quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Pitaco de Loira> Eu blogo, tu blogas, ele bloga...

 Eu blogo, tu blogas, ele bloga...

Por Marília Monteiro -
Vamos supor que você admire muito uma pessoa, seja ela famosa ou não. Goste do que ela expressa, ou de seu trabalho. Se quiser saber mais sobre tal personalidade, basta googlar o nome do(a) admirado(a) para encontrá-lo(a) em diversos lugares. Quem nunca fez isso?-
Em cada mídia social é possível descobrir “um lado” de uma pessoa. Por exemplo, no twitter dá para ver com quais assuntos o indivíduo está engajado e quais são seus interesses. O Orkut mostra mais como ele se relaciona com as pessoas, além de fornecer fotos e vídeos que gosta. Em cada mídia social, uma sentença! E os blogs?
Blog vem de “weblog” criado em 1997. Dois anos depois, Peter Merholz, por brincadeira, desmembrou a palavra para formar um termo, ficando “we blog”, que foi colocado na barra lateral de seu blog na época. Daí também vem o verbo “blogar”.
Atualmente, o Brasil é o segundo país em número de blogs. Dá pra acreditar?
No blog pode-se aprofundar mais e saber qual a real opinião da pessoa. A ferramenta pode revelar se o sujeito tem um lado cômico jamais visto pessoalmente, se tem pensamentos bons e irônicos/sarcásticos, e muito mais.
O conceito de Blog evoluiu muito desde sua criação. Antes, ele era visto como diário e hoje se tornou um meio de comunicação e expressão de muitos jornais, revistas, instituições e pessoas. Dá até para lucrar com eles.
Com linguagem despojada e possibilidade de focar em que quiser, o autor do blog tem total arbitrariedade nesse campo, podendo discutir política, economia, fazer humor, contar histórias, poemas, postar desenhos, etc. Possuindo tal liberdade, o autor passa a querer cada vez mais leitores para prestigiar seu blog.
Porém, seu acesso varia de acordo com o conteúdo postado. “Fazer do blog um diário não é legal. Escrever onde você foi, o que comeu, com quem foi, não interessa a quase ninguém, a não ser que você seja um artista famoso. Já fazer textos humorísticos, quadrinhos e piadas de própria autoria, ou seja, inventar coisas, é bastante interessante.