segunda-feira, 19 de julho de 2010

Linguagem corporal o corpo fala

O corpo diz mais do que você pensa.

Por Thaís Romanelli.













Você já parou para pensar que seu corpo pode dizer muito sobre a sua personalidade? A postura, os gestos, os movimentos corporais e até mesmo as formas físicas podem revelar sentimentos, angústias, traumas, posicionamentos e desejos de uma pessoa. “Observando a postura e a maneira de caminhar de alguém, já podemos ver quais são as regiões do corpo onde estão localizadas as tensões, retrações e desequilíbrios”, diz o terapeuta psicocorporal morfoanalista Serge Peyrot, criador da terapia morfoanalítica, trabalho que integra o lado emocional ao físico, propiciando uma mudança morfológica associada com a postura na vida, de acordo com as características genéticas de cada um.


Segundo Peyrot, podemos ter uma percepção instantânea dos sentimentos que alguém transmite com o seu jeito - mas não as razões psicoafetivas desses desequilíbrios posturais - pela simples observação visual. Afetado pelo lado emocional, os músculos, a pele e os órgãos liberam os conteúdos do lado efetivo armazenados, refletindo no metabolismo, no posicionamento e nas expressões corporais. “A mesma postura pode esconder memórias emocionais muito diferentes. Uma coluna vertebral corcunda pode ser o resultado de uma relação com um pai exageradamente autoritário ou, então, pode ser a conseqüência do fechamento da região do peito e do coração devido a um traumatismo infantil de perda ou abandono. Neste caso, o tórax empurra para trás e acentua a curva dorsal, que acaba corcunda”, explica o fisioterapeuta.

A questão da segurança também está extremamente relacionada com o corpo, assim como a mentira. “Temos uma sensibilidade inconsciente ao que o corpo das pessoas emite. Existe uma comunicação corporal infra-verbal que nos permite captar sinais emitidos naturalmente pelo outro e nos informa sobre seu estado interno”, diz Serge. Tentar transmitir sensações que não são verdadeiras é fisicamente complicado. O corpo, os gestos e a fala denotam de forma clara o estado interno da pessoa.

O fisioterapeuta ainda explica que “o corpo de uma pessoa segura está solto, os gestos e os movimentos se fazem em harmonia com o entorno psicoafetivo, com naturalidade e espontaneidade; é uma pessoa que transmite uma unidade entre o que diz e faz, e o que diz o corpo dela”. E completa: “esta unidade psicopostural implica que existe um equilíbrio interno neste corpo entre a vida afetiva, sensorial, emocional, sexual, e que essas energias estão em constante comunicação e circulam naturalmente”.

Fazer uma análise do corpo é tarefa extremamente complicada, já que o próprio sujeito só tem uma compreensão parcial do seu corpo. Segundo Serge Peyrot, isso acontece “pois as razões mais profundas estão no inconsciente, fora do alcance dele”. “Só gradualmente poderemos descobrir a linguagem da postura e sua historia, e isto acontece ao se realizar um trabalho corporal global, que integra a dimensão sensorial e afetiva do corpo físico”, explica.

Veja como são interpretados alguns gestos

• Mãos nos quadris: provocativo ou duro. Entretido no assunto. Pode indicar antagonismo ou desafio.
• Mãos juntas sobre o colo ou estômago: um gesto de proteção.
• Mãos nos bolsos: estar em contato com o próprio corpo. Busca de equilíbrio frente a uma possível insegurança.
• Braços cruzados na frente do corpo: o gesto pode indicar inúmeras coisas, dependendo da situação. Pode ser uma forma de se resguardar, de se proteger ou de mostrar medo, timidez, força ou poder. O cruzar dos braços também pode demonstrar frieza, mas de uma forma geral demonstra uma posição defensiva.
• Mãos fechadas demonstram atitude hostil e defensiva.
• Falta de movimento: uma pessoa que mantém o corpo imóvel procura passar despercebida ou é extremamente introspectiva.
• Gestos abertos e fechados: geralmente, os gestos abertos são confiantes, enquanto os fechados indicam corte e retraimento.
• Inclinar-se para a frente ou recostar-se na cadeira: aproximar o corpo pode significar interesse sobre o assunto. Enquanto encostar-se na cadeira indica diminuição de interesse ou até indiferença.
• Pernas cruzadas: de nervosismo à insegurança, a posição é um gesto de apoio que deve ser interpretado conforme o contexto.
• Perna cruzada e presa: sinal de uma pessoa perspicaz, obstinada, com uma postura dura e firme enquanto argumenta ou debate.
• Virar de frente e virar de costas: mesmo que apenas uma parte do corpo, os ombros, por exemplo, vire para você, significa que você está sendo incluído na conversa ou na situação. No entanto, se a pessoa lhe voltar as costas, indica exclusão.
• Erguer a cabeça: manter a cabeça erguida é um sinal de interesse, de estar aberto e receptivo à opinião dos outros.

Apesar das interpretações, não existe uma leitura padrão que seja igual para todos, pois a forma como cada um se move e se expressa é particular, individualizada. “Não se pode padronizar gestos como sinônimo de um sentimento que seja o mesmo para todas as pessoas”, conclui Serge.

fonte:http://dnamulher.uol.com.br/secao_interna.cfm?oid=397