segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Pitaco Loira doઇ‍ઉBem Comportamento:Os nobres sentimentos


Desde criança fomos ensinados a refrear sentimentos. E quem é a santa que só tem no coração bondades e caridades? querendo ou não os sentimentos bons ou maus surgem- mas nos ensinaram que os piores devem ser afastados já esqueci em nome de quê., E como fingir que eles não existem?   Em primeiro lugar reconheça o que está sentindo e as razões destes sentimentos. Quando estiver sozinha, pode ficar com toda a raiva do mundo e as forças do seu coração- para aliviar o peito e não ter um infarto. isso ajuda a passar.E quando adorar uma pessoa,deve também ir a fundo e dizer que gosta sem nenhum pudor,pois gostar e fingir indiferença não tem a menor graça.Já reparou como,para certas pessoas, é difícil elogiar ? Quem escolher viver honestamente todos os sentimentos vai perder alguns amigos, em compensação os poucos que ficarem vão ser para sempre. De que adianta o telefone tocar o dia inteiro, se é preciso fingir que é indiferente para ser querida, para ter com quem ir à praia?-

E convém lembrar que quanto mais próximas as pessoas, mais ocasiões e razões temos para amá-las ou odiá-las, e que isso é normal.

Como é bom falar mal de uma pessoa ,dizer com carinho, que ela não vale nada e terminar confessando que é exatamente por isto que é louca por ela. Quando se ouve uma declaração de amizades destas nunca mais se esquece e ser especial para alguém é tudo que se quer.

E mais, sofrer, chorar, rir, abraçar, beijar, passar noites em claro, de tanta felicidade ou de tanto sofrimento, acordar um dia achando que o mundo é todo o seu e no outro não conseguir se levantar da cama de tanta tristeza sem nenhum motivo- é isso que diferencia uma vida plena e rica de outra morna e medíocre. Dinheiro se economiza, mas emoções, sejam de felicidade, tristeza, amor, raiva, nunca.Vá sempre fundo- a não ser que voce esteja na vida a passeio , o que é uma escolha- uma triste escolha aliás- porque todos os sentimentos são nobres, inclusive os piores-
Por Danusa Leão é cronista autora de livros entre eles Quase Tudo e Fazendo as malas.