quarta-feira, 18 de julho de 2012

Pitaco By Loira do Bem "Passaporte para ser admitido nas empresas"

Pitaco By Loira do Bem "Texto muito interessante". 
"Passaporte para ser admitido nas empresas"
Quando falamos em Desenvolvimento Inter ou Intrapessoal, em cursos, por se tratar de um tema novo e quase desconhecido dos mais leigos, se torna uma barreira, pois, as pessoas, dizem, que pensavam, que com o curso, iriam aprender, na prática, uma nova profissão, como por exemplo, assistente ou auxiliar administrativo.
Porém, o mercado está cheio de cursos, que oferecem uma nova profissão, ou até de cursos técnicos, mas o que está escasso, é o que ao meu ver, faz o diferencial no mercado hoje, é outro, e que vai mais, muito além das habilidades, é desenvolver potencialidades e sentimentos como empatia, solidariedade, espírito em equipe, respeito as divergências e diferencias culturais, sociais etc etal.. e no fim eles acabam gostando do que assimilaram para si mesmos, através da assertividade.
Antes de estar inserido no mercado de trabalho, e aprender uma nova profissão, devemos  conhecer as nossas forças e fraquezas, habilidades e potencialidades, e sobretudo um olhar desacelerado sobre o outro, são fatores primordiais, para que possamos nos dar bem profissionalmente. Amar o que faz, não só, pelo retorno financeiro, mas, garanto, que muita coisa, poderiam ser evitadas, se o investimento nosso, fossem feitos, naquilo que de fato, temos habilidade nata, para fazê-lo. 
Haveria mais comprometimento, aceitamento e produtividade, em todas os segmentos, e não estar numa profissão, porque é a "bola da vez", é rentável, nos dá status, e assim por diante.
Considero, por exemplo, o profissão, "lixeiro" ou "gari" como a profissão mais importante e vital para nós, sem eles, um ou dois dias que não recolhessem o lixo das nossas casas, estaríamos propensos, a adquirir uma bactéria, e com elas, desencadear uma tragédia.
De nada adiantaria, ter o professor, o bombeiro, o médico, o artista, o rico, enfim, se esses profissionais tão competentes e  diga-se de passagem, recebem míseros salários e  ainda expostos a riscos eminentes, de saúde, pois, infelizmente, a maioria, ainda, não está desperto, para a consciência ambiental e social sobre o assunto.
Ao deixarem, latas, seringas, cacos de vidros, ou objetos contaminados, sem a devida proteção, mesmo que eles estejam com luva anticorte, (infelizmente nem todos as têm, devido a negligência sobre o uso adequado de equipamento de segurança e proteção), estamos, de forma irresponsável, colocando em risco e sem motivo, por falta de conhecimento ou de empatia, a integridade física destes colaboradores, que prestam serviços a sociedade num todo, e que sem eles, seria um verdadeiro caos.
Voltando ao nosso assunto, e como perceber ou fazer essa mudança? Simples, através do autoconhecimento, como enfatizou Sócrates" - Conhece-Te a Ti mesmo". aí, que entra o desenvolvimento interpessoal, nos fazendo repensar sobre nós, quem  somos, o que somos, para onde queremos ir, como tratamos os outros, a nós mesmos e a sociedade, enfim, onde estamos inseridos? .. 

