Loira Do Bem ∞ : FLEXIBILIDADE É A BOLA DA VEZ.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

FLEXIBILIDADE É A BOLA DA VEZ.


No filme "Alguém tem que ceder" retrata esse comportamento, de que para relacionarmos com o outro, uma das partes terá que fazer concessões, pois quando abrimos espaço para o diálogo, tudo fica mais fácil, principalmente em nossos negócios, relacionamentos pessoais e discussões. 
Alguns anos atrás, ao conhecer uma pessoa que se tornou muito especial para mim, lembro do susto que a mesma tomou, ao ver em nós, tantas diferenças e ao mesmo tempo tantas afinidades, ao ponto de gerar uma indagação: O que eu devo aprender com você?.

É isso mesmo. As pessoas não aparecem, em nossas vidas por uma acaso, algo fugaz, mas sempre para mostrar alguma coisa, às vezes, um aprendizado, para ambos. O que a pessoa aprendeu comigo, eu não sei, porque com o tempo os nossos caminhos se perderam, em alguma curva da estrada, cada um tomou o seu rumo, não mais nos falamos ou vimos, mas eu diria que, eu aprendi a autoestima, dar menos importância aqueles que me ignoravam, ou seja, aprendi, a ter autoconfiança, autorrespeito e amor próprio. Passei a importar menos com o julgamento alheio, como também a fazer da minha espontaneidade, um ponto forte para a minha personalidade, e ser eu mesma sempre, agradando ou não, mas sendo honesta com as minhas verdades. Com o tempo aprendemos o quanto é importante, ceder, ouvir e aprender com o outro e que às vezes o ensinamento vem de onde menos se espera.

O fato de ser mais tolerante, contribuir com a felicidade e o crescimento do outro nos tornam também pessoas melhores, uma pessoa tinhosa ou teimosa demais, sem querer, deixa escapar uma vida carregada de bons relacionamentos, pessoas, relações preciosas, pelo simples fato de nunca ceder, por orgulho, ignorância ou medo.


Tudo é uma questão de escolhas, porém o de ser irredutível, autossuficiente nunca voltar com a palavra atrás, ou ser inflexível, sem chance de dialogar ou coisa parecida, não contribui para nosso melhoria social, espiritual,  pessoal, e muito menos profissional.


Não deixe que o medo, as desavenças e sofrimentos do passado nos tornem pessoas
sempre armadas contra os demais, viver é correr riscos e com pessoas não é diferente,
mas,se negar, a dar a mão ou rever conceitos, ideias, atos e atitudes é beber na fonte da ignorância, soberba e orgulho, e cegos para a evolução espiritual.

Aquilo que renegamos hoje poderá ser o nosso grande aliado no futuro e quem sabe, de fato o que realmente nos valoriza, respeita e ama incondicional.

Mário Persona, motivador e administrador nos lembra:
Não é o meu interesse que deve estar em jogo, mas o interesse original da questão.
Vivemos numa época em que precisamos dignificar o erro. Sim, colocar a falha como uma parte importante do processo de aprendizado. 
Nem escondê-la, nem negá-la, mas enfrentá-la. Reconhecer que falhamos é o primeiro passo para buscar o aperfeiçoamento pessoal e profissional. E, é claro, isso terá conseqüências imediatas no relacionamento com aqueles que nos cercam. Procuro adotar uma postura que pode parecer absurda para alguns.Diante de certos impasses, então colocar na cabeça o seguinte pensamento:"Bem, se alguém aqui tem que perder, que seja eu". Não é derrotismo, mas o reconhecimento de que em determinadas situações esticar a corda só gera rompimento, aumentar o peso só causa esmagamento. Uma empresa inflexível não teria condições de sobreviver às mudanças constantes do mercado.O mesmo pode ser dito de qualquer profissional. Não existe lugar para pessoas inflexíveis no mercado atual. 
PAZ E BEM !!