quarta-feira, outubro 22, 2008

TEMPO DE DELICADEZA





Sei que as pessoas estão pulando na jugular das outras.Sei que viver está cada vez mais dificultoso.

Mas,talvez por isto mesmo ou talvez devido a esse maio azulzinho,a esse outono dentro e fora de mim,o fato que é o tema da delicadeza,voltou a se infiltrar,

delicadamente,nesta crônica,varando os tiroteios,sequestros,palavras ásperas e os gestos grosseiros,que ocorrem nas esquinas da televisão e do cinema com a vida.

Tudo é questão de estilo.a delicadeza não é só uma categoria ética.
Vivemos numa época em que nos filmes americanos os amantes se amam violentamente e em vez de sussurrar "I love You" arremetem "fuck you",

Sei que alguém vai dizer:-com delicadeza não se tira um MST -com sua foice e fúria- dos prédios ocupados.

Mas quem poderá negar que o poder tem sido igualmente indelicado com os pobres deste país,por 500 anos?

Sei que vão dizer:a burocracia,o trânsito,os salários,a polícia,as injustiças,a corrupção e o governo não nos deixam ser delicados.

-e eu não sei ???

Mas de novo vos digo:sejamos delicados.E,se necessário,for,cruelmente delicados.

Trechos retirados da crônica "Tempo de Delicadeza",de Affonso Romano de Sant´Anna,

Que Voce tenha,então,uma tarde delicada
beijos fraternos,

as fotos foram cedidas por Zé Ayusso,da comunidade de Almir Sater,para enfeitar ainda mais meu blog,afinal,nada mais delicado do que delicamente conviver com as flores"