Foto: Pitaco By Loira do Bem  "Texto muito interessante". 
"Passaporte para ser admitido nas empresas"
“As pessoas são contratadas pelas suas habilidades técnicas,
mas são demitidas pelo seu comportamento atitudinal.”
Essa é uma frase que cada vez mais ouvimos falar no ambiente profissional.
É muito mais fácil para uma pessoa que não tem determinado conhecimento técnico fazer um curso e em seguida colocar em prática o que aprendeu, do que a outra que precisa mudar comportamentos. Esse é um desafio que exige um olhar reflexivo para o interior de si mesmo. O processo de mudança não é simples, mas está ao alcance de todos. Ele está, analogicamente, “nas mãos” de cada um de nós:
O nosso COMPORTAMENTO tem a ver com a forma como fomos educados, com as nossas referências de certo e errado, com o significado que damos para palavras como respeito - pessoas - relacionamento, com os paradigmas adquiridos ao longo dos anos... Tem a ver com a NOSSA HISTÓRIA de vida.
Enquanto o comportamento é traduzido pelo que fazemos,
o caráter define o que somos.
Considerando basicamente dois aspectos: que a essência das pessoas vem da sua história de vida, e que geralmente as pessoas acabam sendo demitidas das empresas em função de suas atitudes e comportamentos e não de suas habilidades técnicas, é que eu questiono...
As metodologias utilizadas nos processos de contratação são adequadas
e eficientes para os dias atuais? Qual é o seu grau efetivo de contribuição?
E se os PROCESSOS DE SELEÇÃO disponibilizassem um tempo
para conhecer, de fato, a HISTÓRIA DE VIDA do candidato?
As empresas precisam se adaptar a nova realidade de comportamento das pessoas, a evolução do mercado, a configuração dos novos negócios, a forma de se relacionar e de se conectar com as pessoas, sejam elas o seu público interno ou externo.
Conhecer a “visão de mundo” de cada colaborador, entender como ele percebe a sua vida, a família, a empresa, a área, os colegas...
As pessoas atuam nas empresas a partir da visão de mundo que elas têm. Isso significa que o desempenho de suas atividades, os seus relacionamentos interpessoais, suas percepções de ética e valores e sua habilidade de encontrar soluções, são resultados dos fragmentos da sua HISTÓRIA DE VIDA e da sua capacidade de fazer conexões com outras realidades. Uma boa dica é a gente investir, continuamente, na ampliação da nossa visão de mundo.
Uma empresa só muda se as pessoas mudarem. E as pessoas só mudam se elas mudarem o seu padrão de pensamento e as suas atitudes.
“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.”
By Fernando Pessoa
Será que não está passando da hora das corporações repensarem um novo modelo de avaliação dos seus candidatos a futuros profissionais de seus negócios?
Além as informações registradas no currículo, a HISTÓRIA DE VIDA do candidato poderia ser o seu passaporte para ser admitido nas empresas?
Fica aqui uma reflexão para todos nós, mas principalmente, para os gestores das empresas e das agências de recrutamento.
Fonte: http://familiabloco.blogspot.com.br/2011/04/2-historias-de-familia-passaporte-para.html

“As pessoas são contratadas pelas suas habilidades técnicas,
mas são demitidas pelo seu comportamento atitudinal.”
Essa é uma frase que cada vez mais ouvimos falar no ambiente profissional.
É muito mais fácil para uma pessoa que não tem determinado conhecimento técnico fazer um curso e em seguida colocar em prática o que aprendeu, do que a outra que precisa mudar comportamentos. Esse é um desafio que exige um olhar reflexivo para o interior de si mesmo. O processo de mudança não é simples, mas está ao alcance de todos. Ele está, analogicamente, “nas mãos” de cada um de nós:
O nosso COMPORTAMENTO tem a ver com a forma como fomos educados, com as nossas referências de certo e errado, com o significado que damos para palavras como respeito - pessoas - relacionamento, com os paradigmas adquiridos ao longo dos anos... Tem a ver com a NOSSA HISTÓRIA de vida.
Enquanto o comportamento é traduzido pelo que fazemos,
o caráter define o que somos.
Considerando basicamente dois aspectos: que a essência das pessoas vem da sua história de vida, e que geralmente as pessoas acabam sendo demitidas das empresas em função de suas atitudes e comportamentos e não de suas habilidades técnicas, é que eu questiono...
As metodologias utilizadas nos processos de contratação são adequadas
e eficientes para os dias atuais? Qual é o seu grau efetivo de contribuição?
E se os PROCESSOS DE SELEÇÃO disponibilizassem um tempo
para conhecer, de fato, a HISTÓRIA DE VIDA do candidato?
As empresas precisam se adaptar a nova realidade de comportamento das pessoas, a evolução do mercado, a configuração dos novos negócios, a forma de se relacionar e de se conectar com as pessoas, sejam elas o seu público interno ou externo.
Conhecer a “visão de mundo” de cada colaborador, entender como ele percebe a sua vida, a família, a empresa, a área, os colegas...
As pessoas atuam nas empresas a partir da visão de mundo que elas têm. Isso significa que o desempenho de suas atividades, os seus relacionamentos interpessoais, suas percepções de ética e valores e sua habilidade de encontrar soluções, são resultados dos fragmentos da sua HISTÓRIA DE VIDA e da sua capacidade de fazer conexões com outras realidades. Uma boa dica é a gente investir, continuamente, na ampliação da nossa visão de mundo.
Uma empresa só muda se as pessoas mudarem. E as pessoas só mudam se elas mudarem o seu padrão de pensamento e as suas atitudes.
“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.”
By Fernando Pessoa
Será que não está passando da hora das corporações repensarem um novo modelo de avaliação dos seus candidatos a futuros profissionais de seus negócios?
Além as informações registradas no currículo, a HISTÓRIA DE VIDA do candidato poderia ser o seu passaporte para ser admitido nas empresas?
Fica aqui uma reflexão para todos nós, mas principalmente, para os gestores das empresas e das agências de recrutamento.
Fonte: http://familiabloco.blogspot.com.br/2011/04/2-historias-de-familia-passaporte-para.html