
Ontem mesmo quando eu percebi que escrevi um texto de divulgação aterrisa com "s" só quase morri de vergonha e fui imediatamente fazer a correção.
Senão vira uma terra de ninguém, e essas é uma das coisas em que o bom senso deve perdurar sempre. Se existisse alguma linguagem ao meu ver que deveria ter obrigatoriedade de estar sendo falada e usada entre nós, seria as dos povos indígenas, que faz parte do nosso legado, como brasileiros, desde que foi descoberto. E ao meu ver, aonde isso vai nos levar?
Já imaginou quando estarmos no mundo real, a redação para entrar numa faculdade, uma carta de apresentação para proposta de emprego, ou até um carta reclamando de nossos direitos, ao negociar uma dívida por exemplo? - argumentando para um juiz de direito... - fico a imaginar ...como seria na linguagem internetês...
"Presado" Senhor .. estava "paçando" por aqui quando vi o "cartas" sobre uma "brexa" (duvido que vamos lembrar do pleitear ) para "enprego", como tô "nessecitado" e sem "posces"...e por aí afora...Sejamos rídiculos no excesso de proferir palavras de amor, empatia, solidariedade e compaixão..
Queremos mudar, que mudamos nossa forma de pensamento, que lutamos por nossos direitos, que exigimos de nossos governos, uma política mais honesta e transparente, que usamos a nossa línguagem, para defender nossos direitos, regredir jamais.. desesperar sempre, do não contentamento de aceitar tudo como natural, é por essas e outras que tudo por aqui acaba em pizza... !
"-O maior dos crimes é matar a língua de uma nação com tudo aquilo que ela encerra de esperança e de genio." by Charles Nodier."