terça-feira, 27 de novembro de 2007

COMPORTAMENTO: DAR E RECEBER - UMA VIA DE DUAS MÃOS...





Pequenas demonstrações de afeto, generosidade e de reconhecimento passam pelo exercício de dois verbos: Dar e Receber.

Richard Bach, escritor americano complementou: "Aprender é descobrir aquilo que você já sabe. Fazer é demonstrar que você sabe. Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto quanto você. Vocês são todos aprendizes, fazedores, professores".

Portanto, dar e receber é uma vida de mão dupla. No entanto, esquecemos dela a todo instante. E isso acontece nas pequenas coisas. Sabe aquele amigo que sempre tem um ombro para as pessoas? Há quanto tempo não liga para ele? E qual foi a última vez que disse a alguém especial o quanto gosta dele ? São pequenas gentilezas que andam em baixa atualmente. Conseguir exercitar o dar e receber é a essência da convivência". Segundo a antropóloga Livia Barbosa, a reciprocidade é essencial para a estruturação da sociedade.

Será que eu mereço isso ? - Receber vem do latim reci-pere, que originalmente tinha o sentido"tomar algo que por direito pertence ao outro". As relações são feitas de troca, diz o psicólogo Bernardo Jablosnki. Mas não há como negar: o exercício do receber é necessário. Olhar para dentro de si mesmo pode ser uma das maneiras de enxergar qualidades perceptíveis nos outros. Não custa perguntar o motivo de enrubescer e ficar sem palavras quando ouve um elogio. Não custa lembrar que quanto mais você aceitar receber, mais terá a dar.

"Se queres receber, deves primeiro dar, eis o início da Inteligência (pensamento taoísta). "É assim que se formam os ciclos do bem, que fazem todos mais felizes", diz a monja Coen, da Comunidade Zen Budista de São Paulo.

A medida das coisas. Desde os tempos da Revolução Industrial aprendemos a mensurar as coisas, isso explica porque queremos colocar na balança até a medida do afeto. Não existe um medidor de sentimento, prazer, amor que sirva como referência no receber ou que dou em troca. "a espontaneidade revela o amor e o cuidado que você tem pelo outro" Não dá para forçar nem enquadrar a emoção", diz o Psicólogo Bernardo Jablonski.

"O caminho para o equilíbrio de dar e receber está dentro de você, é só olhando para si, com respeito e paciência que surgirão as respostas, ensina a Monja Coen. Sobre a dificuldade em amar, Monja Coen acrescenta: "Se precisamos ser lembrados de fazer alguma coisa é porque esse não é um comportamento tão espontâneo".

Porém tudo pode ser cultivado e transformado, mudando inclusive o panorama do desamor, ninguém está obrigado a se sentir devedor para o resto da vida..

Texto: Carla Aranha Reproduzido Revista Bons Fluídos.  extraído da Edição nº 104.